sexta-feira, 11 de março de 2011

#Resenha: Chantilly - Mare Soares

Eu sei que eu deveria estar seguindo uma ordem, indicando livros, seriados e filmes, mas ultimamente tenho lido mais livros e já preparei suas resenhas, sem contar que ainda há mais livros a serem resenhados, daqueles do Book Challenge, estão lembrados? Vou preparar isso o mais rápido possível, assim eu nunca ficarei sem ter o que postar aqui!
Bem, nesse feriado de Carnaval, eu aproveitei para tirar uma folga do meu chato 'O Cortiço' e li Chantilly, um livro curtinho, que eu terminei em apenas 3 horas. Parece bem um aperitivo né? Mas o que ficou mesmo foi a vontade de ler a continuação! O quê? Nunca ouviu falar de Chantilly? Ouviu, mas está em dúvida se vai querer ler? Posso te ajudar com isso:


Chantilly
Autora: Mare Soares
Editora: Independente
Número de páginas: 148
Sinopse: "Um diário foi escrito. Catherine Aragon, numa atitude desesperada, escreve suas recordações em busca de socorro. Somente dez anos depois suas palavras foram ouvidas por um renomado cientista. Ethan Stuart, um homem com pouco carisma, toma as rédeas da situação para tentar ajudá-la. Ele contará com a ajuda de personagens suspeitos: o exótico Leon Saiter, um alcoólatra sem muita perspectiva, que arriscará a própria vida para obter êxito na resolução do caso, e a interessante Anabelle, que vive um dilema dentro de si onde questionará suas verdades e seus valores. A tríade investigadora conclui a soma dos catetos, tornando Chantilly um dos desafios mais intrigantes do seu viver. Mergulhe nesta aventura, em um ambiente noir, repleta de mistérios a serem desvendados numa cidade onde as pessoas perderam as lembranças."

Onde comprar: clique aqui

Retratada no futuro, entre os anos de 2020 e 2035, Chantilly é uma história rápida e gostosa de ser lida. Ela descreve o drama da pequena cidade francesa homônima que, há algum tempo, passou a perder seus moradores, ao passo que eles perdiam suas memórias. É nesse clima de desespero e de dúvida que Catherine Aragon, habitante de Chantilly, decide escrever um diário que, anos mais tarde, seria encontrado pelo pesquisador Ethan Stuart.
Reconhecido por suas pesquisas sobre Chantilly, Ethan é contatado por Leon, um bêbado boêmio que afirma ter vivido na cidade por algum tempo e acabou sendo, mesmo que em menor escala, afetado pela misteriosa doença que apagava as memórias dos moradores.
Enquanto Ethan e Leon correspondem-se com Catherine e vão atrás de respostas, surge Anabelle, moça de atitude e sensual que ganhará a atenção de Leon. O que eles não sabem, entretanto, é que ela trabalha para uma célula do governo, responsável por dizimar todo e qualquer pesquisador que se aventure sobre a história de Chantilly.
As minhas primeiras impressões quando comecei a ler o livro foram que seria uma leitura rápida e muito interessante. Por se passar no futuro, não consegui imaginar muito bem como seria Paris e menos ainda como seria Chantilly. A princípio tudo parece dar certo, Ethan consegue se comunicar com Catherine através de cartas (um recurso muito bem utilizado pela autora, visto o ano em que a história se passa), Leon se junta a ele em Paris e eles estão prestes a se aprofundar ainda mais no caso Chantilly.
Mas o surgimento de Anabelle sacode um pouco as espectativas e o espírito ingênuo de Leon ameaça colocar tudo a perder, visto que ele não consegue se manter calado sobre as descobertas que ele e Ethan dividem. Quanto mais Anabelle se mostra suspeita, mais eu queria que eles avançassem de uma vez por todas. Ao que parece, o "caso Chantilly" foi de iniciativa do governo que, desde seu estopim, vem tentando abafar todas as sequelas que se abateram sobre a cidade.
Todas as pessoas que se envolviam ou chegavam muito perto de descobrir o que se passava em Chantilly acabavam assassinadas, muitas delas através de informações fornecidas por Anabelle. Mal pude acreditar que ela se sujeitava a essas coisas por anos sem ao menos ter perguntado uma única vez do que se tratava. A verdade é que nessa história eu torcia por um final feliz... final esse que não chegou.
O livro deixou muitas dúvidas no ar, o que os pesquisadores já haviam descoberto pouco antes de serem assassinados? O que foi essa ação do governo em dizimar uma cidade quase que completamente? E como Catherine, depois de anos, parecia estar recuperando suas memórias e seu corpo, antes debilitado, parecia estar voltando ao normal?
Agora é só esperar por Copenhague, a continuação da saga Chantilly que nos revelará mais detalhes sobre este caso curioso e emocionante, da luta de um alcóolatra e de uma jovem senhora (jovem pela idade, mas senhora pelo físico) para descobrir o que lhes tomou as memórias. Chantilly é uma leitura rápida e gostosa, indicada, principalmente àqueles que gostam de mistério e não se satisfazem com um simples final feliz.

Nota:

4 comentários:

Mare Soares disse...

Hhahaha adorei o final!
Final feliz é pros fracoos! uhauahau
Me passa seu email via twitter, para eu e mandar o prólogo de Copenhague :)
beijoos!

Ann Gominho disse...

Adorei a capa desse livro! Cada resenha que leio sobre ele me dá mais vontade de lê-lo... Mas, minha "fila de espera" ainda está muito grande... Ou seja, vai demoraaar! kkkkk

Beijos

anngominho.blogspot.com

Tricolor SP disse...

Oi, Verônica.

Legal o seu blog.

Indico esses, que não são meus. Quem sabe, um dia faço um.

http://infinito-e-diverso-els.blogspot.com/

http://ilustrandonossafisica.blogspot.com/

http://divagandoem.blogspot.com/

Bom fds.

★★ GIZA ★★ disse...

olá.
adorei seu blog e estou seguindo.
me segue de volta?
www.amorimortall.blogspot.com
beijos