terça-feira, 31 de maio de 2011

#Indicação - Filme: Casamento Grego

Boa noite!

Dessa vez eu consegui chegar tarde aqui hein? O dia de hoje foi de muita festa porque era aniversário do colégio, então só tivemos duas aulas e o resto foi só alegria! Teve até oficina de hip hop e eu *cof cof* participei! haha Imaginem os professores dançando hip hop? Pois é, tiveram muitos! Super engraçado e divertido!
E a partir de amanhã até o final da semana tenho a contagem regressiva das provas mensais, depois, durante uma semana ficarei livre até a sexta-feira, quando terei um simulado das 13 às 18hrs. Massante? Ah, que nada!
Mas pessoal o que é esse frio?????? Bem, espero que vocês estejam bem aquecidos debaixo de suas cobertas e tomando chocolate quente enquanto eu preciso ficar estudando química e indo pro colégio que é frio demais!!!

Nossa indicação de hoje é....

Casamento Grego (My Big Fat Greek Wedding) - 2002
Conta a história de Toula Portokalos (Nia Vardalos). Toula tem 30 anos, é grega e trabalha em Chicago, no restaurante da família (o '"Dancing Zorba"). Tudo o que o seu pai deseja é que ela arranje um bom marido grego, mas Toula quer algo mais na vida. A mãe convence então o marido a deixar a filha ter aulas de informática na universidade. Com estas aulas, ela toma conta da agência de viagens da tia, onde conhece Ian Miller (John Corbett), um professor de inglês do liceu. Completamente o oposto do desejo de seu pai, ou seja, um não-grego.

Sabe aquela família gigante que se reúne em todas as festas do ano? Se lembra de quando encontra seus parentes e eles fazem sempre as mesmas perguntas? Você já se sentiu constrangido diante do comportamento de seus familiares? Bem, então você sabe como Toula se sente.
A começar, ela vem de uma família grega muito tradicional. O pai e a mãe passaram dificuldades na Grécia e, quando chegaram à América, se virando aqui e ali, conseguiram conquistar um ótimo patrimônio. Toula tem mais dois irmãos: Athena e Nikko. A mais velha é a queridinha de seus pais por ter se casado cedo com um homem grego e por ter se tornado o que ela chama de: "máquina de fazer bebês gregos".
Já seu irmão, por ser o mais novo, é o protegido de seu pai e, embora tenha muitas ambições, principalmente no que diz respeito a cursar aulas de desenho, se basta em trabalhar para o pai no restaurante grego. Deu para perceber que Toula é a filha do meio sem sal nem açúcar né? No começo do filme você pode até se assustar com a aparência desleixada e, por que não dizer, velha dela.
Ela já está acostumada a sua rotina: abrir o restaurante, trabalhar como garçonete, fechar o restaurante. Seu pai já está ficando preocupado, pois ela está "passando da idade de casar" e esse é motivo de crenças negativas para seu pais e (muitos) tios.
Algo que sempre me chamou atenção nesse filme foi a forma como TODOS os parentes se metem na vida uns dos outros. É um compartilhamento de informação que, se bobeasse, poderia virar canal de fofocas. Tudo o que acontece com um, de boca em boca, vai passando pelos demais. E é isso que faz a família Portokalos ficar engraçada. Afinal, Toula não é a única solteirona, mas eles insistem em se meter em sua vida, mesmo que seja muito pacata e rotineira.
Porém, como em todo filme de romance, chega um dia em que um rapaz muito bonito entra no Dancing Zorbas. A situação é bem engraçada, pois Toula fica sem saber o que fazer e, ao lhe servir com café, simplesmente trava. Muitas de nós, mulheres, sabemos como é tenso ficarmos perto de alguém muito bonito ou por quem sentimos atração não é?
Mas Ian é o estalo inicial para que Toula perceba que sua vida está se esvaindo. Ela precisa se mexer, e logo! Então ela decide entrar em um curso de informática, mas como convencer seu pai super conservador? Ele, Kosta Portokalos, não gosta de que haja mulheres mais inteligentes do que ele na família e faz uso da chantagem emocional, na tentativa de persuadir Toula a desistir do curso. Mas ela não se dobra.
Sua mãe, Maria, então decide ajudá-la. E como é uma mulher forte e determinada, convence o marido a deixar a filha estudar na universidade. A partir daí, Toula passa a se arrumar melhor, seu cabelo fica mais brilhante e organizado, cheio de cachinhos, ela troca os óculos pelas lentes de contato (confesso que veio daí minha vontade de usar lentes hihi) e começa a passar maquiagem e a se vestir de forma mais moderna.
No curso, ela encontra um panfleto sobre computadores e turismo e decide seguir naquela área, já que sua tia possui uma agência de turismo e é assim que ela começa a tomar conta da agência. Levando, portanto, ao seu segundo encontro com Ian.
E depois, bem, somem a um rapaz bonito e não-grego, uma moça interessada e uma família extremamente tradicional. O que pode dar? Confusão! Mas Toula está determinada a quebrar com a tradição e ser feliz, mesmo que, para isso, tenha que ir contra a correnteza e desafiar seu pai.
Esse filme sempre me faz rir muito, pois desde o começo até o final, vemos uma intensa participação da família em muitos casos. E mesmo depois de Toula estar decidida a se casar com Ian, mais uma vez, seus inúmeros parentes fazem de tudo para que a cerimônia seja bem no estilo grego mesmo.
Eu super indico para aqueles dias em que você não tem nada pra fazer e está em busca de uma comédia romântica que remetem a uma cultura super tradicional, como a grega. Nia Vardalos já participou de outros filmes, mas acho que esse foi a de maior impacto e muito, muito engraçada! Vale a pena conferir e se divertir!

Nota:

Nenhum comentário: