quinta-feira, 16 de junho de 2011

#Indicação - Filme: Rio

Rio (Rio) - 2011
Quando Blu, uma arara domesticada da pequena cidade de Minnesota, conhece a determinada e independente Jade, viajar para uma aventura no Rio de Janeiro com esse pássaro dos seus sonhos.
Antes mesmo de entrar na sala de cinema eu já esperava um filme bonitinho, como as animações costumam ser. Mas o que eu vi... foi muito mais do que isso! Rio é o filme mais lindo, fofo e perfeito que eu já vi. A melhor animação de todos os tempos!
A animação começa desde que Blu era bem pequenininho, no coração da floresta (nota para o erro geográfico dos idealizadores do filme, afinal, o habitat da arara azul não é o Rio de Janeiro!!) com a alegria e a música de que os pássaros e outros animais compartilham. Tudo bem no ritmo brasileiro!
A ararinha pequena é a coisa mais cuti-cuti que eu já vi, mas sua felicidade é logo interrompida. Contrabandistas capturam diversos animais na floresta e os exportam, para vender a compradores dos Estados Unidos. Mas, a situação precária de transporte desses animais, como um caminhão de carga com a trava da caçamba frouxa, acaba por derrubar algumas caixas e, assim, Blu se encontra abandonado em pleno território estranho e frio!
A cena dele se encolhendo dentro da caixa com aquela expressão de pena, eu confesso, me fez chorar (sou muito emotiva, é). Mas logo em seguida sua sorte muda e ele se vê acolhido por uma americana. O tempo passa, e Blu agora é uma arara domesticada, ou seja, não aprendeu a voar. Ele é tratado e vive como um humano, até mesmo ajuda sua dona na livraria que ela mantém no andar de baixo de sua casa.
Até que um pesquisador irrompe de supetão e fala rápida e afobadamente que Blu é sua última chance para que a espécie da arara azul não desapareça. Só que, para isso, Blu e sua dona precisarão viajar até o Brasil, mais precisamente até o Rio de Janeiro, para que possam tentar acasalar com a última fêmea da espécie.
A partir daí, embora ela mostre relutância, Blu e sua dona vão até o Brasil e, quando chegam, se sentem um pouco deslocados pela cultura diferente e o idioma ainda mais. Acho que foi muito legal toda essa ambientação no Brasil, mostrou (mesmo que a localidade estivesse errada) que a nossa fauna é extremamente rica e diversa, mas, com o tráfico ilegal, muitos desses animais se perdem nas mãos de negociantes.
Mas fora essa parte triste, o desenho é muito legal. Eles cantam, principalmente quando precisam escapar dos contrabandistas, mais uma vez, que acreditam no valor das duas últimas aves da espécie. Uma coisa que me incomodou no filme foi o fato do garoto da favela, o gaiato de todo o esquema de tráfico estar usando a camisa da seleção brasileira com o número que pertenceu ao Pelé. Não sei se vocês já repararam, mas em todo filme onde o Brasil aparece, a camisa do Pelé está sempre presente, seja no mocinho ou no vilão. Eu só achei engraçado... Bem como o nosso carnaval retratado da forma correta... até os traficantes inserirem um fusquinha enfeitado com penas de galinha.
Peraí, eu não sou lá muito fã do carnaval, mas meu conhecimento não é tão pobre assim. Todos sabemos que não é qualquer carro que entra na Sapucaí, certo? Então como é que essa carro de contrabandista vai parar lá?! Foi um erro, não feio, mas absurdo! Esses desfiles contam com apresentações maravilhosas e riquíssimas em cores e enredos, então por que estragar dessa maneira?
Fora isso, achei o desenho fantástico, se você é apaixonado por desenhos, pelo Rio de Janeiro, por animais fofos ou por tudo isso e mais um pouco, assista Rio! Esse filme precisa estar no repertório de todo brasileiro, pois, apesar dos erros tipicamente estrangeiros, a trama e o desenho são capazes de ganhar o coração de qualquer um. Uma estória maravilhosa e muito fofa, todo mundo precisa conferir!

Nota:

Um comentário:

Moderador Shotacon Brasil disse...

Eu já vi esse filme é recomendo tambem, das animações que surgiram nos últimos tempos essa já é uma das minhas preferidas :}