terça-feira, 26 de julho de 2011

#Indicação - Filme: Hotel Ruanda

Boa noite!

É, eu demorei para aparecer por aqui, mas foi tudo por um bom motivo. Hoje é feriado na minha cidade natal, então meu pai não foi trabalhar. Por isso, acabei aproveitando para fazer tudo o que precisava fazer: fui aos correios, fiz compras, cortei o cabelo, fiz massagem e fiz mais compras. Hahaha
Também recebi uma surpresa super agradável e espero poder compartilhá-la com vocês logo, logo. Mas eu já demorei tempo demais, que tal a indicação agora?

Hotel Ruanda (Hotel Rwanda) - 2004

A história se passa em Kigali, capital da Ruanda em 1994, no que ficou conhecido por Genocídio de Ruanda. Paul Rusesabagina (Don Cheadle) é gerente do Hotel des Mille Collines, propriedade da empresa belga Sabena. Relata um período de aumento da tensão entre a maioria hutu e a minoria tutsi, duas etnias de um mesmo povo que ninguém sabe diferenciar uma da outra a não ser pelos documentos.
Tudo começa quando o presidente de Ruanda morre em um atentado após assinar um acordo de paz. Imediatamente os hutus creditam o crime aos guerrilheiros tutsis, dando início ao genocídio de tutsis e hutus moderados.
Neste instante, Paul tenta proteger sua família, mas com iminente massacre generalizado, compra favores para proteger seus vizinhos que haviam pedido abrigo em sua casa na primeira noite de atrocidades.

Com a continuidade da tensão e mortes de governantes, os turistas partem enquanto que no hotel, aumentam a quantidade de vítimas que procuram abrigo e proteção (forças do EUA) fazem a segurança do mais novo "hotel de refugiados".
Pela compra de favores dos militares e da milícia Interahamwe, Paul consegue manter o hotel a salvo. O Coronel Oliver, interpretado por Nick Note, é um personagem fictício que representa os militares canadenses no comando das forças de paz das Nações Unidas da Missão de Assistência das Nações Unidas para Ruanda (UNAMIR), que tentam proteger vidas mesmo com a falta de tropas.
Outro filme que assisti pela escola, dessa vez na matéria de geografia. Sempre ouvimos falar de como os países africanos vivem na guerra, na miséria e etc. Estamos acompanhando as revoluções populares contra os regimes ditatoriais na Líbia e no Egito. Esses países até avançam alguma coisa, por causa do petróleo, mas e quanto aos outros? Ruanda é um exemplo deles. O filme é baseado em fatos reais, tendo como base o genocídio de tutsis ocorrido em 1994. As pessoas desse país são divididas em duas categorias: tutsis e hutus, o critério utilizado são aspectos faciais como a grossura do nariz, por exemplo.
Depois que o presidente é morto após assinar um acordo de paz, é o suficiente para que a matança começa. Paul Rusesabagina (nunca me esqueci do nome dele!) é o único hutu da família, sua esposa e filhos são tutsis e estão na lista dos guerrilheiros hutus. Mas ele trabalha em um hotel belga e, sempre muito gentil e inteligente, conseguiu manter boas amizades, inclusive com o mandante do genocídio, o qual se refere aos tutsis como "baratas" (o jeito com que ele fala "cockroaches" é muito engraçado). Dessa forma, Paul consegue salvar sua família e vizinhos (todos tutsis por incrível que pareça), na base da troca de favores. É por isso que eu sempre digo, o que não fazem bons contatos?!
Enquanto a matança prossegue, tropas da ONU tem ordens de retirar todos os turistas ou qualquer morador que tenha nascido em terras estrangeiras, principalmente os europeus norte-americanos. Já dá para perceber que os EUA não estão nem aí para o que acontece no continente africano, não é? Paul acredita que não, ele tenta acreditar que alguém haverá de intervir nessa guerra sem sentido e extremamente violenta. Todos sabemos que os países do primeiro mundo não se interessam por nada mais do que aquilo que lhes convém. Então, se Ruanda não tem nada a lhes oferecer, por que, então, ajudá-los nesse problema interno?
As cenas são chocantes, mas mostram uma realidade que sobrevive até hoje! Não estamos acompanhando as tropas de Kadaffi matar milhares de civis em troca da soberania de uma ditadura? Hotel Ruanda tem o objetivo de nos mostrar o que acontece nesses países onde as guerras civis são constantes e como os demais países não fazem nada para impedi-los. Se bem que, se formos analisar a história, a culpa, na verdade, é desses últimos mesmos, afinal, foram os europeus que dividiram a Áfria como bem entenderam, sem se importar com tribos rivais permanecendo no mesmo território.
É um filme muito triste, onde você torce a cada minuto que a honestidade e a força de vontade de Paul salve todos esses refugiados dentro daquele hotel. Mas se quisermos um pouco de realidade, Hotel Ruanda é uma ótima lição, histórica e atual sobre a situação desses países pobres. Vale a pena conferir, nem se for apenas uma vez, é algo cultural, para quando se quer sair da fantasia um pouco e encarar a realidade. Um ótimo enredo, ótimos atores como Jean Reno (pequena participação como o dono da rede de hoteis belga) e Don Cheadle (mesmo ator de Crash: No Limite e Homem de Ferro 2) e, na minha opinião, só pelo caráter histórico e por ser baseado em fatos reais, já vale a pena conferir.
Não é uma realidade de mais de dez anos atrás, mas ela permanece até hoje, em diferentes países e, ainda assim, os africanos estão sozinhos nessa luta, afinal, não são todos que tem algo para dar em troca de ajuda dos países desenvolvidos. Uma triste e dura realidade.

Nota:

2 comentários:

Alinne Lopes disse...

Adorei a dica!
Amo filmes desse tipo.
Muito bom o seu blog.Parabéns.
Já estou te seguindo.
Se quiser conhecer e seguir o meu blog será muito bem-vinda.
Beijos.


Books E Desenhos

Aione Simões Sérgio disse...

O filme parece ser bem triste, nem sempre gosto de assistir a filmes assim porque são baseados em fatos reais.
Mas deve ser ótimo, e é bom para nos fazer refletir.
Beijos!