segunda-feira, 19 de setembro de 2011

#Resenha: Die For Me - Amy Plum (Book Tour - Blog Guria Que Lê)

Pela primeira vez, o Only The Strong Survive está participando de uma Book Tour. O que é uma Book Tour? Muito simples: uma pessoa disponibiliza o exemplar de um livro e oferece a um grupo fechado, onde ele passará de mão em mão e, depois, todos deverão postar a resenha. Basicamente isso!
O meu primeiro foi do blog Guria Que Lê e eu fiquei muito animada, pois Die For Me estava na minha lista de leitura e, geralmente, eu deixo livros em inglês para depois, na esperança de vê-los traduzidos ou, então, dar chance aos traduzidos antes que a pilha aumente!

Espero que vocês curtam e não deixem de comentar!

Die For Me
Autora: Amy Plum
Editora: Atom
Idioma: Inglês
Número de páginas: 344
Sinopse: "Die For Me é o primeiro de três livros sobre Kate, uma norte-americana de 16 anos que se muda para Paris após a morte de seus pais. Ela se apaixona por Vincent e acaba descobrindo que ele não é o típico jovem francês que aparenta: ele é algo totalmente diferente."

Ler Die For Me foi uma experiência incrível e, até certo ponto, curiosa. A sinopse não deixa aparente e tampouco eu serei a chata que revelará qual é o segredo de Vincent. Começamos o livro com o luto de Kate sobre a morte de seus pais em um terrível acidente de carro. Por causa disso, ela e a irmã Georgia, foram forçadas a se mudar para Paris e morar junto com os avós.
Porém, como estavam acostumadas desde pequenas ao francês e à França, Paris é como uma segunda casa para elas. Ainda estão nas férias e, portanto, Kate tem tempo de sobra para afundar no luto, sempre calada e com um livro nas mãos, ela evita a personalidade festeira da irmã e "mofa" no próprio quarto. Tudo bem, dá para entender seu luto, perder os pais não é fácil, eu nem consigo imaginar essa dor, mas... será que precisa ficar se lamentando a todo segundo do seu dia?
Algo que me incomodou em Kate (e foi uma das únicas coisas que achei um pouco maçante no livro) foi sua autopiedade, coisa que tornou-se chata depois de certa parte. Era como se eu sacudisse o livro e dissesse: "Muito bem, já entendi que você está triste porque seus pais morreram. Moving on..." E todo esse sentimento perdura pelos capítulos até que ela decide sair e respirar novos ares. Visitar os cafés aconchegantes de Paris, confesso, me deu uma vontade enorme de conhecer a cidade e vocês vão perceber, caso leiam, que a autora usa e abusa de localidades simples, mas românticas e de beleza própria que, para alguém que não conhece Paris como eu, acaba sendo um prato cheio para a imaginação.
E aí surge Vincent. Oh, Vincent, o colírio para os olhos. Misterioso, já fica encarando Kate desde o primeiro momento no café que ela escolhe como seu ponto fixo de leitura. Ela fica incomodada e surpresa, claro, sem contar que não há como não se sentir atraída pela beleza dele e seu jeito meio "bad boy". Mas demora um pouco até que eles efetivamente se conheçam. Afinal, o que seria de um bom mistério sem a demora?
Enquanto isso ela não consegue tirá-lo da cabeça e isso faz com que Kate dê uma reanimada em sua própria vida. Ela até aceita sair um pouco com a irmã, mas são surpreendidas por uma cena, no mínimo, estranha. Uma garota tenta pular da ponte, mas é impedida por um garoto que pula atrás dela. Ao mesmo tempo, lutas com espadas são ouvidas em algum lugar perto daquela ponte e a cena de horror fica ainda mais estranha quando Kate se depara com o garoto do café. Não Vincent, mas um de seus amigos.
Isso acende uma luz na cabeça de Kate e ela começa a suspeitar. Quando ela e Vincent são formalmente apresentados, então, aí que ela fica curiosa sobre tudo, principalmente porque ele é tão lindo e, segundo ela, não poderia estar interessado em uma garota como ela. A típica insegurança de adolescente. Mas desde o início somos sugadas (ela e eu, humilde leitora) para o mundo conturbado e perigoso de Vincent.
Eu não consegui sossegar enquanto não descobri o que ele era, porque todas aquelas cenas estranhas, seus amigos que apareciam e no dia seguinte não. Tudo isso é muito bem explicado, depois de alguns momentos de tirar o fôlego, onde você se vê praticamente gritando com o livro: "O quê? Como isso?" Amy consegue entrelaçar bem a trama, mantendo a narrativa sob o ponto de vista de Kate, mas ainda assim achava os devaneios da garota dignos de Bella Swan em alguns momentos.
Vincent por outro lado, é idealizado por Kate, o típico rapaz perfeito e romântico e, tratando-se de Paris, eu não poderia esperar menos. Mas ele não é qualquer um, sua vida corre grande perigo todos os dias, tornando-o extremamente especial e, porque não dizer, de hábitos... estranhos. Aos poucos, ela é inserida nesse mundo e, embora ele tente protegê-la a todo custo (alguém mais notou síndrome de Edward Cullen?) está mais do que claro que, uma vez dentro, você jamais pode sair como se nada tivesse acontecido.
Todos esses segredos, a verdadeira face de Vincent fazem com que Kate questione seus sentimentos. Ela acabou de se recuperar (e ainda está no processo de cura) de uma grande perda; será que está preparada para colocar seu coração novamente em risco? Por muitas vezes ela pensa que viver longe de Vincent é a solução, mas deixe-me dizer uma coisa: quando se está apaixonado, parece que nem a morte separa (ainda mais se for um romance sobrenatural!) E é nesse vai e vem que as coisas começam realmente a esquentar.
Descobrimos cada vez mais de como a situação de Vincent funciona, ele nos revela um pouquinho de seu passado e demonstra, cada vez mais, que está caindo de amores por Kate. O típico príncipe encantando que me deixou salivando para conhecer Paris e sair atrás de um rapaz como esse. Tudo bem que ele tem seus momentos superprotetores, mas acho que qualquer um que ame intensamente está propenso a esses sentimentos angustiantes que é a tentativa de deixar a pessoa amada longe de perigo. Digamos que, para o bem do livro, não é bem assim.
Se Vincent vive em um mundo perigoso, então Kate automaticamente estará inserida nesse mundo. Adorei a forma como Amy soube ambientar esse mundo sinistro dentro da bela e apaixonante Paris. A construção dos personagens, principalmente de Kate e Vincent pode beirar o clichê em alguns momentos, com frases, ações e pensamentos que vemos a todo momento em filmes românticos e livros, mas não se deixe levar por essas partes. Mergulhe no tema sobrenatural e surpreenda-se, como eu. Já está na minha lista de livros para comprar e eu amei a capa, achei extremamente relacionada ao livro, mais viva e apaixonante do que a outra, onde ela aparece sentada em um barco. Ele também tem um significado no livro, mas gostei mais da vivacidade da capa vermelha, algo menos sombrio, mas um tanto misterioso.
Quanto ao título, só lendo para descobrir e, ao contrário do que eu havia pensado no começo, não, a tradução não pode ser feita ao pé da letra. Vale a dica! Altamente recomendado e estou apostando muito nessa trilogia. O segundo volume, Until I Die, será lançado no ano que vem, então só resta esperar!
Como na maioria dos livros sobrenaturais, gostaria que o tema desse fosse verdade, afinal, deve ser incrível poder... bem... não vou contar! Leiam e descubram!

Nota:



7 comentários:

Mariana Ribeiro Barbosa disse...

Olá, Vê!
Menina, você me deixou aqui muito angustiada por descobrir o segredo do personagem e essa aura de mistério na história só contribuiu para que eu ficasse curiosa a respeito.Espero ter a oportunidade de ler ele algum dia!
A capa é mesmo linda e o título é bem sugestivo, né? rs
Adorei a sua resenha!!
Bjos.

Mariana Ribeiro
Confissões Literárias.

Livia Lorena Damasceno disse...

Uau! Vc tbm me deixou morta de curiosidade! O que há por trás de tanto mistério? hehehe A capa e o título realmente são demais... Sua resenha ficou ótima.
Parabéns e sucesso
Bjos
Lilo

dpaulaingrid disse...

Menina, que resenha! E olha que fiquei engolindo palavra por palavra, simplesmente ADOREI! fiquei tipo: eu quero! eu quero!!! #adorobadboy hehe qual será o segredo de Vincent? 0.0

Monica Carneiro disse...

Vê, fiquei super curiosa com este livro. Você caprichou na resenha, e parece que gostou muito.
Adorei a dica e o entusiasmo.
beijim

Mariana Dal Chico disse...

Adorei sua resenha, já tinha gostado do livro apenas pela capa *_*
Li Anna and the French Kiss que também é ambientada em Paris e fiquei apaixonada pelo cenário S2
Com certeza subiu na minha pequena (enorme) lista de livros para ler!

Nadja disse...

Adorei a resenha e quero ler o livro... aliás... preciso de umas 100 vidas para ler tudo que quero!!!As suas notas, vão de 0 a 10?

Veezinha disse...

É verdade! Vou precisar descobrir um jeito de me tornar imortal porque olha... desse jeito a lista não vai se esgotar nunca! hahaha Mas esse livro é lindo, aconselho a colocar na frente! ;) Minhas notas vão de 0 a 5, é que ainda estou em fase de padronização aqui no blog, mas logo, logo os posts de resenha e indicação terão as imagens das estrelinhas ok?
Volte sempre!

xx


Em segunda-feira, 17 de outubro de 2011, Disqus<
> escreveu: