quinta-feira, 10 de novembro de 2011

"Turn On The Radio, Honey..." #12

Boa tarde!

Estou aproveitando que cheguei da escola mais cedo por conta de um mal estar para poder atualizar o blog. Para não sobrecarregá-los, postarei 3 hoje e 3 amanhã, ok? Sinto muito que as atualizações estejam se acumulando dessa maneira... final de ano é assim mesmo!
Mesmo assim, domingo eu passei grande parte da manhã divulgando a promoção de 1.000 seguidores e até agora tem dado um resultado além do satisfatório! Gostaria de dar as boas-vindas aos 23 novos seguidores que ganhei desde o aniversário do blog, há 12 dias. Estou muito feliz e espero que mais de vocês venham, participem e comentem, pois o blog estará cheio de novidades para 2012, acreditem!
Semana que vem mesmo, já estarei lançando uma nova promoção e depois que eu fizer a última prova, no dia 29, terminarei de revisar os posts do blog e padronizá-los. Vou atualizar as páginas internas também e alterar alguns detalhes! Estou super ansiosa para tudo isso e mais um aviso... tem Book Challenge vindo por aí! Quem não sabe do que estou falando, basta visitando a página de mesmo nome láááá em cima que estará tudo explicadinho! Essa nova edição eu prometo me esforçar ao máximo para cumprir e zerar a minha pilha!
Mas chega de tagarelice, vamos ao que interessa. Esse clipe foi indicação do Ricardo e é do System Of A Down: B. Y. O. B.


Um aviso: se você vai ouvir essa música pela primeira vez, lembre-se de abaixar o volume. Eu, por exemplo, estava com o volume no máximo e levei um susto quando o vídeo começou a rodar. Ainda bem que não tinha ninguém por perto, ou pensariam que estou louca! rs
Já comentei aqui no blog que curto o som do System Of A Down, embora não possa ser considerada uma fã de carteirinha. Acho legal a proposta deles e as letras sempre tem alguma alfinetada, seja uma questão social ou, como nesse caso, uma questão política.


Why do they always send the poor?
Por que eles sempre mandam os pobres?

Barbarisms by Barbaras
Barbaridades de Bárbaros
With pointed heels
De salto alto
Victorious victories kneel
Vitórias vitoriosas se ajoelham
For brand new spankin' deals
Para novos negócios excepcionais

Marching forward hypocritic and
Marchando em frente à hipócritas e
Hypnotic computers
Hipnotizantes computadores
You depend on our protection
Você depende de nossa proteção
Yet you feed us lies from the tablecloth
Ainda assim você nos alimenta com mentiras sobre a toalha de mesa

Vencedora do Grammy 2006 na categoria "Melhor Performance Hard Rock", B. Y. O. B. critica o teor das guerras promovidas pela enorme potencial mundial, os Estados Unidos. Logo no início, no primeiro verso, notamos a crítica: "Por que eles sempre mandam os pobres?" Afinal, quem luta nas guerras: o povo ou o governo? Não é terrível pensar que é a população que enfrenta batalhas em nome de seu país, enquanto os manda-chuvas se escondem atrás de seguranças, carros blindados e só mandarão condolências à família que perder alguém na guerra?
Eles definitivamente só veem o lado político, o que convém ao país e seus interesses. É duro perceber como não ligam a mínima para aqueles que confiaram neles enquanto votavam. Os EUA, como potência mundial, tem uma reputação a manter e, se achar que esse ou aquele país pode ser uma ameaça à sua hegemonia, não medirá consequências até que a "ameaça" seja controlada, não importa quantos homens perder, quantas famílias destruirá.


Everybody's going to the party have a real good time
Todo mundo está indo para a festa se divertir
Dancing in the desert blowing up the sunshine
Dançando no deserto, com o sol raiando

Kneeling roses disappearing into
Rosas Ajoelhadas desaparecendo na
Moses' dry mouth
Boca seca de Moisés
Breaking into Fort Knox stealing
Arrombando o Forte Knox e roubando
Our intentions
Nossas intenções

Hangers sitting dripped in oil
Cabides gotejando em petróleo
Crying freedom
Chorando por liberdade
Handed to obsoletion
Entregue ao obsoleto
Still you feed us lies from the tablecloth
Ainda assim você nos alimenta com mentiras sobre a toalha de mesa

A Guerra no Iraque começou em 2003, com a invasão de tropas norte-americanas e britânicas. A desculpa era a posse de armas de destruição biológica por parte do Iraque, que nunca foi confirmada. No entanto, a ofensiva continuou, mesmo depois da derrubada de Saddam Hussein e custou ao governo norte-americano bilhões de dólares, sem contar inúmeras perdas humanas. É comum vermos em filmes, seriados e videoclipes cenas de soldados indo lutar pelos EUA, a dor de suas famílias e a constante espera de que, um dia, eles voltem.
O Iraque, também, é rico em petróleo, então acho que já dá para se ter uma ideia das reais intenções dos Estados Unidos com essa guerra. Como eu disse anteriormente, a super potência só está interessada em controlar cada vez mais todas as vias de comércio e política no mundo, interferindo em conflitos internacionais se estes tiverem alguma relação com seus interesses. É nessa crítica que SOAD se sustenta com a letra da música e seu ritmo pesadíssimo, além do videoclipe lotado de soldados mascarados com palavras luminosas piscando em seus capacetes.


Blast off
Destrua
It's party time
É hora da festa
And we don't live in a fascist nation
E nós não vivemos numa nação fascista

Blast off
Detona
It's party time
É hora da festa
And where the fuck are you?
E onde diabos esta você?

Where the fuck are you?
Onde diabos está você?
Where the fuck are you?
Onde diabos está você?

Why don't presidents fight the war?
Por que os presidentes não lutam a guerra?
Why do they always send the poor?
Por que eles sempre mandam os pobres?

Nessa última parte da música, eu senti como se fosse uma alternância entre a guerra e a festa, enquanto se ordena para que se destrua um alvo, com a mesma facilidade nos divertimos, sem saber do que realmente se passa. Pelo menos, foi essa a impressão que ficou para mim.
Há também, na última estrofe, as duas perguntas cruciais: por que eles não lutam na guerra? Por que sempre tem que ser os outros, os cidadãos que nada tem a ver com as ambições e picuinhas do governo diante de outras nações? Na minha opinião, é a maior hipocrisia de um governo que se diz livre, inovador, poderoso. De que adianta tudo isso se eles se escondem, se dão a cara dos outros para bater?
Há pouco tempo, o presidente Obama anunciou a retirada das tropas do Iraque até o final deste ano. Será que eles finalmente admitiram que não há nada mais o que destruir por lá, ninguém mais para matar? Não seria tarde demais?

Espero que tenham gostado da análise! Se quiser deixar sua sugestão de videoclipe, basta preencher este formulário. Aguardo sua dica!

2 comentários:

Ricardo Biazotto disse...

Oba, demorou mais postou *-* brinqz

Pois é Vê. Um dos motivos que mais me fizeram apreciar o som do SOAD, há pelo menos quatro anos, é justamente essa critica que há em suas músicas, sendo que eu acho perfeito este clipe. Talvez o melhor clipe da banda (pelo menos na minha opinião).

B.Y.O.B é o tipo de música que todos que pararem para lê-loa, irão gostar daquilo que encontram. Acho que é justamente pela temática, na qual acredito que todos concordam com a sua visão, e a visão da banda, é óbvio. Afinal, há duas frases que acredito que está na cabeça de todos: "Why don't presidents fight the war? Why do they always send the poor?".

É triste, porém é a realidade. Como você disse, enquanto os manda-chuvas estão protegidos, nós, o povo, estamos lutando por eles. O povo é quem está sofrendo as consequências de atos ridiculos que acontecem em todos os países, sobretudo nos EUA, onde para os governantes, tudo é baseado em Guerra.

Ricardo (www.overshock.blogspot.com)

dpaulaingrid disse...

Ahhh adoro esse tipo de música, muito boa essa dica!