domingo, 15 de janeiro de 2012

Grandes Mestres: Leonardo da Vinci

A seção Grandes Mestres, que ocorrerá todos os dias 15 e 30, será um retrato dos mais famosos e inovadores artistas que foram selecionados pela editora Abril para compor uma coleção de 25 livros.
Para os amantes das artes, um prato cheio; para os curiosos, a possibilidade de descoberta desses incríveis pintores e escultores que mudaram o seu tempo.

Leonardo da Vinci (1452 - 1519)

"O percurso artístico de Leonardo Da Vinci se desenrola ao longo de quase 50 anos em cenários de fundo histórico e cultural bastante diversos: da Florença de Lorenzo, o Magnífico, à Milão da corte de Sforza ou a dos dominadores franceses. Apesar de uma estrada tão rica e variada, são poucas suas obras pitóricas concluídas. É essencial, então, estudar o abundante material gráfico de Leonardo, caracterizado pela experimentação contínua de novas técnicas gráficas. Além disso, Leonardo, como se sabe, não era um artista de profissão, mas um homem da ciência e um gênio universal. A sua experiência figurativa foi alimentada e fortemente influenciada pela investigação científica do mundo real e dos fenômenos físicos, aos quais dedicou uma quantidade extraordinária de escritos e desenhos."
(Grandes Mestres, Leonardo da Vinci, Abril Coleções; página 10)

A Última Ceia (cerca de 1495 - 1497)

Pintada sobre a parede norte do refeitório do convento de Santa Maria delle Grazie, em Milão, foi uma obra encomendada, não documentada, por Ludovido, o Mouro. Depois de Monalisa, A Última Ceia deve ser uma das obras mais famosas de Da Vinci, embora tenha sofrido rápida degradação nas décadas que sucederam sua conclusão, em parte por conta da técnica escolhida por Leonardo que, normalmente, seria empregada sobre madeira.
É de imaginar, portanto, que a imagem que a Última Ceia hoje revela seja fortemente resultante das sucessivas restaurações a que a obra foi submetida a partir do século XVIII; por isso, essas recuperações acabaram por modificar o aspecto original da pintura.

Retrato de Lisa del Giocondo (A Gioconda, ou Mona Lisa) - (cerca de 1503 - 1513)

Exposta no museu do Louvre, em Paris, a Mona Lisa é a obra mais famosa de Da Vinci. Transformada em mito, como a encarnação de um ideal de beleza feminina à qual se rendia uma admiração quase fetichista, posteriormente, tornando-se objeto de piadas ferozes e de interpretações ultrajantes. Em muitos aspectos, a obra permanece envolta em mistério. Mesmo sem nenhuma documentação, é difícil contestar a identificação do personagem retratado com Lisa Gherardini, mulher do comerciante de seda Francesco del Giocondo. Até hoje, seu sorriso é motivo de discussão, embora a ambiguidade emocional tenha sido proposital.

Virgem com o Menino Jesus, San Giovannino e um Anjo (Virgem das Rochas) - (lado esq. cerca de 1483 - 1485 / lado dir. cerca de 1490)

Mais problemática e objeto de grande controvérsia entre os estudiosos é a questão da destinação original da obra - ainda mais por existir uma segunda versão (direita), hoje conservada em Londres, que é certamente aquela encomendada a Leonardo pela confraria da Immacolata Concezione em Sna Francesco Grande. A versão francesa (esquerda) da Virgem das Rochas é uma obra ainda fortemente ligada à experiência florentina de Leonardo. Na pintura, a figura de são João Batista menino é central, para ela converge a atenção dos participantes da cena. Ela é uma alusão à fragilidade do gênero humano, que necessita de proteção divina. São João recebe a bênção do Menino Jesus.
A diferença entre as duas pinturas é notável, no que diz respeito aos acessórios, como as auréolas sobre a Virgem, o Menino Jesus e São João, além da tonalidade utilizada nas duas versões. A primeira, está no Museu do Louvre, em Paris; a segunda, na National Gallery, em Londres.


Além dessas obras, Leonardo da Vinci possui inúmeras outras que estão localizadas, principalmente, na Itália e na França. Da Vinci também é muito conhecido por suas invenções e estudos anatômicos do corpo humano, pioneiros para sua época, embora escondidos da Igreja, que condenava a prática.
Espero que tenham gostado desse primeiro post que, sem dúvida, abriu a coleção com chave de ouro: um pintor, pesquisador e gênio ilustre.


Bibliografia:
1. Abril Coleções, Grandes Mestres vol. 1, Leonardo Da Vinci;
2. O artista e o seu tempo; Leonardo e os leonardianos, pág. 10;
3. Virgem com o Menino Jesus, San Giovannino e um Anjo (Virgem das Rochas), pág. 76 a 78;
4. Virgem com o Menino Jesus, San Giovannino e um Anjo (Virgem das Rochas), pág. 86 a 90;
5. A Última Ceia, pág. 96 a 104;
6. Retrato de Lisa del Giocondo (A Gioconda, ou Mona Lisa), pág. 134 a 136.


4 comentários:

Bárbara Lorentz Melgaço disse...

Acho muito bacana todas as teorias que surgiram sobre as obras de Leonardo. Ele realmente foi muito perspicaz ao criá-las (se esta fosse a intenção dele em primeiro lugar, rs).
Beijão
www.babilorentz.com

Naniedias disse...

Que delícia! Adorei esse post e vou, ansiosamente, esperar pelos próximos *-*
Da Vinci é um grande artista e adorei ver um pouquinho sobre ele por aqui ^^
Essa coleção da Abril deve ser maravilhosa!!

Beijos,
Nanie - Nanie's World

Milena Liebe disse...

Da Vinci foi um gênio.
Parabéns pelo post!
Bjos.

Ricardo Biazotto disse...

Acho que não tinha mestre melhor para começar essa série, afinal, Da Vinci é o cara, não só por suas pinturas, mas por toda a sua história fantástica né?

Certeza que será um sucesso a seção :D

Beijos
Ricardo (www.overshock.blogspot.com)