quinta-feira, 15 de março de 2012

Grandes Mestres: Pablo Picasso


A seção Grandes Mestres, que ocorrerá todos os dias 15 e 30, será um retrato dos mais famosos e inovadores artistas que foram selecionados pela editora Abril para compor uma coleção de 25 livros.
Para os amantes das artes, um prato cheio; para os curiosos, a possibilidade de descoberta desses incríveis pintores e escultores que mudaram o seu tempo.

Pablo Diego José Francisco de Paula Juan Nepomuceno María de los Remedios Cipriano de la Santísima Trinidad Ruiz y Picasso (1881 - 1973)

"Gênio cheio de magia, artista atrevido e comilão, artesão apaixonado pelos resgates fulgurantes e pela agitação permanente de seus próprios estilos, Picasso figura entre os grandes protagonistas da arte no século XX. Das experiências juvenis, ele parte para o êxito cubista, depois para o classicismo, o surrealismo, o neocubismo e além.
A força da obra de Picasso pode ser medida por Guernica, a pintura que foi capaz de denunciar ao mundo o horror da Guerra Civil Espanhola."
(Grandes Mestres, Picasso, Abril Coleções; páginas 5 e 10)

A Bebedora de Absinto (1901)

Encolhida tristemente, os braços apertados ao corpo, as mãos estendidas feito garras. A Bebedora de Absinto é um monumento à solidão e à melancolia. A figura parece estar contraída, enrolada em si mesma, confinada num espaço claustrofóbico entre a mesa e a parede. À sua frente, está a garrafa de absinto, o licor barato que as classes mais baixas consumiam como um substituto da aguardente. Picasso (...) está elaborando um estilo pessoal, se dedicando a assuntos marginais e melancólicos.

As Senhoritas de Avignon (1907)

As cinco moças retratadas, prostitutas de um bordel de Barcelona, se transformaram em heroínas de uma revolução artística radical e, de certa forma, escandalosa. A restauração de 2003-2004, realizada pelo Museum of Modern Art, de Nova York, adicionou novos elementos à técnica, ao preparo da tela, à qualidade da pintura e à sua estrutura interna. A anatomia de As Senhoritas de Avignon pode se considerar completa.
Picasso deforma de forma arbitrária a nudez feminina, sobre a qual insere máscaras grotescas e selvagens, exibe a feiúra e a monstruosidade em um contexto de aparente intimidade doméstica.

Clique para aumentar.
Guernica (1937)

Ao oficial alemão que lhe pergunta se ele fora o autor de Guernica, Picasso responde: "Não. Foram vocês que o fizeram". A obra se transformou em mito e ícone universal. Quadro enciclopédico, carregado de símbolos, tornou-se uma das dez obras que todo mundo conhece, parte integrante da formação visual de todo adolescente.
Guernica é uma declaração de guerra contra a guerra e um manifesto contra a violência. É a narração desarticulada da barbárie, da crueldade. Sua dimensão visual - sobretudo o branco e o preto - se mistura à sonora. Em cada canto da pintura, pode-se ouvir os gritos e os barulhos da cena assustadora.
A cena da pintura é densa, agitada, repleta de contrastes e desequilíbrios, mas ainda assim organizada em uma forte trama geométrica.

Garota no Espelho (1932)

Na segunda metade da década de 1920, a aproximação de Picasso do surrealismo determina uma novidade mais adiante: as figuras ora se deformam, se curvam, se enchem de cavidades, se partem em membros fluidos e desarticulados. São imagens que alternam agressividade e desespero.
Marie-Thérèse Walter, a loira e jovem companheira de Picasso, aparece em inúmeras pinturas desse período em imagens solares e sensuais. Este quadro lhe confere uma versão dupla, de sentidos opostos: uma imagem, a da direita, é mais oval e serena, embora meditativa. Já o seu reflexo é lunar e escuro.

As obras de Picasso encontram-se, principalmente, em museus dos Estados Unidos e da França. O estilo de Picasso sempre me chamou a atenção para o seu lado cubista, com as formas bem geométricas, parecendo que as imagens haviam sido talhadas a facão. Por outro lado, existem algumas obras em que as cores vivas se sobrepõem às formas estranhas, dando um ótimo efeito visual; mesmo assim, todas as obras desse grande mestre provocam reflexões e emoções, como é o caso de Guernica.
Com certeza, um pintor esplêndido e inovador, que soube marcar sua época com sua consciência refletida em seus quadros.


Bibliografia:

1. Abril Coleções, Grandes Mestres vol. 5, Picasso, pág. 5;
2. O artista e o seu tempo; Picasso e a Fase Heroica das Vanguardas, pág. 10;
3. A Bebedora de Absinto, pág. 48 a 51;
4. As Senhoritas de Avignon, pág. 72 a 77;
5. Guernica, pág. 112 a 121;
6. Garota no Espelho, pág. 130 a 133.


6 comentários:

Naniedias disse...

De Picasso eu não sou muito fã >< Mas adoro essa série de posts =)

Beijos, Nanie - Nanie's World

˙·♔Angel Killer♔·˙ disse...

Olá!


Gostei do seu blog, e já estou seguindo, se gostar do meu siga-o também! Bjus

@AngelKiller_
http://anime-daiki.blogspot.com.br/

Diego Rangel disse...

Muito interessante as pinturas, a arte: A Bebedora de Absinto me lembrou muito a escultura de Rodin "O Pensador" apesar de o significado delas serem totalmente diferentes sendo esta mais direcionada pro lado melancólico e a de Rodin para o lado estrategista se desviando do homem muscúlos para o homem sabedoria. A principal semelhança entre as duas obras na minha opinião é a pergunta que nós curiosos fazemos: Em que pensa o pensador?

Mayara Fernandes disse...

As Senhoritas de Avignon (1907)
tbm vi este em sala ontem...
e de novo nao lembro da explicação!!
incrivel isso.
Acho que hoje todos sabem quem é Pablo Picasso, mas poucos se interessam pelas obras.

Ricardo Biazotto disse...

Acho que Picasso tem algo diferenciado que fez toda a diferença em sua carreira artística. Não é o meu preferido, mas tudo nele merece destaque e estudo, sobretudo entre aqueles que não se interessam.
Beijos
Ricardo - www.overshock.blogspot.com.br

Veezinha disse...

Eu acho o estilo do Picasso peculiar; claro que acho super estranho essas formas geométricas e o estilo dele de desenhar ambos os lados da face, mesmo ela estando de perfil. Ainda assim merece atenção e, como você disse, também não é um dos meus favoritos, mas ainda assim gosto bastante :D

xx




Em 8 de abril de 2012 20:53, Disqus
<>escreveu: