quinta-feira, 12 de abril de 2012

#Resenha: Identidade Roubada - Chevy Stevens (Book Challenge #2 - Dia 7)

Identidade Roubada
Autora: Chevy Stevens
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 256
Sinopse: "Era para ser um dia como outro qualquer na vida de Annie O’Sullivan. A corretora de imóveis levanta da cama com três objetivos: vender uma casa, fazer as pazes com a mãe e não se atrasar para o jantar com o namorado. Naquele domingo, aparecem poucas pessoas interessadas em visitar o imóvel. Quando Annie está prestes a ir embora, uma van estaciona diante da casa e um homem sorridente vem em sua direção. A corretora tem certeza de que será seu dia de sorte. Mas o inferno está apenas começando. Sequestrada por um psicopata, Annie fica presa durante um ano inteiro em um chalé nas montanhas, onde vive um pesadelo que deixará marcas profundas."


Identidade Roubada foi um dos livros mais emocionantes que eu tive a oportunidade de ler desde A Vida em Tons de Cinza (para ler a resenha, clique aqui). Uma leitura arrebatadora, que levou quase três meses para ser finalizada. Tantas emoções transbordando das páginas, tanta dor e sofrimento que ficou impossível não me sentir pessoalmente afetada, incomodada.
Eu estou acostumada a assistir Law & Order: Special Victims Unit, que retrata os casos mais inacreditáveis de violência contra mulheres e crianças, desde violência sexual a outras formas de assédio, moral e físico. Por isso, eu pensava que sabia o que me aguardava na leitura de Identidade Roubada. Mas eu estava errada. Porque, afinal de contas, os episódios criados do Dick Wolf, nem de longe se comparam ao relato de uma vítima, de alguém que passou pelo inferno e sobreviveu para contar. A série acompanha os detetives e a investigação, claro que a vítima é sempre crucial para os casos, mas jamais vimos o ponto de vista unicamente dela.
No livro, Annie é uma corretora de imóveis que tem uma vida relativamente feliz: tem um namorado, uma casa, uma melhor amiga e pais que, apesar de não serem os melhores, ainda são seus pais. O pai e a irmã morreram em um acidente de carro quando ela ainda era pequena e, desde então, ela vem se culpando pelo ocorrido. Então já podemos ver que a vida de Annie é tudo, menos perfeita.
E parecia só mais um dia de exibições em uma casa da pequena cidade em que viviam, até aquele homem aparecer. Simpático, foi se aproximando, puxando conversa... e o pior aconteceu. Um ano sob os cuidados do monstro, sendo estuprada repetidas vezes e mantida sob regras extremamente rígidas, ficamos surpresas e até aliviadas de saber que Annie conseguiu sobreviver.
Mas a volta à vida não é fácil. Com sua história narrada em 26 sessões de terapia, ela conta à doutora, intercaladamente, como está sua vida atualmente e como foi desde o momento em que fora sequestrada. São momentos de tensão e carregados de sentimentos. Embora a narrativa de Annie seja curta e grossa e, por vezes, até um pouco sombria a sarcástica, jamais poderíamos julgá-la, principalmente por tudo o que passou.
Pouco a pouco, ela compartilha o seu reajuste à sociedade depois de 365 dias controlados por aquele que ela chama de Maníaco. E me doeu muito ver que ela não conseguia fazer desde as coisas mais simples, como ir ao banheiro, até sentir-se segura dentro da própria casa. Ela não conseguia mais confiar em ninguém e, pudera, depois de viver tendo que confiar no seu maior inimigo, Annie não poderia se dar a tal luxo.
A vida na cabana das montanhas foi difícil e isso me acertou em cheio, com todas aquelas páginas descrevendo o que eu chamaria de inferno, ela foi levando como podia. Mas o que mais me deixou tranquila foi ver que, mesmo depois de tudo, ela ainda teve forças para não desenvolver relações afetivas com seu sequestrador. A todo momento ela pensava em fugir, em voltar para sua família, para a segurança de sua vida.
E isso só nos mostra a enorme guerreira que ela é, desde o início, nunca desistiu e conseguiu batalhar pela própria sobrevivência, embora muito tenha sido deixado para trás durante o processo, inclusive, a mulher que ela costumava ser. Mesmo assim, é incrível ver sua força de vontade e seu relativo sucesso ao voltar à vida normal, mesmo com todos os obstáculos.
O livro é, acima de tudo, uma história de superação, de luta e esperança, palavra que, nesta história, poderá ter mais de um significado. Leitura delicada e emocionante, mas, altamente indicada!

Nota:


8 comentários:

Millena disse...

Esta já é a segunda resenha que leio deste livro e só consigo pensar que eu também preciso ler ele urgentemente.
Também estou lendo um livro sobre sequestro da editora Arqueiro.

Veezinha disse...

Leia sim, Millena. É uma experiência emocionante! :')

xx




2012/4/12 Disqus <>

Ricardo Biazotto disse...

Já declarei que iria gostar do livro né? Sempre gosto de livros do gênero e acho que Identidade Roubada não seria diferente. Afinal, mostra uma história comum e tem muito o que passar.
Ótima resenha :)

Beijos
Ricardo - www.overshock.blogspot.com.br

Veezinha disse...

Já sim, muitas vezes, Rick. E não, não vou emprestá-lo a você. kkkkk Definitivamente é um pensamento que me ocorreu: "e se, em algum lugar, uma situação como essa já tiver acontecido a alguém?" Tudo isso só tornou a leitura ainda mais intensa e transformadora. :)

xx




Em 17 de abril de 2012 12:46, Disqus
<>escreveu:

fellipe disse...

Eu li esse livro e adorei, a história é mesmo chocante e emocionante, adorei o estilo da narrativa pois como você disse podemos sentir o mesmo que a vitima, adorei esse diferencial do livro que por si só já se destaque entre os outros livros que eu li deste tema!
Adorei a resenha, que captou bem o que o livro transmite!

Veezinha disse...

Esse livro é incrível mesmo, pena ser tão triste. O crescimento da personagem depois de se salvar do sequestro é um alento, mas tudo fica martelando na sua cabeça, mesmo depois de terminar a leitura. Com certeza, um dos melhores que eu li esse ano!

xx




Em 1 de maio de 2012 23:29, Disqus escreveu:

Viagem ao Centro dos Livros disse...

Eu ia até comprar este livro na livraria, mas optei por Malas, Memórias e Marshmallows. Mas não vou dispensar sua leitura futuramente.

Abraços...

http://viagemaocentrodoslivros.blogspot.com.br/

Veezinha disse...

Eu também estou querendo ler esse! Mas não deixe de ler Identidade Roubada, é emocionante!

xx




2012/5/11 Disqus