quarta-feira, 4 de julho de 2012

#Resenha: Três Amores Instantâneos - Flavio Pereira de Oliveira

Três Amores Instantâneos
Autor: Flavio Pereira de Oliveira
Editora: Independente
Número de páginas: 70
Sinopse: "Três amores incomuns, instantâneos, três encontros casuais, três novos casais. O livro contem três contos românticos e picantes, em cada, um novo casal nasce de uma avassaladora paixão. Apesar do conteúdo picante, as cenas são descritas com metáforas e subjetividade."

Este livro foi cortesia do autor Flavio de Oliveira.

Três contos brevíssimos, três casais formados. Essa é a história de Três Amores Instantâneos. Eu gosto muito de livros de contos, são rápidos de se ler e, às vezes, é bem provável que eu goste mais de uns que de outros e, dessa vez, não foi diferente. O último conto foi o mais fofo de todos, pois não só formou um casal, como uniu duas pessoas com perspectivas de futuro diferentes, com acontecimentos passados diferentes.
No entanto, apesar das histórias inesperadas e dos casais diferentes, formados através de situações cotidianas, vale ressaltar que muitos aspectos técnicos do livro me incomodaram e influenciaram, sem dúvida, na minha nota final e minha opinião sobre ele.
O primeiro deles foi a revisão; embora eu tenha ideia de como é difícil publicar um livro de forma independente, sem ter uma editora, sem pagar por uma revisão, penso que uma simples releitura dos textos (que não são extensos) teria sido capaz de eliminar 70% dos erros, muitos deles de digitação. O segundo foi a estrutura da narrativa; eu já havia lido um trecho do livro no site do autor e ele me pareceu cheio de metáforas, mas realmente não esperava que o texto todo fosse recheado de metáforas, frases e outros recursos que eu consideraria como sendo poéticos demais para uma narrativa. Acabou que, para mim, ficou cansativa a leitura e eu achei levemente desconectado, como se o narrador fosse apenas listando características e descrevendo o momento.
O terceiro ponto foram as falas dos personagens que não foram marcadas, nem com aspas, nem com travessão. Quando esses diálogos apareciam, entre reticências, tinha que voltar e reler, tentando identificar a quem pertencia a fala. Na minha opinião, essa seria a primeira coisa a alterar nos contos durante a revisão.
Apesar dos apesares, as histórias em si são divertidas e bem inesperadas. Você não poderia imaginar que essas pessoas ficariam juntas através de encontros que, muitas vezes, passam batido.

"Apaixonar-se é obter a permissão de se tornar bobo, de transmutar sorrisos em pedidos, olhares em carinho, preces em realizações, cada suspiro em esperança. O amor nasce no infinito e deságua na eternidade, a paixão nasce no hoje e vive dos minutos, e quando existe a garantia do término, brota algo entre os dois..."

Nota:

18 comentários:

Flavio Oliveira disse...

Oiie Vê, gostei da resenha... :)
Sabe, eu faço dezenas+dezenas de revisões, juro, mas é complicado porque eu acabo entrando na leitura e deixo escapar alguns erros... erros bobos, fáceis de corrigir... Quem sabe vc não me ajuda no futuro... rs... O lance das falas é mania antiga, que estou mudando (coisa da época que lia muito Saramago)... rs

Quanto a ser poético demais... Ah, acho isso um lindo elogio... Adoro que todas as resenhas falam que meu texto é poético... kkk

Rodrigo Caldas disse...

Eu também gosto muito de contos, quando são bem escritos, não são todos os autores que sabem escrever um bom conto, pois como ele é mais curtinho tem que ser feito de modo cuidadoso, para que consiga cativar o leitor nas suas poucas páginas.
Apesar dos erros mencionados eu acho que arriscaria ler esse livro.
Abraços.


http://viciadoemlivrosefilmes.blogspot.com/

fellipe disse...

Não gosto muito desse fato de metáforas na narrativa, tem umas que é difícil entender e deixa realmente a leitura muito poética, num sentido ruim dependendo da história!
E é uma pena os erros e esse fato das falas serem marcadas assim, deve atrapalhar a leitura!

Flavio Oliveira disse...

A Vê ainda não descobriu o lado negro deste autor... kkkkk..
A maioria das metáforas eu usei para substituir a pornografia; e eu gosto demais de metáforas. Gosto de embrulhar as frases, remover significado... rs

Tify Baesso disse...

Tirando o fato de ter esse erros e tudo mais, a história em si parece interessante. É divertido ler contos...
Beijos
http://osamantesdaleitura.blogspot.com

Veezinha disse...

Oi Flavio!


Fico feliz que tenha gostado da resenha. Bom, eu sou revisora de um site de fanfics e me deparo com cada erro... às vezes chego a pensar que as autoras escrevem e mandam direto para mim; muitos erros bobos passam.
As falas você definitivamente precisa mudar, acho que é o básico. Tentei uma vez escrever com aspas, mas nada substitui o bom e velho travessão rsrs
HAHAHAHAHA bom, eu sou muito limitada e acabo preferindo me deliciar com uma narrativa fácil do que torrar meu cocuruto com as narrativas poéticas; isso é algo em que nunca fui muito boa. Pra mim é preto no branco rsrsrs


xx

Veezinha disse...

Tem toda a razão, Rodrigo. São poucos os que sabem escrever um conto bem estruturado, sem deixar pontas soltas e, claro, cativar o leitor e, quem sabe, deixá-lo com gostinho de "quero mais". Já li muitos contos assim rsrs A velha mania de querer se estender; eu reconheço que não seria uma boa escritora de contos! kkk
Espero que curta a leitura caso queira se arriscar ;)


xx

Veezinha disse...

Com certeza, Fellipe. É por isso que sou fã das narrativas mais simples. rsrs
Atrapalha um pouquinho, ainda mais para mim, que sou perfeccionista. Se eu não fosse tão cuidadosa com meus livros, marcaria todos os erros que encontro durante a leitura rsrsrs


xx

Veezinha disse...

Nem ouse pensar que não entendi o que você fez, senhor. Mas, na minha opinião, deixar as frases como pacotes não serviu pra mim. Ou, então, você poderia ter deixado restrito às cenas picantes... Só minha opinião rsrs
Mas eu entendi sim, viu?


xx

Veezinha disse...

É bem divertindo sim, Tify! Leitura rápida e dinâmica! :D


xx

Flavio Oliveira disse...

Estou lendo 'A Hora Azul', lembrei de você no início, o autor não usa nada para separar os diálogos... rs. Eu não gosto de travessão, então adotarei as aspas... rs

Quanto a narrativa..., eu não gosto de narrativas fáceis, ou informais. Isso vem do gosto literário... rs. É claro, que dependendo da história, sou menos poético... kkk

Flavio Oliveira disse...

Kkkkkk... Senhor foi dose... Estou me sentindo um ancião de barba branca... rs

:D

Flavio Oliveira disse...

Estes três foram os primeiros e únicos contos que escrevi... rs.

Veezinha disse...

Pois é, ainda não entendi por que para "senhora" tem diminutivo e "senhor" não. Vai saber... Por isso acho que em inglês é bem mais legal. rsrs Sir.

jessica rochafonseca disse...

A história parece realmente boa.mas esses errinhos hein!!

Amanda Gabrielle disse...

Não costumo gostar de capas muito simples, mas gostei dessa. Em relação a sinopse, eu achei meio vaga. x-x Mas a resenha me ajudou a entender um pouco mais do contexto. Você fez uma critica bem forte kkkk Gosto quando as pessoas expõem verdadeiramente suas opiniões. xD

Rafa K. disse...

Apesar dos erros e das metáforas, eu gostei do livro. Achei bem interessante. Acho que ele poderia ter mais páginas, achei pouquinho rsrs

Rafaela Kulmann disse...

Apesar dos erros e das metáforas, eu gostei do livro. Adoro livros de contos e leituras rápidas, ainda mais quando você tem muita coisa para fazer e não tem muito tempo para ler.