9 de janeiro de 2013

#Indicação - Filme: Histórias Cruzadas

Oi gente!

Nossa, mal fiz meu cadastro para tirar carteira de motorista e minha vida já está toda bagunçada. Sem contar que estou dando uma geral no meu quarto, tirando coisas que não quero mais para doar/reciclar, meus pais vão pintá-lo, colocar uma nova estante...vixi, vai ser corrido! rs
Mas, felizmente, depois que tudo estiver terminado, serei uma pessoa mais leve e realizada!
A indicação de hoje é maravilhosa!

Histórias Cruzadas (The Help) - 2011

Jackson, pequena cidade no estado do Mississipi, anos 60. Skeeter (Emma Stone) é uma garota da sociedade que retorna determinada a se tornar escritora. Ela começa a entrevistar as mulheres negras da cidade, que deixaram suas vidas para trabalhar na criação dos filhos da elite branca, da qual a própria Skeeter faz parte. Aibileen Clark (Viola Davis), a emprega da melhor amiga de Skeeter, é a primeira a conceder uma entrevista, o que desagrada a sociedade como um todo. Apesar das críticas, Skeeter e Aibileen continuam trabalhando juntas e, aos poucos, conseguem novas adesões.



Uma história emocionante refletida em um filme maravilhoso. Histórias Cruzadas foi um dos últimos filmes que assisti em 2011 e fiquei completamente estupefata. A história se passa nos anos 1960 quando a segregação social ainda era muito forte nos Estados Unidos, principalmente nos estados do Sul. Os negros eram considerados inferiores, portadores de doenças e tudo quanto era tipo de preconceito. Tomavam conduções diferentes, usavam banheiros diferentes, talheres etc.
Mas isso é tratado no filme até que com bom humor. Embora a raiva aflore em alguns momentos, também nos divertimos um pouco. Temos os dois pontos de vista: das empregadas domésticas, principalmente de Aibileen e Minny, e o das madames, como Hilly e Eugenia. Enquanto as garotas se reúnem na alta sociedade, com seus cigarros, música e muito laqué no cabelo, as empregadas são as maiores responsáveis não só por manter a ordem na casa como também, na maioria dos casos, por tomar conta dos filhos das patroas e, é claro, aguentar desaforos todos os dias.
Só que tudo muda quando Eugenia, mais conhecida como Skeeter, consegue um emprego no jornal de Jackson e precisa trabalhar respondendo às cartas de uma coluna sobre limpeza. Ela, então, pede ajuda a Aibileen para respondê-las, só que suas ideias logo voam para bem mais longe enquanto presencia o tratamento que suas amigas devem às empregadas. Ela decide que precisa dar voz a essas mulheres que, assim como os brancos, também tem problemas e que, acima de tudo, precisam ser tratadas como iguais.
Então ela começa uma missão: escrever os relatos das empregadas domésticas. No entanto, Skeeter encontra muita resistência de início mais pelo medo que assola essa classe tão reprimida. Mas, aos poucos, ela consegue a confiança e, após um evento chocante e uma revelação mais que engraçada, a jovem jornalista consegue entender um pouco mais sobre como é ser uma empregada doméstica. Ela passa a conhecer seus dramas, suas histórias, suas angústias, torna-se uma verdadeira ajudante para esse passo tão importante.
Eu não li o livro (ainda), mas o filme me deixou muito curiosa para saber se há algo a mais que talvez o filme não tenha retratado. Me emocionei várias vezes, principalmente quando Skeeter precisa escrever um pouco mais sobre a empregada que trabalhava na sua casa, que a criou e que foi embora repentinamente. Esse, para mim, foi o mais emocionante. É um filme incrível, engraçado, triste, especial. Realmente chama a atenção e precisa estar na lista de todos. Sem falhas, sem defeitos, para mim, foi uma ótima experiência.

Nota:


10 comentários

  1. Quando olhei a imagem, achei que seria um filme bem engraçado, mas depois que li sua resenha vi que é completamente diferente daquilo que eu imaginava. Acho esse um tema bem difícil de ser retratado, o preconceito era muito grande antigamente. Achei o filme bem interessante, fiquei bem curiosa!

    ResponderExcluir
  2. Ah eu amei esse filme!


    Como curto temas mais dramáticos esse filme tem o tom certo, ;)


    A Viola Davis dá um show de interpretação, ;)


    Fiquei com vontade de ler o livro. Assim que surgir uma promo boa pretendo comprá-lo, \0/

    ResponderExcluir
  3. Clara o preconceito retratado nesse filme, infelizmente, ainda pode ser visto nos dias de hoje, pois são em situações do cotidiano sabe, são nas situações corriqueiras que as pessoas demonstram o que realmente pensam e quem são.


    Vale muiiito a pena assisti-lo!

    ResponderExcluir
  4. Amo a atriz principla, amo as atuações dela.

    ResponderExcluir
  5. Eu ainda não vi esse filme, e apesar de não curtir muito o gênero, tenho certeza que vou amar *-* Deve ser extraordinário, a Viola é uma tremenda atriz.
    beijos

    ResponderExcluir
  6. Tenho muuuita vontade de ver esse filme desde que o vi no oscar *-*

    ResponderExcluir
  7. Já vi o filme e adoreeeeei *-*
    Ao mesmo tempo que é bem engraçado tem situações pra lá de emocionantes!
    Gostei bastante mesmo'

    ResponderExcluir
  8. Virginia de Oliveira14 de janeiro de 2013 09:10

    Também amei esse filme, ri eme emocionei muito com ele do início ao fim. Não li o livro também mas fiquei com muita vontade ler.

    ResponderExcluir
  9. Me falaram desse livro, será que é bom? A resenha ta otima!

    amanda.valverde2@hotmail.com

    ResponderExcluir
  10. Minha amiga viu no cinema e falou que ele é otimo, quero assisti-lo pra saber se realmente é emocionante como dissem ser.

    ResponderExcluir

Agora que você já leu o post, que tal deixar um comentário? Não custa nada e você faz uma blogueira feliz! :D
Obrigada e volte sempre!!!

xx