terça-feira, 23 de abril de 2013

#Resenha: O Anjo Poeta - Eddy Khaos (Book Tour - Blog O Diário do Leitor)

O Anjo Poeta
Autor: Eddy Khaos
Editora: Literata
Número de páginas: 114
Sinopse: "Porque as pessoas acreditam em anjos? Eles estão em todas as religiões, são seres iluminados e não levam em conta os registros de nossos atos negativos, portanto não perdoam, já que não cabe a eles julgar. Anjos eles realmente existem. Não apenas em produções do cinema mundial ou em historias em quadrinho ou nos animes (desenhos) japoneses. Ou em nossas mentes, em nossos mitos, ou nossos símbolos, ou nossa cultura em geral. Eles são tão reais quanto seu cachorro que não para de lati no quintal enquanto você brinca com ele, ou sua irmã sapeca que não para de te pentelhar, ou a eletricidade que necessitamos para quase tudo no mundo de hoje. Eles estão presentes, bem aqui, agora, bem perto de você, lendo estas palavras com você. Eles não são bonitos, fofos, confortáveis, íntimos, ou "maneiros". Eles são temíveis e formidáveis. Eles são enormes. Eles são guerreiros. Eles são assassinos do reino celestial."


Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a Pamela, do blog O Diário do Leitor, por ter selecionado o blog para participar de mais esse Book Tour. Muito obrigada pela oportunidade!

Apesar de eu ter terminado de ler o livro na semana passada, precisei de todo esse tempo para absorver tudo o que eu havia lido e, também, ter a certeza de que não estaria sendo precipitada na minha resenha. Mas, conforme os dias passavam, a angústia foi dando lugar à certeza. E hoje eu digo: O Anjo Poeta tinha tudo para ser bem diferente, mas acabou sendo um verdadeiro déjà vu sobre os demais livros que tratam de anjos que eu já li. Digamos que não acrescentou nada de novo.
No começo, eu achei que fosse um livro com poesias, o tema seria relacionado a anjos e toda essa desmistificação do ser bondoso, protetor e de luz que vemos nos anjos. Mas, na verdade, o livro é composto de três contos, pelo o que eu entendi, e, ao final, temos as poesias além de uma seção com curiosidades. O layout do livro é super caprichado, com cabeçalhos e rodapés personalizados além de imagens introdutórias de cada uma das seções em que o livro é dividido. Mas...
Pessoalmente, eu trocaria o design do livro se isso significasse uma revisão melhor. Claro, às vezes temos que levar em conta que um erro ou outro sempre acaba passando na hora da revisão, mas tudo tem um limite. O uso de "sob" e "sobre" erroneamente é uma das coisas que sempre me deixa profundamente estressada. E eu verifiquei vários desses usos equivocados, apesar de ter encontrado frases onde o uso estava certo. Então acho que falto uma bela de uma revisão aí, além de outros erros que, facilmente, poderiam ter sido eliminados com apenas uma releitura e, convenhamos, o livro nem é tão longo assim.
Na história, acredito que se fossem apenas as poesias, talvez eu tivesse curtido mais a leitura. Os três primeiros contos (ou capítulos) foram de certa forma confusos. No primeiro deles, fiquei me perguntando como, após o apocalipse de que fala a Bíblia, um sobrevivente, ex-piloto de avião, poderia ser, na verdade, um nefilim e, como se não bastasse, o mais badass de todos, tão poderoso que só faltou um confronto entre ele e o próprio Homem lá de cima?
Eu particularmente tenho me irritado bastante com a ascendência astronômica de protagonistas. Não acho ruim que o protagonista, óbvio, se destaque, tenha algum diferencial que justifique sua posição na história. Mas o que não suporto é ver que o indivíduo passa de um zero a esquerda ao mais superpoderoso de todos os tempos ou, então, a(o) predestinada(o) da vez. Autores deveriam se segurar nesse momento e estabelecer limites de evolução viáveis e não forçar a barra.
Mas voltando, então, no segundo capítulo, temos a história de um mundo restabelecido após o apocalipse, onde criaturas sobrenaturais o habitam e forçam que um conjunto de humanos se dedique a proteger o planeta dessas ameaças. E, no meio disso tudo, temos vampiros...


Espera... o quê? Tudo bem, praticamente é uma citação nessa segunda parte, mas, sinceramente, informação desnecessária. A princípio você tem a impressão de que será um assunto desenvolvido naquele ambiente, na forma como os personagens estão vivendo e, então, de repente, puft! Esquecemos os vampiros e seguimos em frente. Acho que poderíamos ter ficado simplesmente no termo "criaturas sobrenaturais" ou qualquer outro semelhante que já estaria tudo resolvido.
Por fim, a última parte, retrata a história de um anjo que cai por se apaixonar por uma humana. Quando sua aparente felicidade lhe é tomada, ele é convidado por ninguém menos do que Lúcifer a se juntar a ele em sua luta contra os céus.
Basicamente, não encontrei nenhum elemento no livro que eu lesse e pensasse "puxa, interessante isso". A sensação de já ter visto (no caso, lido) aquilo antes destruiu boa parte do encanto que eu poderia ter com O Anjo Poeta. Uma pena porque acredito que, se o autor tivesse deixado apenas a última parte, de poesias, a  minha impressão com o livro teria sido até um pouco melhor e ele teria a oportunidade de ser considerado um diferencial.
A minha nota, portanto, baseia-se na parte que eu realmente achei diferente e que poderia ter sido bem mais explorada no livro: as poesias. Tinha tudo para ser um ponto forte, exclusivo e que, infelizmente, acabou tornando-se um acessório.

Nota:



11 comentários:

Ana Paula Barreto disse...

A ideia realmente é interessante e se tivesse sido aprofundada, seria um belo diferencial. Pena que isto não aconteceu.
Não fiquei com vontade de ler o livro, mesmo antes da resenha. Mas achei legal você ter sido ponderada e pensado antes de escrever. Com certeza tem que ser dada uma opinião sincera sobre a obra, mas no impulso, muitas vezes, erramos no julgamento. Então, parabéns pela atitude!
bjs

Andreza disse...

Eu já não curto muito essa temática, mesmo que não tivesse lido a resenha, eu não o leria! Concordo com a Ana Paula, sua resenha foi bem sincera! E isso é algo muito importante, expressar sua verdadeira opinião sobre o livro! ;)

Manu Hitz disse...

Não vou ler... não curto histórias com anjos, monstros, seres fantásticos... e repeteco de ideias já criadas me parece emsmo cansativo. Mais erros de revisão, nossa... acho q esse anjo não colou.

Camila Márcia disse...

Não li nenhuma história de anjo, mas tenho muita vontade entretanto passo longe dessa, além de sua resenha não me favorecer a desejá-lo, eu nunca tive curiosidade de ler esse livro.

bj,

Camila Márcia
@camila_marcia
De Livro em Livro
Devaneios Fugazes

Fernanda Faria disse...

Apesar de me interessar bastante por livros de anjos eu não tenho o mínimo interesse em ler, e depois da resenha, piorou.

Cristiane Silva disse...

É....sei não...Não sei se leria esse. Gosto de história com anjos, mas aquelas com boa interação e fantasia, histórias mesmo...

Thaynara Ribeiro disse...

Eu não curti muito esse livro. Eu esperava um drama ou algo parecido pelo título. Me decepcionou sem ler o livro, imagine vc q leu. Passo esse livro.

Gladys Sena disse...

Não curto essa temática e esse livro desagradou mesmo né!

Clara Beatriz disse...

Bom, confesso que não gostei da história que o livro aborta, me desanimei ainda mais com tua resenha, além disse que capa é está? Nossa que estranha!

Eddy Khaos disse...

Boa tarde. Para todos ^^

Galera respeito todos os comentários aqui... Assim como respeito essa resenha. Vejo muitos criticando sem o menos fazer a leitura do livro. Só queria deixa um comentário aqui.

O livro teve 100 resenhas e apenas essa foi negativa. Então acho que deveriam conferi outras
resenhas o livro primeiro antes de julgarem

"Quanto à capa do livro e uma ilustração que euu mesmo fiz pra
fugir um pouco da rotina que toda capa tem que te um rostinho bonito"

Um bom autor tem que saber ouvir as criticas... Muito
obrigado pela resenha


Grato
Eddy Khaos

Chutenacara.com.br disse...

Pois é, prezado Eddy Kaos, você comenta assim como escreve: "comendo os r´s" das palavras.

Por que será que apenas essa resenha é negativa? Talvez porque aquela que a fez não esteja de alguma forma atrelada à panelinha da qual você faz parte e que endeusa toda a porcaria que você faz.

Aceite as críticas, aprenda com elas, corrija os erros apontados,e quem sabe algum dia você adquira realmente algum respeito dentro da literatura.

Foi feita até uma revisão gratuita para você, faça um uso útil dela: http://www.litfanbr.blogspot.com.br/2014/02/parece-piada-so-que-nao.html