terça-feira, 30 de abril de 2013

#Resenha: O Eterno Barnes - Salustiano Luiz de Souza

O Eterno Barnes - Viver para sempre pode custar caro
Autor: Salustiano Luiz de Souza
Editora: Novo Século
Número de páginas: 248
Sinopse: "Doutor Barnes, um famoso neurocirurgião, começa a desenvolver na Universidade onde trabalha uma pesquisa científica tentando transformar os dados do cérebro em arquivos de dados, codificando-os de modo que possam ser copiados. Com o avanço da pesquisa, acaba conseguindo copiar para o computador todos os dados de memória que formam o ser humano, como suas experiências, suas emoções, suas recordações, enfim, sua vida. Deslumbrado com a descoberta, começa a perceber que estes arquivos possuem uma estrutura totalmente diferente e uma sinfonia divina, e começa a ficar obcecado pela ideia de que seja possível copiar cérebros de um paciente para outro. Ao contrário do que deveria ocorrer, Barnes, cada vez mais, esconde suas pesquisas, pois seu objetivo passa a ser implantar seu próprio cérebro em outro paciente, mais jovem e sadio, pois está acometido de uma séria doença. Busca, desta forma, alcançar a tão almejada eternidade. Para isto, não mede as consequências de seus atos, que passam a ser justificados pela ambição que lhe domina. Conseguirá Barnes o seu intento?"

Compre: Saraiva | Submarino

Este livro foi cortesia do autor.

Poucas vezes me interessei por livros de ficção científica. Acredita que se tratavam de mundos futuristas, com parafernálias tecnológicas, onde os humanos tentariam descobrir algo realmente importante para sanar os problemas da sociedade ou tentar estabelecer uma ordem perante o caos que vieram sendo criados com os avanços.
Mas O Eterno Barnes está longe disso, pois, não só se passa em um tempo relativamente recente como também gira em torno das ambições de um único médico, tentando atravessar as barreiras da doença e até mesmo da morte. Na verdade, umas das coisas que mais me chamaram a atenção, desde o começo da leitura foi que, mesmo sabendo claramente que o autor era advogado, o tema escolhido tramitava na área médica. E com excepcional precisão cirúrgica (com o perdão do trocadilho rs), Salustiano descreve uma trama intrigante, rica (por vezes, rica até demais) em detalhes que eu quase acreditei ter sido escrita por um médico.
"O velho e louco sonho de ser eterno, de jamais morrer, sonho perseguido pela humanidade desde que conseguiu ter consciência de sua existência"
(Página 102)
Em O Eterno Barnes, o protagonista que dá nome ao livro nada mais é do que um médico neurocirurgião, pego pelos ossos do ofício, que busca desesperadamente uma forma de tornar-se eterno, além da carne, praticamente uma forma de transmitir seus conhecimentos, sua essência a qualquer outra pessoa. E, para isso, ele está disposto a passar por cima de tudo e de todos, da ética, da consciência, do que é certo e errado, apenas guiado pela necessidade de atingir seus objetivos. Nesse ponto, a discussão que o livro propõe é super importante e peculiar: até que ponto devemos ir diante de uma descoberta que, aparentemente, será capaz de mudar tudo o que a Medicina, até então, sabe sobre o funcionamento do cérebro e o armazenamento de memórias, dados e conhecimento?
"Realmente, Barnes já não tinha mais sentimento de culpa. Já não se importava mais com aquelas vidas."
(Página 93)
A leitura é, do início ao fim, capaz de prender nossa atenção. Afinal, o que acontecerá? A teoria do Dr. Barnes será, finalmente, posta à prova e, caso seja, funcionará? O que ele está fazendo para garantir que tudo ocorra como o planejado é cabível? E os meios dos quais está fazendo uso, será que realmente precisa ser assim? Até que ponto deve-se perseguir um sonho, uma grande descoberta, algo que pode (ou não) salvar sua vida?
São muitos os questionamentos que nos movem a leitura. E tudo sabiamente construído, tecido em uma escrita envolvente que promove muitas reflexões conforme discorre sobre os fatos. Às vezes, essas reflexões ficavam um pouco excessivas, acredito que, em alguns capítulos, ela poderia ter sido menor; eu me sentia em uma reflexão muito profunda, os devaneios da personagem em questão podiam ser mais dinâmicos, senão acabava ficando cansativa e até eu me perdia.

"Somos o vinho da vida nesta vasta adega chamada universo. E o tempo, este famigerado degustador, escolhe ao acaso qual rolha vai abrir primeiro, e sempre abrirá todas."
(Página 68)
Agora, lembram-se quando eu disse sobre as descrições precisas? Pois é, às vezes tão precisas que...bom...mesmo com o meu histórico de House e Pronto-Socorro: Histórias de Emergência, me fizeram revirar enquanto lia os detalhes dos procedimentos. Definitivamente, apesar da aflição, foi um ponto mais do que positivo, apesar de o vocabulário empregado ser, por vezes, técnico demais. Mas não é o suficiente para que você, leitor, sinta-se perdido. Talvez só no começo, mas depois dá para se acostumar. Isso, no entanto, transmite tal credibilidade ao autor que eu simplesmente achei fantástico. Posso dizer que Salustiano fez, e muito bem, a lição de casa.
Mas o que dizer sobre o desfecho da trama? Eu confesso que fiquei revoltadíssima com o desenrolar dos fatos, o caminho que as personagens foram tomando e suas consequências. Fez-me lembrar de que nem todos os livros terão finais felizes, que nem sempre ele seguirá o caminho que eu quero, as decisões que eu gostaria. O Eterno Barnes está aí para me provar isso tudo. E que, mesmo assim, ainda pode ser uma leitura intrigante e de deixar o queixo caído.
Eu cumprimento o autor pela ousadia em escolher o assunto a ser abordado no livro e, mais do que isso, pela proposta de reflexão, pelo desenrolar do enredo, completamente inesperado. Super indico a leitura, o fascínio está mais que garantido e os questionamentos, só estarão começando.

Nota:
Meio ponto a menos pela minha revolta com o final. rs

9 comentários:

Cristiane Silva disse...

Muito bem falado esse livro, quem leu está gostando muito mesmo. Mas não achei que gostaria de ler, é meio estranho pra mim =/

Clara Beatriz disse...

Bem, não conhecia o livro e me surpreendi com a sua resenha. Achei o livro bem interessante e pretendo lê-lo em breve!

Fernanda Faria disse...

Só tenho visto resenhas super positivas desse livro,que me surpreenderam muito, inclusive a sua e estou beeeeeeeeeeeeem ansiosa para ler.
beijos

Manu Hitz disse...

Fiquei louca pra ler esse livro. Nem sou fã de ficção, aqui me interessei mais pela reflexão sobre um tema tão antigo: o brincar de ser Deus.
Muitos médicos sentem-se mesmo poderosos assim, especialmente numa especialidade muito complicada e numa função que trabalha no limiar entre a vida e a morte: a neurocirurgia.
Esse embate com a vida/morte, a vontade de manter viva a capacidade humana da inteligência são mesmo temas ótimos para explorar numa leitura rica, sem dúvidas.
Mesmo que não termine como esperamos, a vida é exatamente assim: as coisas são o que são, terminam como devem terminar.

Andreza disse...

Logo que o vi nem fiquei com muita vontade de lê-lo... mas depois vi que pode ser uma leitura bem interessante! ;)
O livro sempre ganha resenhas bem positivas e realmente o autor ousou na escolha do tema; acho isso um ponto bem positivo!

Sarah Marques disse...

Oi Vê, tudo bom?
Poxa, achei esse livro super interessante também, vou procurar comprá-lo pois é o tipo de leitura que eu gosto!
E é nacional né?

Tem promoção lá no blog
endless-poem.blogspot.com.br
Beijão

Gladys Sena disse...

Li muitas resenhas positivas desse livro.
É uma trama diferente, mas não fiquei com vontade de lê-lo.

Sammysam Rosa disse...

É a primeira resenha que leio sobre o livro, não achei que o livro fosse tão interessante, pois cheguei a pensar que seria algo bem diferente por conta da capa, mas pela sua resenha pude notar que o livro além de bem escrito, traz uma trama com um diferencial e isso me deixou curiosa!

Beijos!

Da Imaginação a Escrita

Ana Paula Barreto disse...

Estou doida para ler este livro, tanto pela temática (e pelas questões filosóficas que permeiam a obra), quanto pela inovação e diferenciação das demais obras que vemos por aí. Com certeza é um livro que foge dos padrões e propões reflexões. Eu gostei e pretendo ler assim que possível. Fiquei impressionada com sua nota!
bjs