sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

#Resenha: O Mágico de Oz - L. Frank Baum

O Mágico de Oz
Autor: L. Frank Baum
Editora: Zahar
Número de páginas: 224

"L. Frank Baum (1856-1919), o escritor, poeta, ator e cineasta nascido em Chittenango, Nova York, escreveu um dos mais populares livros da literatura infantil de todos os tempos – O Maravilhoso Mágico de Oz (1900). A versão musical para o teatro do livro foi apresentada na Broadway de 1902 a 1911, com estrondoso sucesso. Não menos sucesso teve a versão cinematográfica de 1939, estrelada por Judy Garland, no papel de Dorothy.A obra nos conta a encantadora história da garota Dorothy, que é levada por um ciclone à fantástica Terra de Oz, onde entra em contato com o Homem de Lata, o Espantalho, o velho mágico e uma série de outros personagens fabulosos, em uma jornada de pura magia e beleza.Esta edição contém ilustrações da primeira edição da Geo. M. Hill Co., Chicago – New York, 1900, de W. W. Denslow."

Compre: Saraiva | Submarino

Todo mundo já deve ter ouvido falar, pelo menos uma vez na vida, sobre O Mágico de Oz. A história sobre a pequena Dorothy que, arrastada por um ciclone na companhia de seu cachorrinho Totó, vai parar na incrível Terra de Oz é tão famosa quanto os personagens que ela vai encontrando pelo caminho: o Espantalho, o Homem de Lata e o Leão Covarde. Juntos, eles partirão até a Cidade das Esmeraldas para tratar com o poderoso e temido mágico Oz. Já se lembrou? Até aquela música, "Over The Rainbow", que foi escrita especialmente para a adaptação da MGM, em que Dorothy batia três vezes os calcanhares de seus sapatos de rubi para voltar para casa. Mas calma aí, já chegaremos a essa parte.
Por mais estranho que possa parecer, eu nunca assisti a O Mágico de Oz da MGM, mesmo assim, vi uma adaptação teatral da história e, com isso, eu tinha ideia do básico que acontecia na Terra de Oz. No entanto, nada nunca se compara à leitura do texto original, na íntegra. E foi isso o que resolvi fazer quando vi essa linda edição da editora Zahar com direito a capa dura e várias ilustrações originais.
Dorothy é uma menina órfã que vive com seus tios no Kansas; acompanhada de seu cachorrinho Totó, a menina está isolada por muitos hectares de terra por todos os lados, até onde a vista alcança, sentindo-se muito sozinha. Entretanto, com a chegada de um ciclone, ela e Totó são pegos de surpresa, ficando presos à casa simples de apenas um cômodo em que moram, sendo carregados pelo fenômeno.

"Escureceu muito e o vento soprava com sons horríveis à volta dela, mas Dorothy descobriu que viajava até com um certo conforto."
(pág. 17)

Desembarcando em uma terra misteriosa, a Terra de Oz, Dorothy se depara com as mais estranhas criaturas desde o momento em que sai de sua casa. A menina logo toma conhecimento de que existem magos, feiticeiros e bruxas nesse lugar tão estranho e novo e é apresentada à Bruxa Boa do Norte, que lhe dará direções para encontrar-se com o mago Oz, na Cidade das Esmeraldas, o único capaz de mandá-la de volta para o Kansas. Em sua aterrissagem, a casa de Dorothy caiu sobre a Bruxa Má do Leste, matando-a imediatamente e foi assim que a menina pode ficar com os sapatos prateados* da bruxa para si, sendo de grandes poderes.
Seguindo pela estrada de tijolos amarelos, Dorothy encontra e salva o Espantalho de uma vida espetado no meio do milharal para assustar os corvos e ele logo lhe segreda seu desejo de possuir um cérebro, ao invés de somente aquela palha que lhe estofa a cabeça. No meio do caminho, eles encontram e salvam o Homem de Lata de uma eternidade paralisado pela ferrugem no meio da floresta; ele logo lhes conta sua história e de como gostaria de ter um coração novamente. Ainda seguindo adiante, o trio esbarra no Leão Covarde e este também tem um desejo: ter coragem para poder ser reconhecido pelos outros animais como seu rei. Juntos, eles irão à Cidade das Esmeraldas conversar com o poderoso e misterioso Oz. Mas o caminho será cheio de dificuldades e eles terão de provar a coragem, a união, a amizade e a força para manterem-se juntos e alcançarem seus desejos.

"(...) Foram tempos terríveis, mas durante o ano que passei ali tive tempo para pensar que a maior perda que eu sofri foi a do meu coração. Enquanto eu estava apaixonado era o homem mais feliz do mundo; (...)"
(pág. 57)

A história, já velha conhecida minha, embora não em sua plenitude, foi uma surpresa muito agradável, inclusive, com detalhes surpreendentes sobre as aventuras de Dorothy, Totó, Espantalho, Homem de Lata e Leão. O Mágico de Oz é uma leitura para todas as idades, pois não tem nada de muito infantil ou simplório. São aventuras realmente perigosas, até mesmo para uma menina como Dorothy. Mesmo assim, é impressionante como algo tão rápido de se ler possa ser, ainda, tão complexo e muito bem imaginado.
Antes eu não possuía esse parâmetro, mas Dorothy e seus amigos não só tornam-se inseparáveis enquanto na Terra de Oz, como são levados a percorrer os quatro extremos da terra para garantir que seus desejos sejam concedidos; não da maneira como imaginamos a princípio, mas, ainda assim, é um esforço em conjunto.
Essa edição de bolso caprichada da Zahar me deixou ainda mais animada com a leitura e as ilustrações, embora um pouco estranhas e sinistras, dão um toque a mais à nossa imaginação. Foi rápido e uma verdadeira viagem no tempo, pois esse ano completam dez anos que fui assistir à adaptação de O Mágico de Oz como espetáculo de teatro e dança. O clássico infantil foi muito interessante de se ler e fiquei muito satisfeita por ser uma leitura fácil.
Quem ainda não conhece a história de Dorothy e seus amigos é uma ótima oportunidade, pois é leitura de poucas horas. E você vai terminar querendo dar um passeio pela estrada dos tijolos amarelos também.

"A Bruxa morria de medo do escuro, e por isso não se atrevia a entrar no quarto de Dorothy durante a noite, e seu medo de água era maior ainda que o medo do escuro, e nunca chegava perto quando Dorothy tomava banho." 
(pág. 137)

*Curiosidade: Originalmente (no livro) os sapatos usados por Dorothy para voltar ao Kansas são prateados e não os famosos vermelhos-rubi. Essa foi uma alteração feita pela MGM em sua adaptação cinematográfica para divulgar sua nova tecnologia de imagem colorida.

Nota:


10 comentários:

Mallu Marinho disse...

O Mágico de Oz é uma das minhas histórias favoritas. É inevitável não lembrar da minha infância onde eu assistia repetidamente ao filme e aos desenhos. Sempre tive curiosidade em ler o livro e acho que essa é uma ótima oportunidade. Adorei a capa dessa edição. E as ilustrações devem ser lindas. Entrou para os meus desejados.

Ycaro Santana disse...

Gosto bastante do Mágico de Oz, apesar de não ler o livro ainda o filme conseguiu me conquistar desde a infância mas pretendo comprar o livro junto com outros clássicos.

Natalia Araújo disse...

Nunca li o livro e nem o filme, mas como você, assisti a uma adaptação. O livro parece ser uma lindeza só. Espero ler em breve.

Jônatas Amaral disse...

Eu fui apresentado ao mundo de "O Mágico de Oz" ainda criança pelo cinema e por aqueles livros adaptados. Só tive acesso ao original mais ou menos aos 16 anos, e foram duas sensações completamente diferente.

Quando assistir o filme tudo para mim era imaginação, tudo era lindo. Quando tive acesso a obra completa, tive tudo isso novamente, mas verdadeiramente vi o quanto a trama era um tanto cruel. Bruxas morrendo de uma forma muito medonha, as coisas que aconteciam. O fato de se retirar o coração. Tudo isso me passou despercebido quando criança, e agora pude ver de um outro lado, mas nada disso tirou a magia da obra, pelo contrário, me fez amar ainda mais.

Um perfeito conto de fadas a la Bruno Bettelheim.



Muito boa a resenha! Que bom que gostou Verônica.


Abraços,


Jônatas Amaral
Blog alma Critica

Mônica disse...

Olá! Eu já assisti filme, mas nunca li nem vi peças teatrais a respeito, há um tempo desejo essa edição linda da Zahar <3 , mas admito que saber que os sapatinhos não são vermelhos foi um choque D:

Franciele de Santana disse...

Eu não lembro bem se eu assisti o filme completo, mas gostaria de sim de conhecer, os livros nos trazem detalhes preciosos e grandes emoções.

Veezinha disse...

Por incrível que pareça, fui apresentada de um jeito bem diferente a O Mágico de Oz, mesmo assim, sempre tive curiosidade de ler tamanho clássico. A edição é ótima e vale a pena ter na coleção! Espero que goste! ;D


xx

Veezinha disse...

Enquanto vocês estarão pegando o livro, eu estarei indo conferir o famoso filme. rsrs Clássicos estão ganhando minha atenção, acho que preciso lê-los com mais frequência!


xx

Veezinha disse...

É verdade, Jônatas, alguns aspectos bizarros numa história para crianças, mas que, ainda assim, parece integrar-se muito bem ao enredo, embora não passe despercebido esses requintes cruéis.
Fico feliz que tenha gostado da resenha! ;D


xx

Veezinha disse...

Pois é, Mônica! Eu também fiquei surpresa, afinal, os sapatos de rubi são um ícone! Mas a edição da Zahar dá um show e vale muito à pena tê-la na sua coleção!


xx