quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

#Resenha: Rose na Tempestade - Jon Katz

Rose na Tempestade
Autor: Jon Katz
Editora: Novo Conceito
Número de páginas: 240

"No meio de uma terrível nevasca, a cadelinha Rose insiste em dar conta de seu trabalho como pastora enquanto nos deixa a par de suas curiosas reflexões: onde está Katie, que ela nunca mais viu, embora seja capaz de sentir sua presença em todo lugar? Quem será aquele cachorro selvagem que parece seu amigo? Por que Carol, a mula, fica parada mesmo debaixo de toda a neve que cai? E onde foi parar Sam, que sumiu depois daquele barulho todo? Mas Rose não tem muito tempo para suas reflexões divertidas — e às vezes bem corretas. Agora ela deve voltar sua atenção para uma coisa muito mais séria: correr atrás de Sam, tentar encontrá-lo e, quem sabe, salvá-lo. No entanto, alguns perigos podem ser intransponíveis para uma cachorrinha..."

Compre: Saraiva | Submarino

Este livro foi cortesia da editora Novo Conceito.

Rose na Tempestade foi uma leitura bem diferente das que estou acostumada, tendo como personagem principal a cadela Rose, uma esperta e eficiente pastora que ajuda seu dono, Sam, na fazenda em que ambos moram. Apesar de, obviamente, não poder ser contada por um cachorro, o narrador preocupa-se em nos contar a forma como Rose percebe o mundo ao seu redor, dando um toque "Sessão da Tarde" à história.
Toda a percepção de Rose é cuidadosamente descrita e é quase como se fôssemos guiados através dos olhos da cachorra por tudo o que acontece na fazenda, desde os acontecimentos mais cotidianos, como o nascimento de algum animal, até outros mais interessantes, como o encontro com animais selvagens que costumam circunda a fazenda.

"Sentia obrigação para com Sam, de protegê-lo e de proteger a fazenda. E sentia amor. Por Sam, por Katie, até pelos carneiros e outros animais, e pela própria fazenda, sob seus cuidados, dentro dos limites dela."
(págs. 44 e 45)

Quando uma terrível nevasca se aproxima, Sam precisa garantir que todos os seus animais tenham alimento e abrigo pelos dias horríveis que se seguirão. Rose está disposta a ajudá-lo e compreende muito bem quando há trabalho para se fazer. Mas a preocupação em manter o seu sustento deixa Sam vulnerável quando a tempestade chega, impiedosa.
Rose sente que tudo está mudando, mas não consegue lidar com o dono teimoso, restando-lhe apenas segui-lo e ajudá-lo no que puder. Até que um terrível acidente coloca suas vidas em risco. Isolados por metros e metros de neve, com nada além dos próprios animais de companhia e nenhum deles com habilidades médicas, Rose precisará de muita determinação, coragem e toda sua habilidade para salvar a ela e a Sam antes que seja tarde demais.
Essa cadelinha não medirá esforços para continuar tomando conta de sua fazenda, do seu dono e todos os animais que sente ser sua responsabilidade. Mesmo que isso custe a própria vida.

"Olhou aquele animal leal e sentiu que devia isso a Rose. A fazenda também era sua. Levou-lhe em conta a dignidade, ali no celeiro, diante dos animais, e o orgulho. Ela nunca lhe pedia nada, e dava-lhe tanto, cada dia de sua vida." 
(pág. 74)

Rose na Tempestade foi uma leitura um tanto sem graça, principalmente por descrever com tanto afinco o que, teoricamente, se passaria na cabeça de um cachorro. A princípio, não me convenceu toda essa descrição de atitudes e pensamentos; não que eu duvide que cães são animais extremamente inteligentes, principalmente os de pastoreio, só fiquei um pouco incomodada por estar parecendo mais um daqueles filmes de animais que vemos na televisão.
No entanto, conforme avançamos na narrativa, percebemos que há muito mais do que a luta de um animal para manter tudo aquilo que o cerca. Mesmo cética, consegui entender o que o autor estava querendo passar. Os esforços de Rose e Sam para manterem não só a fazenda com o pouco que podiam fazer, como também um ao outro mostra o quanto o companheirismo entre cachorro e fazendeiro foi essencial para que o trabalho pudesse manter-se, mesmo quando o clima tornou-se intransitável.
Tornou-se uma leitura diferente e conseguiu minha atenção mais pelas ações e cuidados que Sam e Rose não mediram esforços para manter com a fazenda e os animais nela do que pela narrativa em si. Claro que ela foi o principal meio pelo qual fui inserida na história, mas esse ponto, particularmente não me impressionou.
Gostei bastante do exemplo de companheirismo, proteção, amor e perseverança. As circunstâncias eram extenuantes e cada vez mais perigosas por conta do mau tempo, o que forçava animais selvagens a procurar por abrigo e comida, mas, mesmo assim, Rose não desistiu de defender um só minuto seu lar e sua família. Se fosse uma pessoa, a superação do mau tempo, por si só, já seria uma grande história; mas sendo um cachorro, a sobrevivência e determinação destacam-se ainda mais.
A leitura foi meio lenta, mas a mensagem muito reconfortante. Rose na Tempestade é uma leitura indicada para os amantes de animas, principalmente, mas também para aqueles que estão em busca de uma leitura diferente e emocionante sobre até onde iria uma cadelinha para proteger o mundo que conhece.

"Se fosse a hora dele, não fazia parte do trabalho dela combatê-la nem a lamentar. Por isso se preparava, à sua própria maneira, absorvendo pelos sentidos os cheiros e as lembranças do que era conhecido. Jamais ouvira a casa da fazenda tão silenciosa, vira-a tão sombria, nem a sentira tão fria."
(pág. 184)

Nota:



19 comentários:

Rita de Cássia disse...

Eu achei bem interessante a proposta do livro. Geralmente fujo de livros que falem sobre animais, pois eles sempre morrem no final e eu não suporto isso. Eles deviam ser imortais u.u
A premissa do livro é instigante, mas realmente ter o enfoque principal na cadelinha Rose parece deixar a estória meio "irreal", sei lá.
E cara, sou apaixonada por essa capa! Muito linda e diz muito sobre o tema do livro.

Roseneia Santos disse...

Já vi várias resenhas positivas desse livro,achei o enredo interessante,algumas histórias são comovente e marcante!

Danii Kaulitz disse...

Gostei da resenha, também achei bem diferente o fato de o livro ser narrado pelos olhos da cachorrinha, deve ser muito legal. Adoro animais e este livro me chamou bastante atenção, deve ser muito bom!

beijos ♥

quemprecisadetvparaverbeyonce.blogspot.com.br

Feer Tavares disse...

Essa capa é linda demais, fala sério!
Mas lendo a resenha acabei ficando um pouco decepcionada, acho que não é muito meu estilo não :S
Gosto de livros estilo sessão da tarde, mas algo sem tanta enrolação..

Jônatas Amaral disse...

Logo quando este livro foi lançado e comecei acompanhar as resenhas e tudo mais, a primeira coisa que pensei, foi justamente: Seria uma boa histórias para um filme "Sessão da Tarde" muito bem feitinho, fofinho, com uma mensagem bonitinha no final.
Ainda não li o livro, então não tenho tanta base. Mas, creio que seria muito interessante fazer essa leitura, principalmente, como disse, ser uma leitura diferente. Gostaria de poder ler um histórias sob os olhos de uma cadela tão linda.
A capa é muito bonita. Parece até um poster de cinema kkkkk


Jônatas Amaral
Blog Alma Crítica.

Mallu Marinho disse...

Eu amo histórias com animais. Depois de "Marley & Eu" é impossível
eu não chorar quando leio livros com esse tema. A capa é linda e não
tenho dúvidas de que a história também seja. Já vi resenhas dizendo
que a leitura é bastante lenta, você disse que é sem graça, então estou com a pulga atrás da
orelha. Mas quando eu tiver oportunidade, lerei.

Ycaro Santana disse...

Mais uma história com animais ... AMO! Adorei o comentário sobre a cachorrinha, muito fofa! E a capa é surpreendente.

Michelli Santos Prado disse...

Olá Vê!! Este livro esta na minha lista de desejados, desde seu lançamento, pois achei esta historia super interessante e ao ler sua resenha minha expectativa pela leitura somente aumentou!! Pois amo animais e com certeza vou querer ler este livro!!
Beijos!!

Natalia Araújo disse...

Eu fico tão fascinada com histórias de animais.

Achei a resenha bem sincera. O livro parece aquele tipo que é bom, mas a leitura é arrastada, cansativa, como acontece com alguns por aí, até mesmo os clássicos.

Eu enfrentaria a leitura para matar minha curiosidade. Sou fascinada por cachorros.

M&N | Desbrava(dores) de livros

Natalia Araújo disse...

Confesso que assim vi a capa, gostei do livro. Eu adoro cachorros!
Mas a sua resenha me desanimou um pouco. Se tem uma coisa que eu detesto é livros lentos.
Um toque de sessão da tarde no livro foi ótima. Kkkkkkkkkkkkkkkk
Apesar de me decepcionar com o livro, adorei a resenha.

Mônica disse...

A capa é linda <3 , mas quando tu começou a contar um pouco da história já desanimei e ao terminar de ler a resenha vi que não é o tipo de livro que eu gostaria, adoro cães, mas ainda não li nenhum livro desses famosos com eles (tipo Marley e Eu) e acho que esse não seria o ideal para começar! ;*

Franciele de Santana disse...

E u tinha lido resenhas apontando apenas os pontas favoráveis que acho que para eles superam os pontos negativos, desculpe-me a comparação mas lembrei de Baby no sentido de o livro ser visto pelos olhos dos animais. Não sei se seria um livros que gostaria de conferir.

Veezinha disse...

Também tenho receio disso, Rita! Tanto é que, quando peguei para ler Rose, eu já dei uma espiada no final para ver se ela morria ou não. rsrs
Eu achei um pouco surreal ter a percepção da cachorra descrita no livro; quero dizer, como é que sabem que é isso mesmo que se passa na cabeça dela? rsrs


xx

Veezinha disse...

Ah não se preocupe, Mallu, nada de lágrimas com essa leitura! Mas faça a seu tempo, pois é um livro lento e um pouco sem graça, arrastado. Melhor esperar o melhor momento para ler. ;D


xx

Veezinha disse...

Fico feliz que a resenha a tenha feito esperar ainda mais pela leitura, Michelli! ;D Espero que aproveite e se divirta mais do que eu. rsrsrs


xx

Veezinha disse...

Exatamente, tem o mesmo teor de lentidão de alguns clássicos. rsrs Mas seria uma leitura a se arriscar se a admiração é por cachorros, afinal, a história é mais focada na Rose. Vale a tentativa! ;D


xx

Veezinha disse...

É uma pena, Natalia, mas é assim mesmo. Também estou pegando nervoso de livros lentos, mas, de vez em quando, me deparo com um desses. Por isso, mais que rapidamente procuro leituras rápidas para me sentir melhor e mais eficiente. rsrs


xx

Veezinha disse...

Talvez não seja o ideal mesmo, Mônica. Mas, se você gosta de cães, talvez seja uma leitura para tentar no momento propício! ;D


xx

Veezinha disse...

Achei importante balancear os pontos positivos e negativos, pois o livro, apesar de muito interessante, também pesou um pouco na hora da leitura. E sempre quero mostrar os dois lados da moeda para vocês, quando existirem. Definitivamente não é um livro para qualquer um! ;)


xx