domingo, 16 de fevereiro de 2014

Indo mais a fundo... #30


No começo do ano, nas novidades do blog, eu prometi que viria compartilhar com vocês um pouco mais sobre as minhas leituras de uma maneira geral. Para um primeiro post, achei que seria legal falar sobre alguns livros que eu li pela primeira vez quando era bem criança, mas que, ainda hoje, são considerados meus favoritos e que tento reler sempre que possível. Verdadeiras paixões que, às vezes, eram emprestadas da biblioteca de novo e de novo e de novo...

A Bolsa Amarela - Lygia Bojunga

A Bolsa é a história de uma menina que entra em conflito consigo mesma e com a família ao reprimir três grandes vontades (que ela esconde numa bolsa amarela ) - a vontade de crescer, a de ser garoto e a de se tornar escritora. A partir dessa revelação - por si mesma uma contestação à estrutura familiar tradicional em cujo meio "criança não tem vontade" - essa menina sensível e imaginativa nos conta o seu dia-a-dia, juntando o mundo real da família ao mundo criado por sua imaginação fértil e povoado de amigos secretos e fantasias. Ao mesmo tempo que se sucedem episódios reais e fantásticos, uma aventura espiritual se processa, e a menina segue rumo à sua afirmação como pessoa.

Esse livro eu não me lembro exatamente se foi uma leitura para a escola ou algo que eu descobri nas indicações das apostilas ou em alguma busca no site da Saraiva. A verdade é que foi sempre uma leitura divertida e com muita imaginação; uma bolsa onde coubesse tudo e mais um pouco! Acho que, no fundo, no fundo, eu sempre sonhei em ter uma bolsa amarela. Com todos aqueles bolsos menores para guardar de tudo um pouco, inclusive sonhos e itens estranhos. rs



O Reino de Muito Longe - Carlos Augusto Segato

Tiago, guerreiro de uma batalha perdida, procura um lugar tranqüilo a fim de reunir forças para encontrar o reino de Laguinha, onde vive sua amada. Bruxos, gigantes, reinos encantados e animais fantásticos se misturam nessa aventura com o sabor das antigas narrativas de encantamento.

Este aqui, por outro lado, descobri por acaso em uma das minhas diárias visitas à biblioteca da minha cidade natal, que ficava no quarteirão ao lado da minha escola. Era obrigatório eu parar por lá e pegar dois ou quatro livros de uma só vez para devorar e voltar no dia seguinte e assim por diante. Com o passar dos anos, decorei a posição dele na prateleira e, sempre que estava em dúvida sobre o que ler, ia direto nesse. Perdi a conta de quantas vezes o li, mas, por mais engraçado que pareça, eu nunca o procurei para comprar porque nunca lembrava do título. rs No final das contas, é o único de meus favoritos que, até hoje, não possuo na estante. E lamento profundamente por isso.
Uma original e incrível história de aventura, com seres místicos e a jornada de Tiago. Espero poder, um dia, adquiri-lo e lê-lo mais inúmeras vezes!


O Super Tênis - Ivan Jaf

Tio Mariano inventou o “tênis do século”, capaz de fazer manobras incríveis. Mas o invento está ameaçado e Pedro tem de defendê-lo. Um espião está disposto a qualquer loucura para roubá-lo, o que significa aventura do começo ao fim.

O Super Tênis foi uma grande surpresa; a princípio, ele foi escolhido por uma das minhas professoras de Português como uma das minhas opções de leitura obrigatória para fazer uma prova. No começo, juro que torci o nariz para a minha escolha e fui lê-lo de muita má vontade. Terminei não querendo muito dar o braço a torcer, confesso, mas não demorou muito para que eu o emprestasse de novo na biblioteca e, mais tarde, o adquirisse para a minha coleção. É uma história de aventura com um caso meio policial, meio suspense. Muito empolgante! São personagens simples e peculiares ao mesmo tempo e só de me lembrar das aventuras de Pedro usando o super tênis criado por seu tio, me dá vontade de lê-lo novamente o mais rápido possível. Com certeza me marcou e continuará a ser um livro que lerei muitas e muitas vezes mais, pois é impossível se cansar!


Os Criminosos Vieram para o Chá - Stella Carr


Um roubo espetacular. Nenhum vidro quebrado, trancas e cadeados inviolados, silêncio absoluto na madrugada. Nada era problema para Antony, Paul e Denis, companheiros de cela e de profissão. Nem mesmo a possibilidade de serem lesados pelo quarto homem, o mentor do roubo: bastou trocar, na cara dele, o estojo das pedras preciosasa. Não contavam, porém, com pequenas adversidades: uma velhinha desmemoriada, um portão de ferro, um modo pouco convencional de exterminar ratos... Diante disso, por que temer a Scotland Yard?

Mais um livro que eu não me lembro ao certo de como o descobri. Talvez tenha sido um risco da biblioteca ou encontrado nas minhas pesquisas da Saraiva, mas está aí um livro de mistério e suspense. Sabe, às vezes me pego rindo das minhas escolhas de leitura quando criança. Mistérios? Parecia algo estranho de se escolher, mas sempre procurei dar chances aos mais vários tipos e muitas vezes não me arrependi. Com esse não foi diferente, além de se passar na querida Londres e girar em torno de um roubo, a verdadeira sacada está na casa aonde os criminosos vão parar. Daí o título. Parece algo bem inglês e, sem dúvidas, é muito peculiar e divertido. Confesso que sempre foi uma leitura mais lenta para mim, mas nem por isso perdeu o brilho e ainda continuo relendo sempre que posso.


Quando meu pai perdeu o emprego - Wagner Costa


Pepê, Beto, Ju e Caró são quatro irmãos acostumados a morar em casa com piscina, freqüentar colégios caros e clubes elegantes, ganhar motos e videogames de presente. Mas, de um dia para o outro, o pai perde o emprego. Sem dinheiro, a família vai tendo de abrir mão de tudo: da casa, dos carros... O que passa pela cabeça das crianças? Será que podem ajudar? Continuariam juntos e felizes ou começariam um motim a bordo da Nave Azul? Ora, é só perguntar ao Capitão Esperança!

Outro dos acasos da biblioteca, revelou-se uma incrível história de superação e união familiar. O choque de o pai, principal provedor da casa, perder o emprego chacoalhou a vida de todos: do casal, dos quatro irmãos e até da empregada. Mas o mais interessante é que, mesmo com as mudanças bruscas e as mais diversas reações dos quatro filhos, a família encontra formas de tentar reerguer-se e isso é incrível! Quanto mais eles lutam para encontrar novas formas de sustento, mais unidos precisam ficar para não só compreender o que estão passando como também para reunir forças e continuar lutando. É uma história emocionante e uma enorme lição de vida. Aqui em casa até meus pais leram o livro e viraram grande fãs. Para todas as idades e gostos, vale muito à pena!


Quem vai pra cozinha? - Telma Guimarães

Fernando não tinha o que fazer. Ia levar os seis sobrinhos mais dois agregados para a praia. De quebra, uma amiga das irmãs - provavelmente uma "coroa" - pintaria no pedaço para dar uma mãozinha.
Quando chegaram na praia, surpresas e mais surpresas: baratas, casa despencando, a cozinha deu "cano" e nenhum dos sobrinhos sabia cozinhar. Espera lá... Luana e Pudim sabiam! Macarrão da titia, torta de banana preguiçosa, carne louca.
Uma aposta anos atrás, Lucíola(o mundo dá mesmo muitas voltas, não é?)... um luau, um cassino clandestino no vizinho,um fubá, um caso de polícia. Quem diria que aquelas férias seriam tão movimentadas?

Esse, eu confesso, foi amor à primeira vista pela capa. Encontrei nas indicações que minhas apostilas da escola costumavam ter. Eu anotava os títulos e procurava na biblioteca. Quando não tinha e depois de ter ganhado meu primeiro computador com acesso à internet, passei a buscá-los no site da Saraiva ou na própria livraria, quando ia ao shopping. É uma leitura extremamente divertida sobre uma viagem em família onde dá tudo errado. É trapalhada atrás de trapalhada e não há limites para as risadas. Outro favorito da minha família e altamente recomendado. Sem contar que, além de ser uma leitura fácil e rápida, ainda vem com todas as receitas que as talentosas crianças fazem durante toda a história.


E vocês? Algum livro que costumam conservar a leitura desde quando eram pequenos? Esses são os meus favoritos e relê-los é sempre um momento de nostalgia e muita diversão!
Espero que tenham gostado! ;)



15 comentários:

Mônica disse...

Hey, eu já li um livro da Lygia Bojunga, mas não lembro o nome =/ , fora isso, destes teus livros só li o Quando meu pai perdeu o emprego e realmente é para todas idades e gostos! Tem vários livros que eu quero reler, mas que eu releio mesmo não tem nenhum D: , quando era mais nova eu lia e relia Harry Potter mil vezes <3 , hoje em dia tenho relido menos e lido mais coisas novas, pq sou uma leitora muito lenta .-.
bjs www.moniitorando.blogspot.com

alice aguiar disse...

eu me lembro de ter lido a bolsa amarela quando era criança.

Jullyane Prado disse...

Oie Vê!! Ainda não li nenhum desses livros, mas achei interessantes! Também tenho minhas paixões de infância: Sozinha no mundo ( não me lembro mais o autor) As Aventuras de Xisto e dentre outros!!


Beijos!


http://meudiariojk.blogspot.com.br

Mônica disse...

Hey, eu tinha certeza de ter comentado nesse post :S , como não achei o comentário, cá estou de novo! Eu li apenas um livro da Lygia, mas não lembro o nome e não foi esse, mas me pareceu muito legal :D , e até fiquei com vontade de ler, destes livros eu li apenas Quando meu pai perdeu o emprego e realmente é para todos os gostos e idades! ; *

Michelli Santos Prado disse...

Olá Vê...Nossa que demais este seu post...Da sua relação de livros li somente A Bolsa Amarela. mas mesmo assim adorei poder ler mais sobre os outros livros, na época lia muitos livros!!

Camila Ribeiro disse...

Muito legal o post, adorei a ideia de relembrar os primeiros livros q vc leu, e q te marcaram até hoje... Eu li bastante livros quando era criança, mas desses acho q ñ li nenhum... Esse da Bolsa Amarela, pela sinopse parece ser mt bom!

Franciele de Santana disse...

Adorei os livros, muito legal compartilhar as suas antigas leituras que de certa forma é compartilhar um pouco da sua historia conosco, na minha infância não tive muitos livros para ler e mesmo os que li são poucos os que lembro, quando comecei a ler mais foi quando abriu uma biblioteca aqui na cidade mas nesse tempo eu já tava na ensino médio sem contar com os livros obrigatórios. Ah agora lembrei de um que li na sexta série que foi Doze Horas de Terror que foi uma leitura obrigatória mas que adorei, você já conferiu? Dos livros que você citou eu li Os criminosos Vieram Para o Chá é muito interessante o rumo que a história toma. Vou esperar pelos próximos posts.

Veezinha disse...

Realmente, Mônica, cada vez mais tenho relido menos e lido mais; pouco tempo e muitas coisas novas para ler. rsrs Mas ainda aguardando ansiosamente pelo momento em que poderei reler todos estes e ainda alguns mais!


xx

Veezinha disse...

Não me lembro de ter lido Doze Horas de Terror, mas vou procurar saber mais dele. rs Realmente é um rumo inesperado e sempre achei essa sacada muito legal!
Que bom que gostou do post, Franciele; isso me anima ainda mais para escrever sobre as minhas leituras! ;D


xx

Renato Augusto Ritto disse...

Verônica, seu blog por acaso apareceu na minha TL do Facebook e eu decidi dar uma visitada! Por acaso achei esse post de fevereiro HAHAHAH juro que foi por acaso. Você ainda lembra de mim? Espero que sim. (E que esse comentário não seja absurdamente creepy. É isso aí.)


Lembrei muito de O Reino de Muito Longe porque (lembra?) a professora Aninha leu pra gente na 4ª série, lá no Integral de Pedreira, e esse livro era meu. Ainda tenho ele aqui comigo e toda vez que pego pra ler lembro da 4ª série. Eu absolutamente amei esse livro! Achei super legal de vê-lo nessa postagem, e perceber que você também lembra dele.


Um abraço!! Dê uma passada no meu blog também!!
Renato.
www.estejali.com

Veezinha disse...

Claaaaaro que lembro de você, Renato! Aliás, esses dias mesmo vi uma foto sua no feed do Face da sua ida ao cinema pra assistir ACeDE! Até comentei com os meus pais! Vi que você adorou o filme; como foi que conseguiu esse passe VIP, hein? kkkkkk
Caramba, jura que era seu livro? Disso eu não lembrava! Mas sempre fui até a biblioteca (acho que você não pegou a época que ela mudou láááá pra baixo, onde costumava acontecer o rodeio da cidade, pegou?) e emprestei diversas vezes porque simplesmente amava!
Até hoje eu me arrependo de nunca tê-lo comprado; agora é difícil pra caramba de encontrar, até mesmo no sebo! Fico muito feliz em saber que você ainda o mantém; não se desfaça dele! Muitas lembranças boas, sem dúvida! ;D
Ainda beeeem que você me mandou o link do seu blog, tava procurando aqui que nem louca! Você não tinha um outro? Lembro que o nome era diferente... o que aconteceu com ele?
Enfim, estarei sempre passando por lá, pode deixar! Você também, apareça por aqui mais vezes, viu? rsrs

xx

Renato Augusto Ritto disse...

Sim, você viu????? Foi muito divertido! Acabei ganhando porque faço parte da Nerdfighteria desde a época em que ACEDE ia lançar aqui no Brasil, e ajudei a divulgar o livro com posts no blog antigo e etc. Aí a Intrínseca convidou a gente! O filme é muito bom. Foi muito legal poder ver antes de todo mundo!!


E pois é, acabei entrando pro Este Já Li porque no outro blog quem postava era eu e mais uma amiga, muito trabalho pra pouco tempo... nesse blog que eu participo hoje tenho posts mais alternados, já que somos vários contribuidores!! A faculdade tem consumido todo o meu tempo x_x hahahaha


Eu acho que não tinha pego a época em que a biblioteca ficava ali naquele campão de areia em que era o rodeio, mas tinha ido no rodeio umas duas vezes e morava ali encostado, lembra? Em cima do Casa & Conforto hahahahaha bons tempos. Enfim, não me desfarei!! Coitado, tá todo caído, mas é importante pra mim e vai ficar onde está hahahaha


Aparecerei por aqui mais vezes sem dúvida. Esqueço que você tem blog e acabo não visitando, mas vou adicionar ele nas minhas visitas!! hahahaha =)


um beijão,
Renato.

Veezinha disse...

Ahhhhh tá, que legal!!!! Tão bom quando o nosso trabalho é reconhecido, né? Que bacana, parabéns!!! ;D Ainda não li nenhum livro do John Green, tenho evitado lágrimas ultimamente. rsrsrs Mas o filme está prometendo ser muito lindo!


Ah, eu entendo. Eu também estou super atolada com as coisas da faculdade e tal. Às vezes queria parar tudo e ficar só lendo. kkkk Qual curso você está fazendo?


Claro que lembro! Lembra aquele trabalho que fomos até sua casa fazer? Eu lembro que tinha uma escada enorme até chegar na sua casa. kkkkkk Isso mesmo! Eu também tenho alguns livros da época da escola: O Super Tênis, Quem Vai pra Cozinha? Já estão meio caidinhos, mas são os meus xodós e ainda aguardo o momento em que meu Empire State Building (lê-se: pilha de leitura) vai diminuir o suficiente pra poder relê-los!


Oba!!! Aí sim! Eu já apareci no Este Já Li vááááárias vezes, principalmente pra participar de sorteios. Agora que sei que você está lá, passarei mais vezes, sim! ;D


xx

Renato Augusto Ritto disse...

HAHAHAHA Meu Deus, esse trabalho!!!!!!!!!! Eu tinha esquecido disso. (Fazendo os seus comentários de chat, espero que não se importe!! =P) É verdade, a escada era gigantesca até chegar lá em cima.


Deveria ler os livros do John!! Eu sou meio coração de pedra, então nem chorei no livro, mas acho que sentir aquilo tudo é uma coisa muito profunda e me deixou meio pensativo por um tempo...


Eu estou fazendo Letras Português/Alemão na USP. Tô ralando demais =P não tô mais aguentando e é só o 2º ano hahahahahaha Meu Empire State Building aqui tbm tá foda... mas de vez em quando me permito reler pra não rolar ressaca literária!! hahahaha

Veezinha disse...

kkkkkkkk Sem problemas, chats são raros por aqui. Dá pra abusar um pouco. kkkkkk


Ixe, eu sou coração mole, acho que choraria litros e não seria uma ressaca literária que eu teria, mas um tsunami. kkkkkk


Caramba, puxado mesmo! Só 2º ano? Caracaaa! Quantos anos são?
Vish, não posso me dar esse luxo; tenho taaaaantos livros pra ler aqui que eles mesmo me arranjam na hora de uma ressaca literária. Mas tenho saudades das leituras antigas. Só que, no momento, não posso deixar mais nada acumular. Vida dura de bookaholic, viu? kkkkkkk