terça-feira, 4 de março de 2014

#Resenha: Marcas na Parede - Vários Autores

Marcas na Parede
Autores: Alex Mir, Alexandre da Costa, Alvaro Moreira de Carvalho, Amauri F., André Catarinacho, Arnoldo Mendes, Caio Pereira, Camilla DRS, Catelan das Letras, Cecília Torres Nogueira, Célio Figueiredo, Davi Tavares, Duda Falcão, Edson Rossatto, Eduardo Ribeiro, Fernando Heinrich, Francis Piera, Georgette Silen, Gisele G. Garcia, Hanna Liis-Baxter, Helena Gomes, Ieda Silva Castaldi, Jaqueline Leal, João Affonso, Larissa Caruso, Leandro Luz, Lívany Salles, Luciana Apolloni Santana, Luiz Ehlers, Luiz Felipe T. Erdei, Nath Feerique, Nathália Santa Rosa, Patricia Soares, Poli Gomes, Rafael de Andrade, Roberto Kosop, Rodrigo Zafra, Serg Smigg, Simone O. Marques, Sóira Celestino, Soraia Barbosa, Thaissa Ribeiro, Thris Way e Victor Meloni
Editora: Andross
Número de páginas: 239

"As marcas nas alvas páginas deste livro foram grafadas por uma sombria safra de escritores, dispostos a narrar histórias de medo, desespero e agonia sobre o submundo fantástico. Você não está só. O problema é a companhia..."


Este livro foi cortesia da editora Andross.

Apesar de ter lido poucas antologias da Andross, até agora me diverti muito com todas elas, que reuniram contos deliciosos de se ler. Marcas na Parede não foi diferente. Reunindo contos de terror, os diversos autores exploram nossos piores temores e situações das mais distorcidas e assombrosas para compor esse livro de leitura rápida.
O grande dilema, quando resenho uma antologia, é a vontade de querer falar um pouquinho de cada conto. No entanto, com mais de 40 deles nesse volume, fica um pouco complicado dar a atenção que cada um merece. Inclusive, adotei o hábito de, ao terminar um conto, anotar o que achei dele, seja no Skoob, usando o histórico de leitura, ou usando meu próprio caderno de anotações. Foi o que fiz nesse caso.
Todos eles, de fato, despertaram diferentes formas de horror em mim. Me assustaram, causaram-se asco, absurdos e toda sorte de sentimentos sombrios. De fantasmas a cultos religiosos macabros, histórias sobre morte, assombração, inveja, dor e medo. Impossível não ficar inquieto depois de ler alguns contos e olhar para trás, caso estiver sozinho e lendo no meio da noite...

"No momento da morte, possivelmente nossa essência cria desafios para nossa mente aceitar isto e estes vêm de nossos maiores medos.
(pág. 114)

O que mais me impressionou foi a criatividade de alguns autores; uns preferiram seguir os caminhos clássicos de possessões e assombrações, mas outros ousaram, brincando principalmente com o próprio leitor. Em muitas ocasiões fiquei confusa ao terminar uma história e é por isso que defendo que contos são uma forma de tortura literária, porque acabamos achando que sempre poderia haver algo mais a ser acrescentado e, portanto, prolongado a história.
Por trás de muitas situações assombrosas, geralmente, estava uma triste história, fosse para o fantasma ou para a sua vítima; por outro lado, havia momentos simplesmente irritantes, injustos e que terminavam de forma trágica. Ainda havia aqueles contos em que, embora poucos, terminavam de forma feliz e até mesmo engraçada. Mesmo repetindo-se em entidades fantasmagóricas, cada autor soube dar um toque especial à sua história, fosse fantasma, vampiro, lobisomem ou até extraterrestre, cada um teve um ponto de partida diferente e um desfecho deveras surpreendente.

"A traqueia travou junto ao diafragma, junto às pernas, junto aos sentidos. O pavor! Medo. Tentava falar, dos olhos escorriam as lágrimas de terror, estava já tonta, querendo morrer!"
(pág. 154)

Marcas na Parede cumpriu com a proposta de despertar o horror e, talvez se eu o tivesse lido sozinha, no meu quarto, tarde da noite, eu também tivesse ficado com mais medo. Então, minha dica é lê-lo em locais públicos, à plena luz do dia; você ainda se surpreenderá com muitas histórias e desconfiará, não só da natureza humana, como também de outras (lembrem-se dos ETs!), sobre até que ponto estamos dispostos a ir por qualquer coisa. O lado sombrio é amplamente explorado, os piores medos colocados em xeque, e muitas tragédias cercam os pobres personagens que se arriscam ao desconhecido.
Você vai torcer para que eles se livrem das coisas que, evidentemente, não estão certas; vai roer as unhas como em qualquer filme de terror e suspense, tudo para garantir um final feliz. Eu, por tanto prezar por finais felizes, mais do que nunca, desejei que fossem apenas terrores e pesadelos que pudessem ser desligados com a facilidade de um piscar de olhos. Mas nem sempre é assim e acredito que tenha sido mais divertido e interessante dessa forma.
Eu adorei a leitura, mais uma antologia que entrou para as minhas favoritas e mostrou o talento e a imaginação maravilhosa que possuem nossos autores, iniciantes ou não. Vale à pena conferir, pois são histórias excepcionais e que exploram arduamente todas as facetas do terror, nos surpreendendo e nos aterrorizando de todas as maneiras possíveis.
Uma pequena ressalva: eu acho que a capa deveria ter sido um pouco mais clara. A imagem utilizada nessa resenha está numa tonalidade favorável, mas a do meu exemplar está escura demais e demorou certo tempo até que eu distinguisse todos os elementos que a compunham. Por conta disso, até o título acabou ficando um pouco apagado, seria algo que eu mudaria. Mesmo assim, quando finalmente compreendemos a capa, dá para ver que ela tem tudo a ver com a proposta da antologia e dos contos apresentados nela. Andross, novamente, arrasou!

"(Aceitar a realidade é muito difícil. Voltar para ela, então, é um terror)."
(pág. 46)

Nota:



8 comentários:

Roseneia Santos disse...

Nossa,é muito autor para um livro só,rsrs!
Assistir muito a filmes de terror hoje em dia não assisto imagina ler,não curto muito,mas parece que é uma leitura divertida,minha cunhada mim deu também essa dica anotar o que chamou atenção,gostou fica fácil de lembrar da história!
Beijinss!

Edna Dias disse...

Adoro estórias de terror.
e legal este livro por renuir estórias com elementos mais simples e comuns até os mais complexos e malucos, hehe
Adorei e muito.
Bjs

Larissa Oliveira disse...

Sou uma medrosa assumida. Por mais que tenha muita vontade de ler um livro de terror, ainda não tomei coragem. Acho que nem ler de dia em um local público vai ajudar.
Adorei a resenha. A Andross sempre arrasa nas antologias, né?
Beeijo!

Ana Karina Silva disse...

Que legal! Adoro antologia de contos. Essa aí parece ser bem interessante.
Eu te indiquei para uma tag: http://daliteratura.wordpress.com/2014/03/06/tag-doencas-literarias/
Beijo.
Ana Karina

Mallu Marinho disse...

Adoro essas obras da Andross que é mais uma coletânea acerca de um tema. Acho que eu gostaria desse em especial porque adoro contos de terror. Por ser conto deixa de fato a gente com gostinho de quero mais por ser curto e creio que não conseguiria ler mais três contos por dia só pra poder me deliciar com eles.
A capa está mesmo estranha... Eu também mudaria essas cores e até mesmo a imagem. O livro pode ser o mais legal do mundo, mas com uma capa feia não atrai ninguém ):

nathalia silva disse...

Não sou muito de ler contos, acho que li até hoje apenas dois ou três, nem lembro. kkk Acredito que a Andross sempre procura divulgar livros de contos para divulgar os talentos nacionais, até mesmo você se impressionou com a criatividade de alguns autores deste livro né? Isso é bom, agora, confesso que não sei se lerei esse livro já que, como você disse, os autores exploram os nossos piores temores para comporem suas histórias. não sei não...kkkk

Desbravadores de Livros disse...

Eu nunca li nenhuma antologia da andross, Vê.

Mas essa parece bem instigante, sangue e morte é sempre atrativo para o sucesso.

M&N | Desbrava(dores)
de livros
- Participe do nosso Top Comentarista

Veezinha disse...

Super obrigada pela indicação, Ana! Espero que você tenha gostado das minhas respostas; adorei as suas! *-*


xx