segunda-feira, 24 de março de 2014

#Resenha: O Duque e Eu - Julia Quinn

O Duque e Eu (Os Bridgertons #01)
Autora: Julia Quinn
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 288

"Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas. Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível. É quando entra em cena Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo.
Apesar de espirituosa e dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga. A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta.
Mas, à medida que a farsa dos dois se desenrola, o sorriso malicioso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento. Agora ela precisa fazer o impossível para não se apaixonar por esse conquistador inveterado que tem aversão a tudo o que ela mais quer na vida."

Compre: Saraiva | Submarino

Este livro foi cortesia da editora Arqueiro.

A família Bridgerton é composta por 8 filhos que, curiosamente, foram batizados em ordem alfabética: Anthony, Benedict, Colin, Daphne, Eloise, Francesca, Gregory e Hyacinth, além da matriarca, Violet.
Em O Duque e Eu, acompanhamos Daphne, a mais velha das filhas que já encontra-se em idade para se casar. Sendo assim, sua mãe a arrasta para todas as festas da alta sociedade inglesa e a apresenta a todos os pretendentes solteiros possíveis, o que acaba tornando-se uma verdadeira tortura. Do outro lado, temos Simon Basset, único filho do Duque de Hastings que, após uma infância complicada, tornou-se um homem frio e solitário, embora tenha ganhado fama de libertino e também a atenção do círculo social do qual Daphne faz parte.
Em um mundo pequeno como só, Simon e Anthony são melhores amigos da época da escola, mas ele não faz ideia de quem sejam os outros Bridgertons, por isso, quando esbarra logo em Daphne numa festa, tentando livrar-se de um pretendente inconveniente, Simon logo percebe que a família de seu melhor amigo não tem nada de casual; pelo menos não de acordo com tudo o que ele presenciou em sua própria vida.
Com três irmãos mais velhos, Daphne não se considera nada além de uma mulher que os homens fazem questão de ter como companhia, mas jamais a enxergariam como partido para casar. Isso, ao mesmo tempo em que a aborrece, por desejar formar uma família, também a torna independente e determinada.

"E então o duque começou a pensar na criação do filho.
Não pôde fazer muito no primeiro ano. O bebê era jovem demais para palestras sobre administração de terras e responsabilidade, de modo que o duque o deixou sob os cuidados de uma ama e foi para Londres, onde sua vida continuou praticamente como era antes de ele ser abençoado pela paternidade." 
(pág. 9)

Simon, no entanto, logo pensa em um plano que vai poder beneficiar tanto a ele próprio quanto a Daphne: se fingir cortejá-la, ele estará escapando das mães e suas filhas solteiras, bem como transformará Daphne em uma dama em potencial para ser desposada por aqueles que, até então, não tenham notado seu valor.
A moça concorda com a proposta sabendo que há algo a mais no sério Duque de Hastings, principalmente por ele afirmar com veemência que jamais se casará ou terá filhos. Mas, então, o que é aquele desejo selvagem que ela vê cintilar em seus olhos azuis magníficos? Estariam esses sentimentos direcionados a ela?
Toda a sociedade não perde por esperar pela novidade, inclusive uma tal de Lady Whistledown, colunista do jornal homônimo e que escreve notas com os detalhes das festas e não deixa de fazer suas observações ácidas. Todos aguardam ansiosamente pelos jornais para saberem se serão vítimas dessa misteriosa escritora que parece possuir espiões em todos os lugares de Londres e das redondezas.

"Homens são como ovelhas. Aonde um vai, logo os outros vão atrás.

Crônicas da sociedade de Lady Whistledown,
30 de abril de 1813" 
(pág. 96)


Aos poucos, Daphne percebe que, apesar de tudo, talvez Simon seja o único a tocar seu coração como ela sempre desejou que seria; ele, por outro lado, não parece se sentir muito diferente, embora relute ao máximo, ainda extremamente magoado com o seu passado e incapaz de acreditar que pode, um dia, ser feliz no instituto do matrimônio.
Dois personagens determinados, com perspectivas diferentes de felicidade, mas que parecerão cada vez mais ligados um ao outro, encontrando a paz e o conforto nos sorrisos e olhares e na imensa vontade de tocarem-se, além de estarem cercados por regras severas que regem a sociedade dos anos 1800 e três irmãos mais velhos dispostos a defenderem a honra da irmã a qualquer custo.
O Duque e Eu foi minha primeira leitura do gênero de romances de época e eu me apaixonei logo de cara. A autora possui uma escrita deliciosa e muito bem humorada, as atitudes dos personagens são divertidas, tornando a leitura rápida e muito engraçada. O mais fascinante disso tudo é a sociedade que serve de pano de fundo para o enredo. São muitas regras recatadas e há muito cuidado para que determinados segredos fiquem longe dos ouvidos das moças mais jovens e que só sejam descobertos quando a hora do casamento chegar.

"Percebeu que errara ao não se dar conta de que o amigo também crescera. Anthony tinha responsabilidades com as quais Simon nem sequer sonhara. Tinha irmãos para orientar, irmãs para proteger. Simon tinha um ducado, mas Anthony tinha uma família." 
(pág. 102)

A escolha da autora para Daphne estrear a série que leva o nome de sua família foi muito especial, pois ela é a primeira filha. E, como citado anteriormente, existem muitas regras e segredos, então entramos nesse mundo do flerte e do matrimônio junto com a jovem mulher, descobrindo com ela tudo o que, até então, era um enorme mistério. Achei extremamente divertida a falta de noção de Daphne sobre alguns assuntos que hoje, para nós, são conhecidos até por algumas crianças (!). E acho que esse foi um dos aspectos que mais encantou.
Com muitas tiradas cômicas, principalmente com toda a expectativa para descobrirmos quem é Lady Whistledown, a Gossip Girl do século XIX, O Duque e Eu é uma leitura a ser devorada com muitas risadas e suspiros. Afinal, quem é que não gostaria de um duque ao seu lado, mostrando-lhe o que há de melhor na vida? A sensualidade transborda das páginas, mostrando que, nesse cotidiano, menos é mais. Pequenos atos tornam-se proibidos e flertes são poderosos.
A edição da Arqueiro está totalmente impecável, sem qualquer erro de revisão e a capa é maravilhosa. Eu terminei esse livro já extremamente ansiosa pelos próximos, que retratarão, cada um, um filho Bridgerton. Preciso destacar meu fascínio pela matriarca, Violet Bridgerton: uma mulher, por vezes insistente, mas que sabe colocar ordem na casa, principalmente quando se trata de proteger pretendentes em potencial para a filha da fúria de seus três filhos mais velhos e super protetores em relação à irmã. Isso só deixa a história ainda mais divertida e fofa!
Em suma, O Duque e Eu é uma leitura perfeita e romântica, deliciosa e rápida de ser devorada, além de muito divertida e sensual. Altamente indicada para aqueles que estejam à procura de um livro descontraído, mas, ainda assim, recheado de amor, familiar ou não.

"E o que eram essas intimidades? Daphne suspeitava que tivessem alguma coisa a ver com o ato de beijar, já que toda a sociedade parecia tão determinada a garantir que as jovens mantivessem os lábios puros e castos." 
(pág. 180)


Nota:



13 comentários:

Jullyane Prado disse...

Oie Vê!!! Estou louca pra ler esse livro, amo romances de época e lógico que um livro romântico e muito bem escrito deve ser incrível de ser lido!!!!!! A capa é linda!!! Beijos!

Meu Diário

Luh_Morais disse...

Preciso ler esse livro!!!!! *---* Tem uma super cara de Jane Austen (o que só faz com que tenha ainda mais vontade de ler!!)

Franciele de Santana disse...

Eu sou uma romântica incorrigível, adoro livros de época, quem nunca sonhou em ser um membro da nobreza ou ter um ao seu lado, esta série já está na minha lista há algum tempo e quero muito ler.

Roseneia Santos disse...

Romance épico amo de paixão,não vejo a hora de fazer aquisição dos três volumes da série Os Bridgertons!
Beijinss!

nathalia silva disse...

Realmente dei muitas risadas lendo esse livro, gosto bastante dele. Já faz algum tempo que li mais não esqueço a história- se bem que até agora o segundo livro pra mim foi o melhor. Com certeza recomendo a leitura, é um livro leve, tranquilo, fofo e cativanteeeeeeeeee. Sem falar, que a capa é a mais bonita ao meu ver, apesar de todas terem o mesmo estilo e tal.

Desbravadores de Livros disse...

Antigamente, não tinha muita coisa a se fazer, então, procriar, era a melhor forma de distração hahaha. O livro já começou com detalhes bem precisos, fazendo ligação da época antiga com a realidade vivida.

Não sou muito apaixonada por romance não. Aquela coisa Nicholas Sparks não faz meu estilo, mas não sei dizer o motivo, esse trabalho da arqueiro tem me chamado a atenção. Eu leria :D

Veezinha disse...

Ixe não tem naaaaaada a ver com Nicholas Sparks, é totalmente diferente, mais fofo e mais divertido. Vai por mim, você vai amar! A Julia Quinn tem uma escrita deliciosa! Vale muito à pena conferir! *-*


xx

Gisele Pereira disse...

AI MDS, oq fazer agora com a vontade imensa de lê-lo!? rsrs A-M-O livro de época =DD <3

Andreana Marques disse...

Pela sua resenha vejo que a Julia Quinn tem uma escrita maravilhosa e divertida mesmo. Gosto muito de romances de época, e esse em questão só vejo comentários/resenhas positivas.
Vejo que a autora criou um enredo preciso para a história.
Achei bem intrigante sobre quem é Lady Whistledown *u* kkk
Adorei a resenha, bastante detalhada, beijos!

Jaqueline Felix disse...

Gosto muito de romances de época e esse já faz um tempo que está na minha lista "livros que vou ler um dia". Me imagino vivendo em outra época e contexto, porque sinceramente muitas vezes me sinto deslocada nesse mundo louco atual.

Talvez você também goste do romance histórico Ligeiramente Casados, de Mary Balogh. A heroína é igualmente forte e com personalidade e o livro em si também guarda essa sutileza e lirismo que percebo que "O Duque e Eu" possui.

Milena Soares disse...

Amo romance de época, essa série é ótima, gosto muito da escrita da Julia Quinn, quero ler todos os livros dessa série.

Aline Ramos Costa disse...

Eu amo de paixão o trabalho da Julia... e essa e a minha série favorita dela.. Fioquei em êxtase quando soube que a Arqueiro ia lançar o lviros dela aqui.. Foi um maravilhoso preente.. Essa família é incrível, além do que Simon e Dapnhe são uma casal fofo e com uma química incrível.. E concordo com vc, Violet é uma mulher admirável... foi um bônus quando descobri que a editora vai lançar o livro que conta a história dela e o marido, no final da saga. <3

JessicaLisboa disse...

Esse é o livro que mais quero ler, pois é o que mais me chamou atenção de todaa serie, ele me pareceu ser muito bom (alem do que eu adoro romance historico) espero telo logo!