sexta-feira, 13 de junho de 2014

#Indicação - Filme: Oz, Mágico e Poderoso


Oz: Mágico e Poderoso (Oz: The Great and Powerful) - 2013

Oscar Diggs (James Franco) trabalha como mágico em um circo itinerante, é bastante egoísta, mas é seu envolvimento com mulheres que o acaba levando para uma mágica aventura na Terra de Oz. Chegando lá, ele conhece a bruxa Theodora (Mila Kunis), que o apresenta para a irmã Evanora (Rachel Weisz). Acreditando que estaria fazendo um bem para a população local, ele decide enfrentar a bruxa Glinda (Michelle Williams), mas descobre que ela lembra um amor do passado e seu comportamento em nada se assemelha ao de alguém realmente malvado. Dividido entre saber quem é do bem e quem é do mau, Oscar se depara com um lugar rico em belezas, cheio de riquezas, estranhas criaturas e também mistérios. Vivendo este conflito, o ilusionista vai usar sua criatividade para salvar o tranquilo povo de Oz das garras de um poderoso inimigo. Para isso, contará com a inusitada ajuda de Finley, o macaco alado, e uma menina de porcelana.

Compre: Saraiva | Submarino


Oz: Mágico e Poderoso precisou de uma segunda chance, pois, de primeira, o filme me pareceu extremamente chato, entediante e mal chegou à sua segunda parte, eu já tinha mudado de canal. No entanto, resolvi tentar novamente e, dessa vez, assisti com um pouco mais de calma. Logo no começo, temos a imagem de um filme antigo: em preto e branco e com a largura da tela reduzida, temos a verdadeira impressão de que o filme será assim o tempo todo.
Mas não se aflija, pois tudo mudará uma vez que Oscar pousar na Terra de Oz. Após ser pego por um tornado em um balão que usava para fugir de um valentão do circo em que ele trabalhava, Oscar vai parar em uma terra completamente diferente e muito, mas muito colorida. É nesse momento que a tela do filme se expande e a cor retorna, muito viva e nítida (dá até dor de cabeça).


Para quem não sabe, a história de Oz: Mágico e Poderoso é inspirada no livro de L. Frank Baum, que se passa antes de O Mágico de Oz (que você pode conferir a resenha aqui), ou seja, essa é a história de como Oz em si foi parar na terra que leva o mesmo nome que ele. É uma premissa muito interessante, pois eu mesma não conhecia essa parte, afinal, sempre pegamos o momento da Dorothy e Totó, mas quase nunca temos a oportunidade de conhecer o que veio antes da chegada da menina a Oz.
Com esse filme, podemos entender como as bruxas foram parar no leste e oeste da Terra de Oz, qual é a participação da bruxa boa e, principalmente, conhecemos com que tipo de pessoa estamos lidando ao conhecer Oscar. Porque ele não é só um habilidoso mágico ilusionista, mas também um charlatão bem cara de pau.
Assim que ele pousa de um modo nada sutil em Oz, Oscar é recepcionado pela doce Theodora, que rapidamente acredita tratar-se da realização de uma profecia, onde um mago poderoso chamado Oz (na verdade, o apelido de Oscar) chegaria à Terra de Oz para guiar e salvar seu povo. Interessado no que essa tarefa poderá lhe trazer de poder e riquezas, Oscar não faz a menor questão de corrigir Theodora, ressaltando que ele não é um mágico de verdade, mas apenas um ilusionista.
Eles seguem para a Cidade das Esmeraldas para que Oz tome seu lugar de direito e, no caminho, acabam por salvar um macaco alado que, então, passa a ser o confidente e fiel escudeiro de Oz. Chegando ao grande castelo todo verde, eles conhecem Evanora, irmã de Theodora e que cuidava da cidade até então. Não se deixando enganar tão facilmente quanto a irmã, Evanora testa Oz de todas as formas e o coloca em uma missão: destruir a bruxá má, Glinda, que matou o próprio pai para ficar com o trono para ela.
No entanto, a caminho para matar a bruxa e, finalmente, ter toda a riqueza de Oz só para si, Oscar se depara com muitos indícios de que talvez tenha sido enganado e os lados do bem e do mal estejam trocados. Ao trazer uma boneca de porcelana para junto do grupo e finalmente ficar cara a cara com Glinda, Oz terá de decidir se ele quer realmente fazer o bem e deixar sua vida de charlatão para trás.
Apesar de o filme demorar um bocado para pegar no tranco e tornar-se interessante, gostei de ter dado uma nova chance a ele, pois pude entender melhor como as coisas se ajeitam da forma como Dorothy as encontra posteriormente. Sem contar que as atuações deste filme estão excepcionais e, apesar de todo o cenário extremamente louco e muito colorido, preciso ressaltar a qualidade da computação gráfica que, nesse caso, foi imprescindível para o cenário e seus vários personagens, como o macaco alado e a boneca de porcelana.
Não se assuste com o tom levemente doido e absurdo da história, afinal, se você conhece O Mágico de Oz, vai entender que a loucura é uma constante nas histórias de Baum e esse nem foi um ponto que chegou a incomodar, o que achei que aconteceria. E uma coisa que eu achei fantástica é que o filme praticamente deixou um bom gancho para uma nova parte, dessa vez, do próprio O Mágico de Oz. E posso dizer que eu adoraria vê-lo nesse formato mais atual e tecnológico, sem ser necessariamente um musical, como o foi a famosa adaptação da MGM. Acredito que, se eles mantiverem essa pegada, será um grande filme e eu com certeza irei assistir!
Então, se você achar o começo do filme chato, persista, pois fica bem legal depois que ele chega a Oz; além disso, embora existam muitas coisas malucas, é muito interessante ver como Oscar irá se comportar ao longo da história, as mudanças que aguardarão o ilusionista espertinho. É uma boa indicação para algo diferente e, claro, uma adaptação super bacana de um clássico da literatura infantil. Estou realmente ansiosa para que façam um novo filme, dessa vez, com a história de O Mágico de Oz, acho que vai ficar incrível!

Nota:



6 comentários:

Raquel Pereira disse...

Ah, eu adorei Oz, mágico e poderoso.
Sem contar que sou apaixonada pelo james Franco e acho que o papel caiu muito bem pra ele.
Também fiquei aflita no começo do filme porque pensei que seria todo com aquele aspecto antigo.

Bjok

Monica Navarro disse...

Ainda não conhecia esse livro, mas achei bem interessante o enredo, pois só conhecia a história do Mágico de Oz a partir da Dorothy e do Totó. Gostaria de assistir.

Érika Rufo disse...

Eu adorei o filme. Só conhecia a parte da Dorothy e gostei muito de conhecer o início da história. Também adoraria que tivesse um outro filme, com a história do Mágico de Oz mais atualizada e modernizada. Eu assistiria!


Beijos!!

Franciele de Santana disse...

Por incrível que pareça inda não confiri vários dos contos infantis como também as adaptações cinematográficas, mas fiquei encantada pelo história, e essa resenha foi um lembrete para que eu possa acompanhar e conhecer os clássicos da literatura.

Luciana Campos disse...

Bom, assisti esse filme logo quando estreou no cinema, e tal como você não gostei muito dele no início, mas com o desenrolar da história comecei a gostar mais...
Adorei as atuações da Mila Kunis e do James Franco (adoooooro ele <3), e achei a boneca de porcelana linda, o filme em si foi muito bem feito, valeu a pena assistir.

Luana Gantert disse...

Esse filme está na minha lista "filmes que quero ver" desde que lançou mas nunca tive disposição para vê-lo, mesmo gostando muito dos filmes que o James Franco atua. Gostei dessa resenha e acho que vou parar esse final de semana para assisti-lo.