segunda-feira, 30 de junho de 2014

#Resenha: O Misterioso Caso de Styles - Agatha Christie

O Misterioso Caso de Styles (Hercule Poirot #01)
Autora: Agatha Christie
Editora: Best Bolso
Número de páginas: 238

"O primeiro e um dos mais famosos mistérios solucionados por Hercule Poirot, o caso Styles começa quando uma aristocrata inglesa morre trancada em seu quarto, vítima de um aparente ataque cardíaco. A coisa ficaria por aí, não fosse a suspeita de envenenamento levantada pelo médico da família."



Sempre gostei de ler livros em ordem, seja ele o primeiro publicado pelo autor ou o primeiro de uma série, é imprescindível que eu tenha esse controle e acompanhamento sobre os personagens que serão retratados. Com a Agatha Christie não poderia ter sido diferente. Na falta de disponibilidade de seu primeiro livro publicado e, também, primeiro título com o seu detetive mais famoso, O Misterioso Caso de Styles teve um longo processo para ser encontrado e, finalmente, lido. Por isso as resenhas com os títulos de Miss Marple vieram primeiro.
Mas, uma vez em mãos, eu mal podia me aguentar de ansiedade para conhecer o tal detetive Hercule Poirot de que todos falavam tão bem. E foi interessante, pois, assim como quando comecei a ler Sherlock Holmes do começo, notei muitas semelhanças entre Sherlock/Watson e Poirot/Hastings. A começar, é o fiel escudeiro Hastings que narra essa história (como Watson costuma narrar suas aventuras com Sherlock) e seu amigo é excêntrico e muito divertido.
Arthur Hastings é convidado para passar um tempo na mansão Styles, uma enorme propriedade de uma senhora muito rica cujo enteado é seu conhecido de longa data. Porém, ao chegar lá com a promessa de um momento de descanso, Hastings é surpreendido com um ambiente de crescente tensão, principalmente entre o novo marido da Sra. Inglethorp e a criada dela, Srta. Evelyn Howard. O desconforto é visível e grandes preocupações surgem quando a dona da casa é encontrada morta em seu quarto, completamente trancado por dentro.
Com o que andou escutando pela casa, Hastings está certo de que esse mistério só pode ser resolvido pelo seu grande amigo Hercule Poirot e, com a permissão de seu amigo, John Inglethorp, ele chama Poirot para investigar e, assim, evitar que a imprensa fique sabendo do acontecido, principalmente quando surge a suspeita de envenenamento que recai sobre John.

"Tratamos de examinar, investigamos com cuidado. Até, por fim, encontrarmos o fato mínimo e curioso, o pequeno detalhe aparentemente insignificante, que não estava se ajustando ao todo." 
(pág. 43)

Poirot é um homem peculiar. Baixinho, extremamente metódico e obcecado por organização, ele ostenta bigodes que arruma meticulosamente, principalmente quando está pensando. Atento aos detalhes, ele não suporta ver qualquer sinal de caos, o que pode deixá-lo muito nervoso. De origem belga e tendo trabalhado muito com a Scotland Yard para solucionar vários crimes, ele já possui certa reputação, embora seu comportamento imprevisível e métodos de investigação não inspirem muita confiança.
Rapidamente Hastings lhe faz um relato detalhado sobre o que presenciou na casa em sua estadia até o fatídico momento da morte da Sra. Inglethorp e então os dois começam a trabalhar. Questionam empregados, membros da família, observam a linha do tempo dos eventos ocorridos naquela noite e aonde estava quem naquele momento. Entram no quarto e observam tudo do chão ao teto e, embora grande parte da observação dos fatos fique por conta de Poirot, devo dizer que Hastings se comporta como tolo porque quer.
Ex-membro do exército, Hastings é um ótimo ouvinte para as divagações de Poirot, mas não muito atento para acompanhar o raciocínio do amigo com a precisão de que ele necessita, efetuando, inclusive, perguntas bem óbvias e bobas. Sendo o narrador dessa história, é natural que ele queira deixar o mais claro possível para o leitor tudo o que está acontecendo, anexando, inclusive, desenhos e mapas dos lugares em que ele e Poirot adentram.
Tudo isso é ótimo para ajudar a visualizar a planta da casa e nos dar uma ideia de onde cada personagem se posiciona para os acontecimentos. São desenhos simples, como plantas baixas, que ocupam uma página inteira, às vezes até duas, um toque especial que me deixou muito animada e me ajudou bastante na imaginação.

"Subimos para o quarto. Eu já ia falar quando Poirot me deteve, com um gesto da mão:
- Agora não, mon ami. Preciso pensar um pouco. Meus pensamentos estão em desordem... o que não é nada bom." 
(pág. 97)

O Misterioso Caso de Styles é uma leitura ágil, cheia de mistérios e que, novamente, conta com enormes reviravoltas durante a narrativa que me pegaram de surpresa. Apesar de já ter me deparado em outros livros com essa tática de construção de enredo e solução de mistérios da Agatha, não posso evitar ficar extremamente surpresa com os desfechos. E, mais uma vez, um grande problema que encontro é a quantidade imensa de personagens para decorar os nomes e saber diferenciá-los conforme a história se desenrola. É uma verdadeira salada mista até me acostumar com todos eles.
Eu gostei da edição da Best Bolso, apesar de ter capa molinha e sem orelhas, mas encontrei alguns erros e a impressão ficava às vezes bem falha e estranha, talvez por conta da fonte escolhida. No mais, é uma ótima leitura e eu me apaixonei logo de cara pelo universo de Poirot.
Seus métodos são parecidíssimos com os de Sherlock Holmes (não pude evitar comparar rs) e ouso dizer até que o belga baixinho é bem mais engraçado, com suas observações e "mon ami" daqui e "mon ami" dali. Muito interessante ter diversas expressões utilizadas por ele em francês mantidas originais. Dá um toque de classe à narrativa e nos ajuda, sem dúvidas, a nos inserirmos à época em que a história se passa e, claro, aos costumes, principalmente da classe abastada que este livro especificamente foca-se em retratar.
Adorei a narrativa, super leve e fluida e Hastings é um bom personagem também, ele é o perfeito equilíbrio para a personalidade estranha de Poirot. Para mim, foi incrível ter a oportunidade de ler não só o primeiro livro em que Poirot aparece, como o primeiro título da autora publicado. A espera e a busca por ele valeram à pena e, agora, só preciso ter mais um pouco de paciência para procurar os próximos títulos em que figuram Poirot e Hastings. Seria ótimo se todos fossem de uma editora só!

"- Apesar de tudo, você está certo numa coisa, Hastings. Deve-se sempre desconfiar de todos, até se provar, de forma lógica e plenamente satisfatória, que são inocentes." 
(pág. 136)

Nota:

Curiosidade:

Houve uma série de TV inspirada nas histórias de Poirot que, inclusive, levava seu nome, e que foi exibida de 1989 a 2013, com 13 temporadas. Assim que terminei de ler O Misterioso Caso de Styles, pedi a um amigo para assistir ao episódio correspondente a essa história, que foi exibido em 1990. Apesar de várias diferenças, foi muito legal ver os personagens ganharem vida e ainda numa produção tão antiga! Com episódios de 1h30 de duração, vale à pena conferir essa adaptação que foi muito bem feita, embora seja pouco conhecida.




10 comentários:

Luh_Morais disse...

Vê, me explica por que eu fico arrepiada quando leio qualquer coisa falando sobre a Agatha Christie? Hahahaha! Preciso muito ler esse, li quase todos do Poirot, inclusive o último (i.i) e não li O Misterioso Caso de Styles ainda, acredita? Agora estou na fase Miss Marple, termino hoje Cem Gramas de Centeio!!

Monica Navarro disse...

Acho, que depois de Sherlock Holmes, Poirot é o detetive mais famoso. Tenho muita vontade de ler os livros da Agatha Christie e conhecer seus famosos personagens.

Raquel Pereira disse...

Nossa, Agatha realmente é diva do romance policial, adoro os livros dela. E Poirot realmente é um de seus melhores personagens. Concordo com esse lance de que muitos personagens deixa um pouco dificil a fixação dos mesmos. Mas sempre são excelentes histórias.


Bjok

Desbravadores de Livros disse...

Esse posso falar por experiência própria, Vê: é maravilhoso. Ele foi o primeiro livro da Agatha que li e foi o que fez eu me encantar pela escrita dela.
Realmente é um livro com bastante personagens e você fica meio confuso no começo; mas o final compensa e muito.
Adorei a resenha!!!

Ricardo Biazotto disse...

Vê, como você bem sabe, a Christie é uma das minhas autoras favoritas, assim como o Hercule Poirot. Insisti muito que você conhecesse esse personagem, que acho muito superior ao Sherlock, e fiquei feliz agora ao saber que você gostou não apenas dele, como também dessa parceria com o Hastings. Infelizmente essa grande quantidade de personagens do livro da autora é sempre um problema, mas o que importa é que todos os enredos são surpreendentes e, mais do que isso, todas as leituras são inesquecíveis.
Esse não foi o primeiro lido, mas me lembro bem da experiência e não tenho do que reclamar, assim como percebo que você também não tem, pela nota final. A única coisa que preciso dizer é que ler essa resenha me deixou com uma vontade enorme de uma nova leitura com o Poirot, assim como já aconteceu com nossas conversas sobre a autora, os livros e os personagens.


Beijos,
Ricardo - www.overshockblog.com.br

Érika Rufo disse...

Esse é um dos meus livros favoritos da Agatha Christie. Adoro os livros em que o detetive Poirot aparece, ele é realmente muito divertido. Deu até vontade de ler um livro da Agatha agora...


Beijos!!

Franciele de Santana disse...

Fiquei com grande expectativa de ler os livros da Agatha não apenas por Poirot mas por sua escrita tão elogiada, li a outra resenha que tem como investigadora a Miss Marple e cada vez cresce a vontade de ler.

Luana Gantert disse...

Mesmo tendo gostado muito de "O misterioso caso de Styles" , não acho um dos melhores do Poirot. O que acho mais engraçado no Hastings é que quando ele expõe uma opinião e ela parece com a sua, pode ter certeza que você está indo pelo caminho errado hahaha. Espero que goste ainda mais dos próximos como eu :D

Luciana Campos disse...

Oi, Vê, tudo bom?
Já percebi que você adora Agatha Christie, pois sempre vejo alguma resenha sobre algum livro dela por aqui ^^
Não sou muito fã dela, mas confesso que achei esse um poouco mais interessante do que os outros :)

Luh_Morais disse...

Oohh *-----* Espero que sim hahahaha!
Acho que vou comprar aquela edição da editora Globo pra ter pelo menos um exemplar deles hahahha
Vale!! Cada momento de busca é um prazer e quando os adquirimos é quando você percebe que dinheiro traz felicidade! ;D