sexta-feira, 20 de junho de 2014

#Resenha: Um Corpo na Biblioteca - Agatha Christie

Um Corpo na Biblioteca (Miss Marple #03)
Autora: Agatha Christie
Editora: Nova Fronteira/Saraiva de Bolso
Número de páginas: 182

"Miss Jane Marple, ligando acontecimentos triviais da aldeia com problemas mais graves, desvenda o mistério do cadáver de uma moça encontrado na biblioteca do coronel Bantry."


Resenhas anteriores:

De volta com mais um mistério, Miss Marple, dessa vez, investiga a morte de uma jovem que foi encontrada na biblioteca do coronel Bantry. Claramente deixada lá para incriminar o coronel, sua agitada esposa logo convida Miss Jane Marple para a observação e possível resolução deste crime.
Não levada muito a sério pela polícia e nem pelos próprios moradores de St. Mary Mead, Miss Marple sabe como fazer uma boa investigação; sempre atenta aos detalhes e fazendo perguntas estranhas, além de paralelos com situações de que se lembra, a simpática senhora rapidamente se inteira da situação e passa a atuar em segundo plano, sempre à convite da esposa do coronel.

"- Mas você é ótima em assassinatos. Ela foi estrangulada, sabe? Já que houve um assassinato na minha própria casa, é melhor pelo menos me divertir com isso." 
(pág. 15)

Acontece que a vítima era dançarina de uma espécie de spa de luxo não muito longe dali e toda a situação, desde o seu sumiço até a maneira como foi encontrada, é cercada de estranheza e muito mistério. Alertados sempre pelo Sr. Jefferson, que tinha um grande apreço pela jovem, a polícia não parece ligar muito para as suspeitas de um velho aleijado e que aprisiona a nora e o genro mesmo anos depois de seus filhos terem falecido em um acidente de avião, do qual ele foi o único sobrevivente.
O relacionamento entre a jovem Ruby e o Sr. Jefferson sempre levantou muitas suspeitas, afinal, o velho era muito rico e podia mudar seu testamento a qualquer momento, principalmente quando tratava essa completa estranha como uma filha. Todos são suspeitos, inclusive a única amiga de Ruby, Josie, que originalmente era a dançarina do clube e, após um pequeno acidente, teve de ceder seu lugar de destaque.
Com várias pessoas de testemunhas dos últimos momentos em que Ruby foi vista com vida, parece que a linha cronológica está mais longe de ser estabelecida do que nunca. Quem estará mentindo sobre quem fez o quê e a que horas?

"- (...) Digamos que estivesse no momento perto do portão de uma casa grande. Ocorreu-lhe a ideia de que se fosse encontrada ali, o cerco ao criminoso seria centralizado em torno da casa e de seus moradores, e ele ficaria comodamente fora da história." 
(pág. 72)

Apesar de Miss Marple não estar constantemente presente na história, percebemos que, pouco a pouco, ela vai construindo sua própria linha investigativa. Como sempre, completamente contrária ao que pensa a polícia, Miss Marple descobre detalhes que, aos olhos dos investigadores oficiais, poderiam ser explicados de forma simples, mas equivocada.
É de se esperar que essa velha solteirona tenha seus métodos, embora baseiem-se simplesmente em observação e questionamentos. Incrível como as peças do quebra-cabeças começam a se encaixar, mas não muito antes que Miss Marple dê seu veredicto final. Como já tornou-se rotina ao ler Agatha Christie, seus mistérios possuem muitos suspeitos e poucas pistas que eliminem pessoas completamente da desconfiança.
Nada impede que, uma vez que você pense estar na pista certa, uma enorme reviravolta ocorra e suas convicções caiam por terra. E quando mais uma jovem moça é encontrada morta em outro ponto das redondezas de St. Mary Mead, percebe-se que, talvez, haja muito mais por trás de tudo isso do que as testemunhas e os envolvidos estão contando.
Miss Marple, no entanto, é inabalável e chegará ao fundo dessa história, mesmo que tenha de montar uma armadilha para flagrar a verdadeira mente criminosa por trás desses assassinatos.

"As pessoas mais inverossímeis, sabia ele, escreviam contos policiais. E Miss Marple, com suas roupas de solteirona fora da moda, parecia uma pessoa singularmente fora do comum." 
(pág. 96)

Mais uma vez, Agatha Christie surpreende com o intrincado enredo e, apesar de Miss Marple não ser uma personagem constante na narrativa, que se dá em terceira pessoa, é inacreditável o que essa senhora consegue perceber e, melhor ainda, os paralelos com outras situações que ela já conhecia que, podem não fazer muito sentido no começo, mas depois encaixam-se perfeitamente!
Eu senti muita falta da Miss Marple, penso constantemente que ela poderia ter ficado mais próxima de toda a investigação e ter aparecido mais. O momento em que ela elucida o mistério é o de maior aparição e, então, quando já estamos na expectativa de uma resolução definitiva, ela aparece e resolve tudo. Parece até mágica e, caso você já tenha lido outro livro com a Miss Marple, sabe que, no final, ela descobrirá tudo e de maneira surpreendente.
Apesar de uma revisão horrível, com vários acentos agudos faltando e outros problemas, Um Corpo na Biblioteca foi instigante do começo ao fim. A edição que comprei, de bolso, possui letras extremamente pequenas, o que pode deixar a leitura desconfortável, mas foi a única edição que consegui encontrar para adquirir. Essa versão está totalmente reprovada no que diz respeito a diagramação e revisão, mas, pela história, vale à pena se irritar um pouquinho pela falta de profissionalismo tanto da editora Nova Fronteira, quanto da própria Saraiva que pouco se importaram em dedicar o devido respeito a uma autora excepcional como Agatha Christie.
No mais, novamente fiquei encantada com a perspicácia de Miss Marple, o que só me deixou ainda mais admirada pela velhinha simpática. Foi uma nova história, um novo mistério, mas já começo a me familiarizar com os personagens de St. Mary Mead e, claro, desejar cada vez mais que a própria Miss Marple seja presença constante de uma história e, melhor ainda, narre a própria!
Se você ainda não começou a ler Agatha Christie ou as aventuras de Miss Marple, recomendo que comece o quanto antes. Um bom policial, intrigante mistério e que te deixará ávido para chegar rapidamente às últimas páginas e confirmar suas suspeitas ou ser surpreendido com uma resolução totalmente inesperada!


Nota:



7 comentários:

Monica Navarro disse...

Oi, Vê
Ainda não li nenhum livro da Agatha Christie, mas preciso corrigir isso. Estou super curiosa para conhecer a Miss Marple, que parece ser uma personagem super interessante dos livros da autora.

Raquel Pereira disse...

Mais uma vez eu digo que adoro os suspenses da Agatha, ainda não li Um corpo na biblioteca, mas parece que a Miss Marple arrasa de novo.


Bjok

Érika Rufo disse...

Sou fã da Miss Marple. Ela realmente sempre surpreende. Quem ainda não leu vale muito a pena, é um a ótima história!


Beijos!!

Franciele de Santana disse...

Gosto de livros policiais mas ainda não li nenhum livro dela, uma amiga já me indicou e com certeza em breve vou conferir.

Desbravadores de Livros disse...

Você sabe que gostamos dos livros da Agatha tanto quanto você, né Vê? Mais uma resenha excelente sua; principalmente porque ainda não li esse livro.
Confesso que prefiro o Poirot a Miss Marple, porém, Agatha faz bons livros com a Marple também.
O fato de um corpo ter aparecido na biblioteca só chama mais a atenção para o livro, né Vê?! Mas foi uma pena que a Miss Marple não apareceu tão fortemente na obra.
Certamente, vou ler o livro.

Luana Gantert disse...

Quase comprei esse livro,mas quando soube que era da Miss Marple acabei desistindo. Tenho aqui em casa "O caso do hotel Bertram " e devo começar por esse, mas se for bom vou procurar o "Um corpo na biblioteca", com certeza. Continue resenhando os livros da Agatha, por favor.

Veezinha disse...

Pode deixar, Luana! Estou fazendo diversas compras exatamente por isso! Quero muito ler todos os livros da Miss Marple, principalmente porque ela foi a primeira detetive da Agatha que eu li e já gostei de cara.
É só esperar que logo, logo, as resenhas estarão aqui!


xx