segunda-feira, 21 de julho de 2014

#Resenha: A Abominação - Jonathan Holt

A Abominação (Carnivia #01)
Autor: Jonathan Holt
Editora: Record
Número de páginas: 378

"Quando o corpo de uma mulher vestida em trajes sacerdotais é encontrado em Veneza, a capitã Kat Tapo é designada para o caso. Avançando na investigação, ela esbarra na pesquisa da segunda-tenente Holly Boland, sobre acontecimentos relativos a abusos cometidos na Guerra da Bósnia. Ao mesmo tempo, Daniele Barbo, dono do Carnivia — uma recriação virtual de Veneza —, é condenado por crimes na internet, mas desconfia da motivação da acusação. Os três buscam respostas, porém, ao verem suas suspeitas convergirem para o mesmo ponto, percebem estar envolvidos em algo muito maior."

Compre: Saraiva | Submarino

Este livro foi cortesia da editora Record.

Uma mulher em trajes de padre é encontrada morta nas escadas de uma igreja em Veneza, uma verdadeira blasfêmia para os católicos que não aceitam que mulheres ocupem altos cargos na Igreja, chamando quem quer que assim se considere de "abominação". Para a capitã Kat Tapo, esta é sua primeira investigação de homicídio desde que ela entrou para os Carabinieri, a polícia veneziana. As circunstâncias são estranhas e, ao encontrar uma tatuagem no braço da vítima, começa uma corrida contra o tempo enquanto as provas não apresentam nada com muita clareza.

Enquanto isso, Daniele Barbo é um nerd excêntrico dono de um site de relacionamentos, o Carnivia, uma espécie de Gossip Girl para adultos, onde ele recriou com precisão todos os detalhes da cidade alagada e permitiu que seus usuários navegassem em modo anônimo por ele, trocando informações e fazendo fofocas. Mas, prestes a ser condenado por recusar acesso de dados ao governo, ele, no entanto, parece estar na mira de pessoas muito mais perigosas que estão tentando invadir a todo custo o Carnivia. O motivo, ele ainda não sabe, mas pode ser bem maior do que um alvo pessoal e estranho como Daniele e com propósitos muito mais sórdidos.

A segunda-tenente Holly Boland recentemente chegou à Itália para servir em uma base dos Estados Unidos operante no país e está determinada a fazer o emprego dar certo uma vez que foi criada em Veneza e nutre grande carinho pela cidade. Ela é encaminhada a lidar com a publicidade da base, algo que tem estado em baixa com os planos do exército norte-americano de expandir suas instalações, deixando a população bem infeliz.
Entretanto, seu trabalho sairá bem além do ordinário quando lhe são solicitados documentos a respeito da Guerra da Bósnia, que pode ter sido iniciada através de uma conspiração dos Estados Unidos e Europa para levar ao estopim do mercado de armamentos, oferecendo vantagens aos rebeldes, de ambos os lados. Tragada para uma rede cheia de encobertas e reuniões secretas, Holly terá de utilizar-se de sua astúcia como militar para poder driblar os governos americano e italiano se quiser chegar ao fundo disso e realmente descobrir o que houve nessa guerra.

Acompanhando as histórias desses três personagens, Jonathan Holt tece uma trama extremamente misteriosa e vai encaixando cada parte lentamente, de modo que Kat, Daniele e Holly eventualmente descobrem necessitar da ajuda um do outro. Querendo ou não, os homicídios que Kat está investigando estão diretamente relacionados com as invasões ao Carnivia e ao sumiço dos documentos solicitados a Holly para investigação da Guerra da Bósnia.
Com a aproximação do julgamento de um perigoso criminoso de guerra pelo Tribunal de Haia, todos terão de unir forças para que o inimigo tome forma e seja desmascarado antes que seja tarde demais. Pode haver muito mais terrores encobertos pelos governos do que se pensava a princípio. E a vida deles pode estar correndo riscos uma vez que começarem a cavar os segredos de uma época passada, mas que ainda traz consequências e lembranças dolorosas às suas vítimas.

Embora A Abominação tenha uma escrita excelente, que flui rapidamente em capítulos alternados entre os três personagens já citados, preciso dizer que o conteúdo não foi impressionante. Conspirações, ideias de guerras tendo sido causadas pela inteligência norte-americana, crimes de guerra, espionagem... Tudo isso, para mim, já deu. Achei que uma história que se passasse em Veneza não precisaria ter o governo dos EUA envolvido para que se estabelecesse um mistério, mas me parece que não há conspiração sem que o país do Tio Sam esteja envolvido, por menor que seja sua participação.
Sei que a Guerra da Bósnia escondeu horrores que sequer podemos imaginar e, ao final do livro, Holt esclarece que a trama foi montada a partir do máximo de informações que ele conseguiu extrair sobre o assunto. E, de fato, a situação não é nada boa. É catastrófica, cruel e nauseante. Entretanto, acredito que uma história de investigação criminal pudesse tecer seus próprios caminhos. Outro ponto que ele também adotou e que achei batido foi o tráfico humano para exploração sexual. Isso acontece no mundo o tempo todo, embora não tenhamos sempre notícias. As vidas de milhões de imigrantes são terríveis ao serem iludidos e controlados por coiotes que parecem ajudá-los a morar em outro país, mas que, uma vez em terras estrangeiras, tudo transforma-se em um verdadeiro inferno sem escapatória.
Suas vidas são duras nos países de origem e não há a menor perspectiva de melhorarem em um novo território. Sem dúvidas, é muito importante alertar leitores sobre essa situação degradante e desesperadora, mas, de alguma forma, isso não me impressionou e tornou o enredo sem qualquer novidade, bem óbvio.

Outra coisa que me irritou profundamente durante a leitura foram as atitudes de Kat Tapo; suas decisões em determinados momentos acabaram por destruir qualquer credibilidade que ela tivesse até então diante de meus olhos: uma capitã que transpôs barreiras ao entrar para os Carabinieri e que estava pronta para crescer no emprego com sua primeira designação para uma investigação de homicídio e cheia de ambições. Toda a confiança e respeito que tinha por ela foi completamente detonada com suas decisões e atitudes e eu passei a deter uma imensa antipatia por ela, que deveria ser a protagonista dessa história.
Acabei me interessando muito mais por Daniele e Holly e, cada vez que um capítulo a respeito de Kat começava, eu tinha vontade de largar a leitura de tão desconfortável que fiquei em relação a essa personagem. Quando ela poderia se redimir de seu comportamento, o que realmente acontece ao final da leitura, para mim, já era tarde demais e minha imagem dela não tinha volta. Definitivamente uma das personagens que mais odiei, o que foi uma enorme surpresa para mim.

No geral, A Abominação é um livro muito bem escrito, uma leitura rápida e dinâmica, que promete muitos mistérios. Entretanto, para mim, ela acabou tornando-se um livro clichê e, com o comportamento de Kat, uma leitura insuportável.
Mas ressalto com veemência que Jonathan Holt escreve muito bem e que o livro, estruturalmente falando, é maravilhoso! Ele tem muita habilidade em tecer mistérios e encaixar as peças no momento certo. Infelizmente, para mim, suas escolhas de enredo e motivos foram batidas e acabou que não me surpreendi. Mesmo assim, eu indicaria a leitura, pois tenho certeza de que o que me incomodou no livro pode não incomodar outras pessoas na proporção astronômica em que isso aconteceu comigo.
Gostei muito da capa e, embora tenha achado a impressão da Record um pouco clara, em nada atrapalhou o aproveitamento da leitura. Encontrei alguns erros, mas nada muito absurdo. Em geral, o universo italiano oferecido pelo autor é muito bem desenvolvido e a possibilidade de passearmos por Veneza, impressionante!
O livro faz parte de uma trilogia chamada Carnivia e o final deixa em aberto muitas questões que, acredito, serão desenroladas nos próximos dois volumes. Pessoalmente, não prosseguirei com a leitura, mas pode ser que vocês se surpreendam. Afinal, quão apaixonante não é Veneza?

"Aquilo não era apenas um ataque aleatório a um canal de comunicação que eles não podiam controlar. Alguém estava procurando algo específico, algum segmento de conversa ou alguma informação valiosa, e estavam dispostos a destruí-lo para conseguir isso." 
(pág. 84)

Nota:




9 comentários:

Andrea Duarte disse...

As vezes o livro tem tudo pra dar certo, um bom enredo, uma boa editora , uma ótima escrita.. Mas acaba não dando. Como dissestes, achei um pouco clichê, e o fato de a personagem principal não agradar , derruba ainda mais a vontade de ler o livro.
Bem, não pretendo ler..
bj, dréa

Monica Navarro disse...

É tão ruim quando não gostamos de um personagem, acaba com o livro.
Esse livro tinha tudo para dar certo. Pena que não agradou.

Desbravadores de Livros disse...

Ah, Vê, uma pena que você não tenha gostado do livro. Mesmo após a resenha um pouco negativa, eu ainda pretendo lê-lo. Esse já estava na minha lista de desejados. Quanto a questão das conspirações com os EUA, bem, isso é algo real e palpável. Apesar de já ser bem batido, se for bem trabalhado, dá um bom livro. E a verdade é que os EUA está metido em quase tudo de errado que envolve crises internacionais.
Os personagens, pela descrições que você deu, me agradaram.
Espero gostar mais do livro que você, Vê.

Veezinha disse...

Também espero que sua leitura seja mais bem sucedida. Apesar de não ter gostado por diversos motivos, tenho certeza de que muitas outras pessoas podem ter uma experiência melhor. Por isso que, apesar de ter ficado bem chateada com a leitura, eu a indico para todos. Comigo não deu certo, mas ainda acho a proposta investigativa válida e que pode agradar alguém! rsrs


Boa sorte e boa leitura!
xx

Gisele Pereira disse...

Nunca li esse livro, mas pretendo lê-lo e tirar minhas próprias conclusões.

JessicaLisboa disse...

Ja haviam comentado comigo com esse livro, porem agora lendo sua resenha nao me animei tanto para ler essa historia não, a trama foi bem elaborada porem me pareceu que nao foi TUDO aquilo mais enfim, espero um dia poder ler essa historia.

Jaqueline Felix disse...

Olha, não conheço o livro nem o autor e sua resenha não me anima, de forma alguma a lê-lo, muito pelo contrário.
Muito embora, eu considere Veneza uma cidade incrível e apaixonante e seja fissurada em enredos de suspense.
E odeio os EUA e tudo que tem relação com esse país, mas acho que é mais uma coisa de "sangue", como dizem alguns.

Aline Ramos Costa disse...

Fiquei curiosa sobre esselviro, afinal ele trás temas que são um prato cheio pra qualquer livro...porém, fiquei preocupada com as ressalvas que você citou, pois vejo que o autor não usou a linha imaginativa que eu esperava.Além do que, ter uma protagonista com titude irritante, tira o brilho do livro.. Mas, mesmo assim pretendo ler esse livro e espero gostar.. Bjs e parabéns pela resenha.

ELIZABETH MACHADO DE SALLES disse...

Achei a história muito interessante. Gosto de temas deste tipo. Os personagens parecem ser bem construídos e tem uma trama legal. Mesmo tendo algumas falhas, eu vou tentar ler. Pois gostei do que li na resenha.
Beijos.