segunda-feira, 21 de julho de 2014

#Resenha: A Filha da Tsarina - Carolly Erickson

A Filha da Tsarina
Autora: Carolly Erickson
Editora: Record
Número de páginas: 368

"Após setenta anos escondendo sua verdadeira identidade, chegou o momento de Daria Gradov contar ao mundo um grande segredo. Ela é na verdade a grã-duquesa Tatiana, sobrevivente do massacre que matou sua família. Filha do tsar Nicolau II e da tsarina Alexandra, ela é a única herdeira da dinastia Romanov. Em uma narrativa permeada por eventos históricos, A filha da tsarina contrapõe o esplendor da vida imperial e a pobreza devastadora dos camponeses, em uma Rússia de grandes transformações. Testemunha da história, Tatiana relata os acontecimentos que remontam a luta de uma família para fugir da morte iminente."

Compre: Saraiva | Submarino

Este livro foi cortesia da editora Record.

Desde pequena, quando assistia à animação de Anastásia, eu sempre fui muito fascinada pela história da família imperial russa, os Romanov. Conforme fui crescendo, meu fascínio apenas aumentava e, embora não tenham tido um final feliz, sendo executados após a Revolução de 1917, sempre houve muito mistério envolvendo as ossadas de dois dos membros da família, sendo uma delas, de uma das filhas mais velhas de Nicolau II e Alexandra. Embora tudo já tenha sido esclarecido, as circunstâncias nunca deixaram de ser um prato cheio para que histórias e teorias se desdobrassem, acreditando que uma das grã-duquesas teriam, de fato, escapado da execução e vivido em segredo desde então.

A proposta de A Filha da Tsarina é precisamente essa: um romance histórico, onde Tatiana Romanov, tendo vivido como Daria Gradov, finalmente decide revelar quem realmente é já estando bem idosa. Ela decide que seus netos e descendentes devem saber de sua história e passa a contá-la, passando por grandes marcos da história, como a Primeira Guerra Mundial. Em se tratando de um romance histórico, os fatos aos quais se atém a autora são verdadeiros e, a partir deles é que será construída a ficção, da sobrevivência de Tatiana e o seguimento que dá à sua vida após o massacre de sua família.

Sendo assim, há bastante licença poética para que tenhamos um vislumbre do que a grã-duquesa poderia ter sido, se realmente tivesse sobrevivido e é essa parte a que mais fascina. Embora Tatiana tenha carregado esse grande segredo por toda a sua vida, ela não viveu completamente escondida e seu relato sobre o que fez depois de ter escapado são cuidadosamente costurados a fatos verídicos da história. Grande exemplo disso foi o encontro com quem viria a tornar-se seu marido enquanto ela trabalhava de enfermeira na Primeira Grande Guerra. Essa atmosfera tênue entre realidade e ficção deixa todas as coisas muito emocionantes e nos faz imaginar para além da verdade.

Como grande apreciadora da família Romanov e de sua história, é impossível não me sentir completamente extasiada com o enredo criado por Carolly. Sua ideia, sua perspectiva transformaram em realidade uma vez mais a possível sobrevivência dos Romanov e trouxe-a para um livro de leitura deliciosa e que caminha rapidamente. Com fascínio, fui descobrindo o que mais Tatiana teria vivido em seus anos escondida e definitivamente a história da última família imperial russa é um leque de possibilidades apenas aguardando para serem desenvolvidos.

Embora a parte que mais importa, a parte mais emocionante e possíveis desdobramentos que decorrem dela, seja ficção, não posso deixar de destacar também a maestria com que os fatos históricos foram encaixados e serviram de pano de fundo para o enredo. Sem dúvidas, foi uma leitura mágica, com suas ressalvas ao retratar certos personagens, mas tenho certeza de que são válidas e "esticáveis" para que a ideia possa se encaixar de maneira mais verossímil.

A Filha da Tsarina é uma leitura fantástica, que reacende nossas esperanças do que poderia ter acontecido se a história dos Romanov tivesse tido um desfecho diferente. Entretanto, mesmo estando determinadamente concluída, ainda há muito espaço para sonhar, conspirar e criar. Entrou para os favoritos e devo dizer que a autora acertou em cheio ao fazer uma escolha tão fascinante que é a família de Nicolau II.
A capa é muito delicada, em tons pasteis, e tem a imagem de perfil de, se não for a própria Tatiana, alguém muito parecida, com os mesmos aspectos das grã-duquesas à época em que tudo aconteceu. A leitura é prática, confortável e bem rápida, apesar de ser um romance. Nem preciso reafirmar que eu amei e que esse livro me fascinou do começo, quando vi a sinopse, até o final, ao virar da última página!
Altamente recomendado se você curte histórias permeadas com fatos, mas que também possuem espaço para a ficção, além de, é claro, o elemento principal dessa narrativa: os Romanov e o que sua história poderia ter sido.

"- Tania! - Sua voz naturalmente alta estava ainda mais alta do que o normal. - Diga ao seu pai que não basta ele ouvir, ele tem de agir! E agir agora! Antes que seja tarde demais!" 
(pág. 225)

Nota:



4 comentários:

Thais Teixeira Pereira disse...

A capa é linda e lendo sua resenha fiquei com muita vontade de ler esse livro, eu não imaginava que era disso que ele se tratava, pois não tinha parado para ler a sinopse.

xoxo

http://amigadaleitora.blogspot.com.br/

Andrea Duarte disse...

Também gosto muito de Anastásia , desde criança. Era uma das minhas histórias favoritas. Mas eu não sabia que ela tinha algo a ver com a família russa Romanov na vida real. Fiquei surpresa ! Leria com certeza.
bj, dréa

Monica Navarro disse...

Gosto muito de ler romances históricos. A história trágica da família do último czar da Rússia sempre me interessou. Gostaria muito de ler esse livro.
A capa é linda e delicada.

Desbravadores de Livros disse...

Vê, adorei demais a premissa desse livro. Adoro livros históricos que misturam verdade com ficção. E se você deu cinco estrelas, tenho certeza que é ainda melhor do que eu imaginava. Confio no seu julgamento.
O livro já está na minha lista de futuras leituras.