quarta-feira, 30 de julho de 2014

#Resenha: A Filha do Sangue - Anne Bishop

A Filha do Sangue (Joias Negras #01)
Autora: Anne Bishop
Editora: Saída de Emergência Brasil
Número de páginas: 432

"O Reino Distorcido se prepara para o cumprimento de uma antiga profecia: a chegada de uma nova Rainha, a Feiticeira que tem mais poder que o próprio Senhor do Inferno. Mas ela ainda é jovem, e por isso pode ser influencidade e corrompida. Quem a controlar terá domínio sobre o mundo. Três homens poderosos, inimigos viscerais - sabem disso. Saetan, Lucivar e Daemon logo percebem o poder que se esconde por trás dos olhos azuis daquela menina inocente. Assim começa um jogo cruel, de política e intriga, magia e traição, no qual as armas são o ódio e o amor. E cujo preço pode ser terrível e inimaginável."

Compre: Saraiva | Submarino

Eis aqui mais uma leitura extraordinária do gênero fantasia. Um livro longo, mas tão bem desenvolvido e rico em detalhes que foi capaz de criar um ambiente totalmente novo, um cenário fantástico que possui as Trevas como pano de fundo. É isso mesmo, em A Filha do Sangue, não temos aquela típica batalha épica entre bem e mal, mas há apenas o mal por aqui. Trevas e mais trevas. E foi exatamente isso que mais me chamou atenção.
Somos apresentados a uma sociedade dos Sangue, uma raça mágica que não são bem vampiros, mas uma espécie de seres que se utilizam da Arte (magia) para praticamente tudo. Ela está dividida em castas e os homens tornaram-se escravos sexuais das rainhas, portando Anéis de Obediência em seus órgãos genitais, podendo ser controlados e torturados através deles a servirem suas Senhoras. Com várias categorias dentro dessas castas, o poder é medido através da cor da pedra que lhes é dada por direito de progenitura durante uma cerimônia de iniciação, de oferenda às Trevas; quanto mais escura for a pedra, maior será o seu poder.
Há algum tempo, uma profecia foi feita de que uma Feiticeira estava a caminho. Mas ela não seria qualquer feiticeira, mas A Feiticeira, detentora de um enorme poder, mais poderosa do que qualquer ser que já existiu. Essa esperança alimentou Daemon SaDiablo, o Sádico, um escravo usuário da Pedra Negra, a mais poderosa, que estava disposto a servir a essa Rainha que poderia guiá-los em direção à liberdade e igualdade.
Desde que fez a oferenda, Daemon foi mantido na corte de Dorothea, sendo obrigado a satisfazer todas que a Rainha indicasse. Revoltado e muito resistente, ele aprendeu aos poucos a fazer uso de seu poder e passou a tocar o terror na corte, sendo apelidado de Sádico. Incapaz de ser domado, todos os temem, mas nem por isso o libertam. Quando está na presença de Lucivar, seu meio irmão por parte de pai, os dois tornam-se uma dupla infernal, capaz de destruir uma corte inteira. E, se tem algo em que os dois concordam, é que resistirão até o final e não deixarão que sejam dominados pelas Sangue que tem difamado a honra da raça e dos seus propósitos verdadeiros.

"Não lamentava a existência de Daemon e de Lucivar, mas, durante séculos, tinha se torturado com os relatos do que acontecia a eles."
(pág. 45)

Quando Jaenelle, a Feiticeira profetizada, chega, ela procura por Saetan SaDiablo, o Senhor do Inferno, o Supremo Sacerdote. Homem de intenso poder e detentor da Negra também, ele e Daemon são incrivelmente poderosos, mas desentendimentos do passado fizeram com que eles fossem separados e, desde então, evitassem cruzar o caminho um do outro. A jovem Feiticeira será o elo que unirá esses dois homens. Com o comportamento ora da criança que ela realmente é, ora de uma poderosa e impiedosa mulher Feiticeira, Jaenelle é capaz de deixar todos os adultos a seu redor de cabelos em pé com a facilidade com a qual domina certos feitiços difíceis e terríveis ao mesmo tempo em que faz perguntas inocentes e infantis e age de modo descuidado. Essas duas faces da menina são motivo de diversão e assombro durante a história. Ela é inconsequente e seu intenso poder foge ao seu controle, estando ainda na idade de ser moldada por ideias tanto sombrios e cruéis quanto bondosas. Caberá a Daemon, Saetan e alguns outros seletos Sangue ajudá-la a trilhar o caminho para a salvação da Raça; mas haverá aqueles que desejarão colocar as garras na Feiticeira a todo custo.

"- Criança-feiticeira, acertar as bolas de um homem pode ser uma forma eficaz de lhe chamar atenção, mas não é algo que uma criança deva fazer. - Estremeceu quando Jaenelle centrou nele toda a sua atenção.
- E por que não? - interrogou. - Um amigo me disse que era isso que eu deveria fazer se um macho algum dia me agarrasse por trás. Ele me fez prometer.
Saetan ergueu uma sobrancelha.
- Esse amigo é macho?
Muito interessante."
(pág. 83)

Apesar da enorme quantidade de personagens e da garantia de que Jaenelle é a protagonista desta história, acredito que ela não seja mais do que mera participante. Durante a narrativa, acompanhamos muito mais as histórias de Saetan, Daemon e Surreal que a menina fica bem em segundo plano, principalmente por ficarmos no escuro a respeito de muitas coisas que ela faz. Se fosse para escolher, diria que Saetan e Daemon são os verdadeiros protagonistas do enredo de A Filha do Sangue e jamais me arrependeria. São homens poderosos, com princípios honrados e divertidos de se acompanhar. A vida na corte não é nada fácil e, embora o comportamento de Daemon seja cruel, ele é totalmente justificável e digamos que suas vítimas tem o que merecem.
Saetan, por outro lado, assume o papel de pai de Jaenelle e é atencioso e preocupado com os rumos e perigos que a menina pode estar enfrentando quando não está em sua companhia no Inferno. Os homens SaDiablo são simplesmente apaixonantes. Podem estar vivendo a pior das situações, mas basta que Jaenelle chegue para que seus dias iluminem-se e eles se derretam completamente. Apesar de pensarmos que Lucivar irá aparecer bastante na narrativa, ele fez bastante falta, fazendo aparições isoladas. Tenho certeza de que, se a autora tivesse explorado sua explosão quando junto de Daemon, as coisas teriam ficado ainda mais interessantes (se isso for possível).

"Kartane entendeu a lição. Ser Anelado era a forma mais cruel de controle. Se Daemon não conseguia aguentar a dor, como ele poderia? Tornou-se crucial não dar a Dorothea uma razão para lhe colocar um Anel."
(págs. 146 e 147)

No começo, achei Jaenelle exagerada. Uma garota de sete anos detentora do maior poder que a história dos Sangue já viu? Algo não estava certo. Seu comportamento ora infantil ora maduro encaixou-se muito bem nessa personalidade conflitante dela, uma criança que amadureceu rapidamente, mas que tem muitas coisas que ainda não entende da vida. Embora a maioria dos adultos que a cerca procure protegê-la do mal e das coisas ruins, logo percebemos que ainda há aqueles que lhe proporcionam experiências aterrorizantes.
Eu a achei muito misteriosa e abusada, mas, conforme vamos descobrindo o que ela realmente esconde na cidade onde nasceu, a questão toda muda de nível e nos deparamos com um cenário terrível e surpreendente. Apenas depois de eu ter compreendido o que se passava com essa menina é que liguei seu comportamento volátil ao que ela vinha vivenciando. Realmente a sacada da autora foi sombria, mas inegavelmente brilhante!
Existem diversos aspectos que tornam A Filha do Sangue uma leitura mais do que especial. São as Trevas nas quais a história se desenrola, são os poderes dos quais os Sangue se utilizam, é toda a sensualidade que transborda das páginas, o sofrimento e os terrores de uma corte destituída de qualquer pudor, a crueldade que espreita nos capítulos. Com um desfecho aterrador, posso dizer que a Trilogia das Joias Negras foi iniciada com maestria. Eu nunca tinha lido qualquer coisa parecida e esse ineditismo me ganhou e me assombrou de tal forma que fiquei muito tempo refletindo sobre o que eu havia lido, para poder absorver todas as novas informações e encaixá-las em seus devidos lugares.
Um personagem que me surpreendeu muito, que eu achei que não iria gostar de jeito nenhum, foi Surreal. Uma prostituta e matadora de aluguel que se mostrou uma jovem assustada que procurava vingar a morte da mãe. Grande e forte mulher que chamou a atenção desde sua primeira aparição e fui crucial para os acontecimentos finais. Definitivamente, A Filha do Sangue foi espetacular, destruidor de corações e eu terminei o livro com um desejo insaciável por mais. Me apaixonei totalmente pelos homens SaDiablo e espero que eles sejam ainda melhores nos próximos livros. Anseio por uma maior aparição de Lucivar, pois sua participação com Daemon seria impagável! Essa família de machos poderosos chegou para arrebatar corações e Anne Bishop inovou minha visão mais uma vez sobre o gênero fantástico. Inacreditável e perfeito!

"Sem a liberdade de viver de acordo com as suas escolhas, os seus prazeres eram roupas e livros, sendo os livros a aquisição mais pessoal, uma vez que as roupas, tal como seu corpo, eram usados na manipulação de quem servia."
(pág. 210)

Mais uma vez a Saída de Emergência Brasil arrasou na diagramação e na capa, que ficou maravilhosa! Os índices, com relação de personagens principais, jóias e suas cores e poderes e castas foi essencial para que eu pudesse acompanhar a grande quantidade de informações que o livro despeja em uma narrativa fluida, ágil e com capítulos longos divididos em subcapítulos rápidos que se passam em diferentes regiões d'O Reino Distorcido. Fantástico mesmo.
Infelizmente, novamente me deparei com vários erros na revisão, mas, uma vez mais, o brilhantismo do livro sequer foi afetado por esses detalhes técnicos. Uma história incrível, maravilhosa, apaixonante e devastadora. Vale muito à pena mergulhar de cabeça nessa leitura (se você não se aguentar, como eu, dá para ler em apenas dois dias!), mas estejam atentos à amostra do segundo volume ao final: eu não arrisquei ler porque quis preservar minha sanidade enquanto aguardo o próximo título, que virá apenas em Novembro deste ano. Tentando manter as peças unidas, ainda levarei tempo para me recuperar de A Filha do Sangue. Sem mais palavras para descrever tamanha grandiosidade de enredo!

"Se você cantar a melodia certa, elas lhe dirão os nomes das que já morreram.
Tudo tem um preço.
Qualquer que fosse o preço, o que quer que tivesse de fazer, garantiria que não houvesse uma daquelas plantas para ela."
(pág. 294)

Nota:



14 comentários:

Monica Navarro disse...

Adoro livros de fantasia e desde o lançamento de A Filha do Sangue chamou minha atenção. E agora, depois da sua resenha, preciso ler urgentemente. Quero conhecer esses personagens que você descreveu.
A capa é linda!

Bia disse...

Só pela capa esse livro já tinha entrado na minha lista de desejados... E com sua resenha deu mais vontade de ler ainda *---------*

maisumleitor.wordpress.com/

Desbravadores de Livros disse...

Como já disse na outra resenha que comentei, eu adoro fantasia. E, se o livro for longo, melhor ainda, pois aproveitamos bem o conteúdo. E quando o enredo é bem trabalhado com este, eu me apaixono. rs
Estou com vontade de lê-lo, mas tenho outras prioridades na frente. Pode demorar um pouco para eu fazer a leitura, mas lerei, com certeza.

ELIZABETH MACHADO DE SALLES disse...

Outro livro de fantasia que estou querendo ler. A história me deixou bastante empolgada e vou tentar ler também. Já que você o aprovou, fico mais tranquila ao ler. Beijos.

shirlaine santana disse...

rsrsr gente como eu disse anteriormente eu amo livro de fantasia e esse é um dos que eu coloquei na minha lista de compras,realmente estou louca por ele e depois do que li agora quero mais ainda com toda certeza!!

Fran Ferreira disse...

Eu me apaixonei desde a 1ª vez logo de cara só pela capa sem saber sobre o que se tratava, quando descobri, fiquei um pouco receosa confesso, mas depois me rendi completamente, a única questão para mim, vai ser aguardar pelos outros 2 livros, enquanto isso não acontece, meu coração fica apertado (mas para protegê-lo irei lê-lo quando a trilogia estiver completa), assim darei sequência sem ficar angústiada e sem perder a paciência pela demora do lançamento do outro.
Bjsss

Milena Soares disse...

Gosto muito de fantasia, o livro parece ser ótimo, fiquei bastante interessada em ler!

Sueli Cobbos disse...

O que primeiro chamou minha atenção foi o nome. Depois de ler a resenha, ficou um gostinho de quero mais... Preciso ler, com certeza.

Nardonio Alves disse...

Confesso que essa capa me enganou completamente. Ela é muito bonita, mas me passou a impressão de ser uma leitura mais leve. Me enganei completamente. E, até achei que foi pra melhor mesmo. Gosto dessas tramas mais fortes, mais pesadas. E concordo com você, a Saída de Emergência Brasil está mandando super bem em seus lançamentos.

@_Dom_Dom

Julielton Souza disse...

Assim que li as primeiras linhas da resenha, achei que se tratava de um livro hot. Serio " escravos sexuais" "anéis de obediência em seus órgãos genitais" como não pensar errado?!
Mesmo assim ao continuar a resenha me deparei com uma história incrível, sério adorei essa de maldade e escuridão por todos os lados, não achava que livro se tratava disso, pelo contrario achava que se tratava de uma história tão irreverente e única, com certeza a Saída de Emergência Brasil acertou em cheio em trazer essa série para as terras tupiniquins.


Julielton Souza - Dialética Proposital

Pamela Duarte disse...

Fantasia <3 Um dos meus gêneros preferidos.
Uma estória sem a junção de bem e mal? Apenas o mal predominando o tempo todo? Primeira vez que vejo isso. É mesmo de se chamar a atenção. Isso me deixou bem curiosa e com vontade de lê-lo para ver como isso acontece.
Ah, e os nomes dos "Três homens poderosos" não poderiam ser mais maléficos, heim? rs
Se eu fosse apenas julgar o livro pela capa, nunca imaginaria uma estória assim.
Bjos

Thabata Robles disse...

Sempre acabo torcendo pelo vilão, e um livro com trevas e mais trevas chama muito a atenção. Qual o nome do segundo volume? Adorei a capa.

Veezinha disse...

Oi Thabata! Fico feliz que tenha se interessado pelo livro. ;) O segundo volume se chama "A Herdeira das Sombras" e tem lançamento previsto para Setembro/Outubro deste ano! Espero que goste da leitura!


xx

Aline Ramos Costa disse...

Pela capa fiquei achando qu eria mai um livro juvenil, leve..fiquei surpresa com o conteúdo tão intenso e bem construído...fiquei muito curiosa pra saber mais sobre a trama., pois adoro esse gênero literário..Parabéns pela resenha... Além disso, a Saída de
Emergência Brasil está de parabéns com as publicações...bjs