quarta-feira, 30 de julho de 2014

#Resenha: A Mão Misteriosa - Agatha Christie

A Mão Misteriosa (Miss Marple #04)
Autora: Agatha Christie
Editora: L&PM Pocket
Número de páginas: 224

"A pacata cidadezinha de Lymstock começa a ter sua tranqüilidade destruída pela ação de um assassino calculista, que permanece entre os habitantes do local. Em meio a tudo isso, só os olhos de Miss Marple, em mais uma intrigante aventura, não se enganam."

Compre: Saraiva (e-book) | Submarino

Resenhas anteriores:

Mais um livro em que somos brindados com um crime que será investigado pela simpática e eficiente Miss Marple. Dessa vez, acompanhamos a pacata vida de Lymstock pela narrativa de Jerry, um piloto que, após sofrer um grave acidente, precisa se recuperar totalmente, de preferência, em uma cidade cuja vida não seja nem um pouco agitada. Assim, ele se muda para Lymstock com sua irmã, Joanna, alugando a casa de uma simpática, mas conservadora senhora.
Aos poucos eles vão se familiarizando com os moradores, que fazem questão de se apresentar através de cartões quando passam para visitá-los e conhecer os novos moradores jovens da cidade grande. Até que a primeira carta chega. Escrita grosseiramente, com letras recortadas de um velho livro para formar as palavras, essas mensagens de baixo calão descrevem mentiras deslavadas e desconfortáveis sobre os habitantes desse pacato vilarejo.
Quando Jerry recebe pela primeira vez, ele fica bem incomodado pelas insinuações abusivas presentes na carta. Mas não demora até que ele descubra que a situação está se espalhando por Lymstock, deixando de ser um simples ataque cruel e seleto de uma mente desocupada e perturbada. Após a chegada de uma dessas cartas causar o suicídio de uma das moradoras, a polícia é inevitavelmente envolvida no caso e todos passam a suspeitar uns dos outros.

"Joanna riu, parecendo achar aquilo muito engraçado.
- Acha que eles vão me achar horrível? - perguntou.
- Não - respondi. - Apenas estranha."
(pág. 13)

Jerry passa a acompanhar a investigação ao lado da polícia e tenta colher a maior quantidade de informações possível para conseguir montar o melhor perfil de suspeitos possível, mas não sobram muitas pistas que levem a uma pessoa específica. Trata-se de uma mente criminosa ardilosa, sádica e muito cuidadosa.
Será que esse seria apenas o começo de uma série de mortes provocadas pelo conteúdo perturbador dessas cartas? Mas como uma dessas mensagens poderia ter causado um suicídio se não passavam de mentiras descaradas? O autor sabia de algum segredo obscuro? Quando ele cometerá o primeiro erro que levará a polícia diretamente ao culpado?
Enquanto as perguntas rondam as cabeças de todos os moradores, novas pistas surgem, mas sem muito sucesso. Quem estava aonde e fazendo o quê? Quanto mais tentam encontrar motivos para esses ataques pessoais ignorantes, menos a situação toda faz sentido. Afinal, o que levaria uma pessoa a ter tanto ódio de seus vizinhos e conhecidos?

"Foi estranho ver como uma garota podia perturbar o nível mais profundo de sua alma enquanto mantinha a boca fechada, e no momento em que falava, todo o glamour desaparecia como se nunca houvesse existido."
(pág. 32)

Como sempre, A Mão Misteriosa me fez suspeitar de todos; menos, é claro, do nosso narrador, Jerry. Ele e Joanna tinham acabado de chegar à cidade e as cartas já estavam sendo enviadas há algum tempo. A questão é que a narrativa, ainda mais em primeira pessoa, nunca nos oferece todo um parâmetro sobre a situação. Tudo o que temos é a perspectiva de Jerry, que acabou de se inteirar do assunto. E, novamente, não consegui juntar as peças até que tudo estivesse devidamente explicado.
O que realmente me decepcionou nesse livro foi Miss Marple ter sido chamada a apenas cinco capítulos do final. Muito pouco tempo para que ela conseguisse fazer uma investigação decente e pudéssemos ter um maior vislumbre de seus métodos de observação da natureza humana. Tudo bem que estávamos longe de St. Mary Mead, mas, ainda assim, a sinopse fez parecer que ela logo tomaria conhecimento da morte e viria meter a colher. Não foi assim que aconteceu.
Dos títulos que li até agora, A Mão Misteriosa foi o que menos teve participação da Miss Marple e isso me deixou bem chateada. Além disso, o desfecho de Jerry e Joanna também me incomodou muito. Não sei se simplesmente não estava em um clima romântico e queria apenas ver o crime resolvido e pronto, mas terminei a leitura bem desconfortável.
Mas preciso ressaltar que a resolução do crime, o verdadeiro culpado e como Miss Marple chegou a isso foi simplesmente genial. Embora tenha sido bem corrido esse desfecho final e conclusão da investigação, ficou incrível. Só o fato de ter me surpreendido novamente, já fez do livro uma excelente história de mistério. Pena que a investigação pela Miss Marple foi tão negligenciada. Definitivamente darei um tempo antes de retomar as leituras com a simpática e astuta velhinha e espero que os próximos livros sejam melhores, com uma maior participação dela.
Foi uma leitura rápida, agradável e bastante engraçada; Jerry e Joanna eram bem divertidos. Encontrei alguns erros, mas nada muito grave. Eu simplesmente adoro as capas dos livros da Agatha Christie e com essa não foi diferente.
Realmente uma pena que, apesar de todo o mistério super bem construído, Agatha tenha abdicado de sua personagem fabulosa e super investigadora. Miss Marple é maravilhosa, fez uma grande falta!

"- Que inferno! E eu vim para cá para viver como um vegetal e me interessar pelos pequenos escândalos locais. Pequenos escândalos locais! Calúnia, difamação, linguagem obscena e assassinato!"
(pág. 147)

Nota:



3 comentários:

Monica Navarro disse...

Preciso começar a ler os livros da Agatha Christie e conhecer a Miss Marple. Pena que nesse livro ela só aparece no final.
Fiquei curiosa para saber quem era o autor das cartas.

Luiza Maia disse...

É uma pena que a Miss Marple tenha pouca participação nesse livro, eu adoro ela <33 Mas mesmo assim eu quero ler o livro (:

http://heartbreaker-girls.blogspot.com.br/

Desbravadores de Livros disse...

Agatha sempre dá um show. Apesar de eu preferir o Poirot, tenho certeza que adoraria esse livro. Já coloquei na minha lista, Vê.
Teve um livro do James Patterson, "Feliz Natal, Alex Cross", que eu me senti exatamente como você no fim, então eu sei exatamente como é isso.