segunda-feira, 21 de julho de 2014

#Resenha: Não Voltarás - Hans Koppel

Não Voltarás
Autor: Hans Koppel
Editora: Verus
Número de páginas: 294

"Mike Zetterberg vive com a esposa Ylva e a filha do casal numa pequena cidade praiana na Suécia. Uma noite, Ylva não volta para casa depois do trabalho. Mike acredita que ela só foi tomar um drinque com as amigas, mas, quando ela não aparece na manhã seguinte, ele começa a se preocupar. Enquanto Mike lida com as suspeitas da polícia e com o próprio desespero, ele nem desconfia de que sua esposa está viva e a apenas alguns passos de casa, presa num porão do outro lado da rua, atraída para uma trama horripilante de punição e vingança. Uma câmera de vigilância lhe permite ver sua família pela tela da TV. Eles não podem vê-la — e certamente não podem escutar seus gritos desesperados de socorro... Não voltarás é um livro eletrizante, que vai prender os leitores da primeira à última página."

Compre: Saraiva | Submarino

Este livro foi cortesia da editora Verus.

Não Voltarás é uma leitura perturbadora sobre como o passado é capaz de nunca abandonar uma pessoa, voltando a assombrá-la e fazê-la pagar por todo o mal que possa ter causado a terceiros. Dizem que aqui se faz, aqui se paga e nada poderia estar mais certo para a vida de Ylva Zetterberg.
Ela e o marido Mike, junto com sua pequena filha Sanna, mudam-se para uma cidade litorânea na Suécia. Quando, em uma noite, Ylva não retorna para casa do trabalho, seu marido tenta tranquilizar-se, pensando que ela foi apenas beber algo com as amigas. No entanto, ao não retornar na manhã seguinte, Mike decide avisar a polícia e, sendo marido da vítima de desaparecimento, ele é logo tido como o principal suspeito.

Mas o desaparecimento de Ylva não é o único crime que choca; um assassinato nos é apresentado logo no início da narrativa, uma cena brutal e que deixa muitas perguntas ao darmos prosseguimento à leitura. O que esse crime poderia ter de ligação com o sequestro de Ylva? Qual é o motivo para que ela tenha sido levada sem deixar qualquer rastro? O que há na familiaridade do casal que lhe oferece uma carona e que acabou de se mudar para a casa ao lado da sua?

Mantida em cativeiro, Ylva acompanha as vidas de Mike e Sanna através de uma pequena TV enquanto é torturada, abusada e humilhada pelos seus captores. A narrativa do livro é algo que surpreende pela frieza com que os fatos são narrados. Não há muitas descrições, seja do cenário ou dos próprios personagens, dando a impressão de que qualquer um poderia estar naquela situação. Os capítulos voam, curtos e eletrizantes impedindo qualquer pausa sem que a curiosidade vença para descobrirmos o que é que aconteceu com Ylva, qual foi seu papel no passado para que o troco esteja sendo aplicado a ela neste momento.

Embora toda essa situação degradante possa causar um imenso mal estar no leitor, preciso dizer que não consegui me identificar com qualquer personagem ou seus motivos. Na verdade, quanto mais descobrimos sobre todo o passado sobre o qual essa situação está se desenrolando agora, mais tive certeza de que, apesar de toda a brutalidade e crueldade, talvez não fosse totalmente sem propósito essa vingança. Que haveria um fundo de compreensão instalado ali. Claro que de forma alguma aprovo os meios pelos quais esse acerto de contas se deu. De forma alguma devemos pensar que a vingança é a resposta para todos os nossos problemas, por pior que eles sejam.
Apesar de tudo, nada justifica a atitude dos captores com relação a Ylva, principalmente se levarmos em conta que sua família, Mike e Sanna, nada respondem pelos atos da mulher. Como privar uma menina pequena do contato com a mãe? Como deixar um marido sem respostas, mesmo quando seu relacionamento já passou por altos e baixos?

No meio disso tudo, ainda preciso destacar a ineficiência da polícia que, acredito, sempre acha ter todas as respostas. Claramente eles empurram o problema do sumiço de Ylva com a barriga e creem que Mike é o verdadeiro culpado de ter desaparecido com a esposa. É realmente revoltante a falta de interesse deles o que, infelizmente, acaba por contribuir para a situação degradante e desesperadora em que Ylva se encontra.
Com o passar do tempo, o autor transpôs em sua narrativa o que acontece com vítimas de sequestro; elas são destruídas lentamente, desprovidas de sua individualidade, de seus valores e princípios. O sequestrador passa a ser tudo o que elas têm e não imaginam mais uma vida sem ele, mesmo que seja de sofrimento. São reduzidas a nada, sem qualquer perspectiva de um futuro, de qualquer retorno à vida que tinham antes desse inferno começar. Definitivamente é uma história nua e crua sobre os horrores da natureza humana, sobre como uma ação, por mais inofensiva que possa parecer, pode gerar uma reação de proporções terríveis.
O que Ylva fez, as atitudes que tomou em seu passado voltam a assombrá-la de maneira arrasadora e os motivos podem transformar-se em algo ainda maior do que ela.

Não Voltarás, não vou mentir, é uma leitura forte e chocante. Embora passe rapidamente pelos capítulos, o impacto é tamanho que faz com que você pare e pense por muito tempo, estremecendo ao lembrar de tudo o que aconteceu. Não é um livro indicado para qualquer um; é uma história cruel e vingativa, sobre pessoas e os erros que cometeram há muito tempo; sobre pessoas que não se esqueceram e que estão dispostas a fazer com que paguem pelo sofrimento que lhes foi causado.
Um livro intrigante e assustador, leitura rápida e de tirar o fôlego, mas que definitivamente deve ser apreciada com cuidado. A capa é linda e a diagramação deixou a leitura bem agradável. Adorei a edição prática da Verus e, sem dúvida, foi uma experiência de arrepiar.

"Mike rasgou a caixa em pedaços e ficou parado um tempo do lado de fora da casa, respirando o ar fresco, completamente alheio ao fato de que sua mulher não estava longe dali, observando-o em uma tela de TV granulada, com lágrimas nos olhos."
(pág. 104)


Nota:




5 comentários:

Gabriel disse...

Oi Vê :)

Eu estou louco para ler esse livro. Sua resenha foi uma das melhores que li sobre o livro até agora. Parabéns!

http://euvivolendo.blogspot.com.br/

Andrea Duarte disse...

Já tinha lido outras resenhas do livro, mas nenhuma ficou tão boa quanto essa. Parabéns ! Fiquei com muita vontade de ler o livro. Gosto de histórias de investigação, e o toque realístico deve ser impactante. Gostei.
bj, dréa

Monica Navarro disse...

Deve ser revoltante sofrer abusos e acompanhar a vida de sua família por uma tv. Fico me perguntando, qual o motivo para essa vingança. Preciso ler para descobrir.

Desbravadores de Livros disse...

Quando eu decretar minha falência, vou mandar o Submarino cobrar na sua casa, porque se eu comprar todos os livros que eu gostei por causa de resenhas no seu blog, tá difícil. rs
Gosto de histórias fortes e chocantes. A premissa desse livro me agradou bastante. Na verdade, eu já conhecia o enredo e já estava querendo o livro; a sua resenha foi só o empurrão final.
Mais um livro para a lista de desejados por sua culpa. rs

Veezinha disse...

Eu estou me eximindo de toda e qualquer culpa, hein? kkkk Vale à pena investir, principalmente quando são leituras que estamos loucos para conferir. Quem se importa com falência, né? Eu já desencanei faz tempo. kkkkkkk


xx