quarta-feira, 30 de julho de 2014

#Resenha: Sociedade Secreta: Rosa & Túmulo - Diana Peterfreund (Book Tour - Blog Lendo & Comentando)

Sociedade Secreta: Rosa & Túmulo (Rosa & Túmulo #01)
Autora: Diana Peterfreund
Editora: Galera Record
Número de páginas: 397

"Amy Haskel é editora da revista literária da faculdade e acredita que logo será convocada para a sociedade secreta Pena & Tinta. Mas tudo muda quando ela se torna uma das primeiras garotas convidadas a integrar a Rosa & Túmulo, a sociedade secreta mais poderosa - e infame - do país. Amy vê sua vida virar do avesso depois que se transforma em uma Coveira (como são chamados os integrantes da Rosa & Túmulo) - não consegue estudar, se afasta dos amigos e está prestes a perder seu quase-namorado. E é só o começo. Em nome da sociedade, Amy deverá assumir a liderança de uma grande conspiração que envolve dinheiro e poder, e que tem (grandes) chances de destruir sua vida."

Compre: Saraiva | Submarino

Vivendo no Brasil, o ambiente das faculdades norte-americanas sempre me fascinou. Desde o currículo, o modo como os alunos são selecionados, o dia a dia no campus e todo o ar de excelência e mistério que cerca essas entidades muitas vezes centenárias, são o pano de fundo perfeito para muitas histórias e com Sociedade Secreta: Rosa & Túmulo não poderia ser diferente.
Ambientada na faculdade, conhecemos Amy Haskel, editora da revista literária do campus e uma verdadeira desastrada que acredita que será convocada para a sociedade secreta Pena & Tinta, que costuma recrutar todos aqueles que mexem com textos literários e jornalísticos, o que é o caso dela.
Entretanto, quando a temporada de convocações começa, ela fica surpresa e incrédula ao receber uma carta da Rosa & Túmulo, uma das mais poderosas de todo o país. Sua surpresa está principalmente no fato de que, até então, a Rosa & Túmulo nunca havia recrutado mulheres para fazer parte de seu seleto grupo. Por isso, ela decide não levar muito a sério e acaba cometendo a trapalhada de pensar que está sendo entrevistada para a Pena & Tinta bem no meio de uma seleção da própria Rosa & Túmulo!

"- (...) Gostaria de aproveitar estar oportunidade para lembrar às damas no grupo que esses rapazes assumiram um grande risco e fizeram um grande ato de fé ao deixá-las entrar aqui. Esperamos que sejam mulheres exemplares... portanto, não estraguem tudo."
(pág. 140)

Tendo uma reputação cruel, séria e muito perigosa, a Rosa & Túmulo parece ser o último lugar na Terra que escolheria Amy Haskel para ser uma Coveira. No entanto, é exatamente isso que acontece e, mesmo tropeçando diante da escolha e da iniciação, Amy entra para os Coveiros e recebe até mesmo seu nome secreto, que só pode ser usado dentro das dependências da fraternidade ou perante outros membros apenas.
Toda essa atmosfera de mistério fornece uma leitura divertida e fascinante sobre o ambiente universitário, onde Amy pousará de pára-quedas nas regras rígidas e um tanto estranhas da sociedade Rosa & Túmulo. O que pode parecer uma brincadeira, na verdade é coisa muito séria e, embora cética, Amy estará disposta a enturmar-se e lutar pelas suas convicções dentro de uma sociedade puramente machista e muito tradicional. Logo perceberemos que a admissão de mulheres nessa irmandade será motivo de muita confusão, principalmente quando os membros mais antigos e poderosos são capazes de não só interferir, mas até mesmo destruir a vida de Amy e dos iniciandos apenas para que saiam do caminho e mantenham a reputação da Rosa & Túmulo intacta.

"Podia gostar muito. Eles haviam me escolhido, entre todos os estudantes da universidade, para me juntar às suas fileiras. Para ser uma das primeiras mulheres. Isso era muito mais legal do que a Pena & Tinta!"
(pág. 145)

Sociedade Secreta: Rosa & Túmulo é uma leitura deliciosa, divertida e fascinante que se passa em uma das várias faculdades conceituadas dos Estados Unidos e insere o ambiente das sociedades secretas e irmandades para deixar a narrativa ainda mais misteriosa e perigosa. Logo no começo é deixado bem claro que esta história está sendo recontada e que todos os nomes, inclusive o da própria Amy, foram alterados para manter todos os envolvidos em sigilo e, dessa forma, evitar represálias por estar sendo divulgado diversos segredos da Rosa & Túmulo. Essa ferramente torna o livro ainda mais realista e você se sente parte da história, parte desse mundo, como se estivesse lendo os relatos de uma Coveira sobre tudo o que se passa dentro da Rosa & Túmulo. É fantástico a forma como esse livro fez parecer todos os seus fatos incrivelmente palpáveis e eu finalizei esse primeiro volume louca de vontade de fazer minhas malas e partir para os Estados Unidos, para esse universo secreto das sociedades e, quem sabe, até mesmo ser recrutada para uma delas!
Amy Haskel me lembrou muito as personagens da Meg Cabot: desastradas, com sérios problemas no amor, mas determinadas, corajosas e capazes de fazer a diferença. Ela é muito divertida e o fato de o mundo das sociedades secretas, quanto mais seu recrutamento para a Rosa & Túmulo ao invés da óbvia Pena & Tinta, ser completamente novo para ela (e para nós), suas atitudes impensadas deixam os membros mais tradicionais da sociedade completamente de cabelos em pé e horrorizados pela quebra nas tradições e falta de respeito por elas.
A convocação e o ingresso nessas irmandades é algo levado muito a sério e percebemos isso quando a amizade de Amy com sua colega de dormitório, Lydia, é fortemente abalada. Lydia me irritou do começo ao fim, pois ela queria de todo jeito saber para qual sociedade Amy havia sido convocada e, também, tudo o que se passava com a amiga enquanto no mausoléu sede da Rosa & Túmulo; em contrapartida, Lydia sempre se esquivava e ficava em absoluto silêncio quando Amy rebatia as perguntas sobre a própria sociedade que a havia convocado. Engraçadinha ela. Mesmo assim, a Rosa & Túmulo é uma sociedade de peso e percebemos isso durante todo o livro, principalmente quando Amy recebe o pin em forma de caixão com uma rosa no meio para usar sempre, oculto aos olhos de todos, mas visível para os membros e Coveiros.

"- Que bom, querida. Tem feito alguma coisa interessante ultimamente?
Beber suco de romã em um crânio humano e jurar fidelidade eterna a uma organização secreta vestida em fantasias bizarras conta?"
(pág. 190)

Em suma, a leitura foi espetacular, totalmente realista e palpável, com todo um universo ricamente desenvolvido em suas quase 400 páginas. A narrativa de Diana Peterfreund é deliciosa e fluida e cada capítulo é precedido pela frase Por meio desta, eu confesso:... deixando nossa curiosidade em chamas para o que se desenrolará nas páginas a seguir.
Ao longo do livro, vemos que Amy desenvolve-se de uma simples editora de revista com um caso amoroso complicado para uma forte, determinada e desafiadora Coveira, disposta a firmar os pés dentro da Rosa & Túmulo e terminar com as injustiças que cercam sua convocação por ela ser mulher. As ameaças impostas por membros extremamente poderosos e perigosos não serão capazes de afastar Amy da grande honra que é ser convocada para fazer parte da Rosa & Túmulo. Não é mentira que as possibilidades que essa sociedade oferece em todos os aspectos da vida de um Coveiro, desde financeiro até mesmo profissional, são ilimitadas e fazer parte dela é abrir portas para o sucesso. Mesmo assim, mesmo com todo esse pote de ouro aberto diante dos olhos de Amy, ela se mostra uma verdadeira guerreira, principalmente ao defender uma outra Coveira, Clarissa, apesar de suas diferenças óbvias desde o início, quando diante dos Patriarcas, os membros mais antigos e que opõem-se totalmente ao recrutamento de mulheres para a ordem. Ela os lembra sobre muitas coisas que fizeram, principalmente um dos veteranos, Poe, que sempre foi um grande empecilho desde que ela aceitou entrar para a Rosa & Túmulo. Não só nessa cena, nesse momento da história, como gradualmente, percebemos que Amy veio para ficar e isso a transformou em uma personagem memorável, cheia de atitude e troublemaker.
Definitivamente é uma série que começou em grande estilo e fiquei completamente apaixonada pela história. No entanto, os livros são difíceis de comprar, principalmente pelo preço (cada um custa R$50,00), mas devo dizer que, pelo brilhantismo do enredo, é um dinheiro mais do que bem investido! A diagramação da Record está super confortável e a leitura é rápida e intrigante. Uma sensacional pedida para mergulharmos no mundo universitário e, principalmente, das fascinantes sociedades secretas!

"Estranho. Com a maioria dos homens, a admissão de amor não correspondido é um pouco insípida. Esqueça Cyrano de Bergerac, esqueça Romeu Montéquio, Ato Um, Cena Um. As garotas só se derretem por esses homens na ficção. Na vida real, gostamos que se façam um pouco de difíceis. Mostre-me um homem enlouquecidamente apaixonado e eu lhe mostrarei um pateta."
(pág. 290)

Nota:



2 comentários:

Monica Navarro disse...

Adorei a sua resenha. Quero ler esse livro. A vida universitária nos EUA sempre me fascinou.
Gostei muito da descrição da personagem principal. Quero saber como ela foi parar nessa sociedade secreta (adorei o nome).

Andrea Duarte disse...

Amo histórias no clima High School, sendo livro, filme, série.. Claro que nem todos me agradam, mas tenho paixão por esse gênero. Gostei do livro, a história é bem interessante e diferente para mim, já que nunca li um enredo que envolvesse irmandades secretas em faculdades e tal e tal.. Gostaria de lê-lo.
bj, dréa