segunda-feira, 17 de novembro de 2014

#Indicação - Filme: Drácula - A História Nunca Contada


Drácula: A História Nunca Contada (Dracula Untold) - 2014

Os habitantes da Transilvânia sempre foram inimigos dos turcos, com quem tiveram batalhas épicas. Para evitar que sua população fosse massacrada, o rei local aceitou entregar aos turcos centenas de crianças. Entre elas estava seu próprio filho, Vlad Tepes (Luke Evans), que aprendeu com os turcos a arte de guerrear. Logo Vlad ganhou fama pela ferocidade nas batalhas e também por empalar os derrotados. De volta à Transilvânia, onde é nomeado príncipe, ele governa em paz por 10 anos. Só que o rei Mehmed (Dominic Cooper) mais uma vez exige que 100 crianças sejam entregues aos turcos. Vlad se recusa e, com isso, inicia uma nova guerra. Para vencê-la, ele recorre a um ser das trevas (Charles Dance) que vive pela região. Após beber o sangue dele, Vlad se torna um vampiro e ganha poderes sobrehumanos.


Antes que você torça o nariz e dê meia volta, arrependendo-se de ter aberto esta indicação com mais um filme sobre vampiros e blablablá, deixe-me contar por que você deve dar uma chance a este aqui.
Adoro tudo o que diz respeito a vampiros. Filmes, livros, séries, revistas, enfim, tudo o que me permita conhecer um pouco mais sobre este ser sobrenatural, definitivamente tem a minha atenção. Algumas experiências não são boas, é verdade, existem adaptações e enredos que simplesmente não dão certo. Mas Drácula: A História Nunca Contada, parecia trazer um propósito que se encaixava melhor no que Stoker tinha se inspirado para escrever o seu próprio Drácula.
O filme foca a vida de Vlad Tepes que, como se sabe, foi o temido Empalador no qual Bram Stoker inspirou-se para desenvolver seu conde fictício. Após ser entregue ainda menino pelo próprio pai para servir no conquistador e devastador exército turco, Vlad tornou-se tão cruel que empalava suas vítimas ainda vivas, espalhando o medo pelas terras que os turcos conquistavam e afugentando a resistência de outras tantas que eles almejavam.
De volta à Transilvânia e ao posto de príncipe que sempre foi seu por direito, a fama de Vlad o manteve ileso perante o exército turco e ele pode, então, constituir família e governar seu reino de maneira segura. Mas, quando homens do rei Mehmed chegam em seus domínios exigindo os impostos a serem pagos, além da entrega de 100 meninos para serem treinados no exército, o príncipe está disposto a impedir que o que aconteceu a ele há muitos anos, se repita, ainda mais com o próprio filho.
Com a tensão aumentando entre ele e Mehmed e disposto a qualquer coisa para proteger sua família, Vlad parte para encontrar uma estranha e sombria criatura que habita uma das montanhas das redondezas, tentando encontrar respostas e uma possibilidade de manter-se vivo e seus entes queridos, a salvo.
Drácula é um filme repleto de ação, muitas lutas e não há qualquer misericórdia, principalmente quando Vlad está na linha de frente das batalhas. Então, se você gosta de confrontos sanguinários, este filme é o certo! Mas é claro que ainda há o elemento sobrenatural, o ponto-chave do filme é mostrar como príncipe e lenda interligam-se, o que faz Vlad Tepes, o Empalador, transformar-se em Conde Drácula.
O espaço-tempo é de pouco mais de três dias, mas o que realmente me deixou incomodada foi quando os três dias começaram a rodar. Há um grande motivo para essa contagem de tempo, mas a contagem efetivamente, na minha opinião, foi um pouco falha. Digamos que esses três dias renderam um bocado, como se cada um deles tivesse, pelo menos, 72 horas. Isso para dar tempo de tudo acontecer. Simplesmente não me convenceu.
No entanto, tenho de destacar o enredo do filme; a ideia de interligar a história de Vlad Tepes com a lenda do Drácula foi algo que nunca tinha visto antes. Uma aposta que, a meu ver, deu muito certo, principalmente com as cenas de ação e efeito visuais relativamente bem feitos. As atuações também merecem atenção, principalmente as de Luke Evans (oi, Aramis rs) e Dominic Cooper (eterno Sky de Mamma Mia! <3), além do bonitinho e corajoso Art Parkinson, como Ingeras, filho do Vlad, e Sarah Gadon, fiel e corajosa esposa do príncipe.
Ainda não se convenceu de que é uma boa assistir Drácula: A História Nunca Contada? O final foi algo que eu não esperava, embora todas as dicas estivessem ali. Mas foi mais um ponto positivo, principalmente porque não só alguns detalhes são reanimados nesse desfecho, como também fica no ar o que pode ter acontecido depois, o que não necessariamente significa que possa haver uma continuação (espero que não haja mesmo).
Então, cenas de ação, vampiros, mortes sanguinolentas e o temível Vlad Tepes. Com certeza vale o risco, seja você fã de vampiros ou de filmes de ação, o enredo atende bem a ambos os públicos! E, claro, todo o clima sombrio e medieval são o pano de fundo perfeito para as guerras e atos ferozes que tomam os campos de batalha. Vale a pena dar uma chance!


Nota:
O desconto foi pelo transcorrer dos dias excessivamente lento.



10 comentários:

Clayciele Oliveira disse...

Eu amei os efeitos visuais do filme =) A história meio que me deixou confusa, foi difícil ver ele tão "humano" haha mas valeu a pena


www.saidaminhalente.com

ThaisPampado disse...

Eu não entendo porque tem tanta gente falando que esse filme não é bom, porque realmente eu adorei ele também! Achei uma história super diferente das outras sabe-se lá quantas adaptações do Drácula, e isso foi uma coisa boa, na minha opinião. As cenas de luta são fantásticas. Pra mim o visual do filme me pareceu algo entre Anjos da Noite e Senhor dos Anéis.

Fábrica dos Convites disse...

Oi Vê eu estava interessada neste filme, mas não tinha lido nadinha sobre ele ainda. Foi bom chegar aqui e me deparar com sua resenha. Obrigada.
Bjs, Rose.

Megs Army Book Club disse...

Dizem que visitar o castelo do conde em Bucharest, na Romênia, é de arrepiar. Aquelas paredes guardam segredos e uma energia pesada! Esse filme atual do Drácula eu ainda não vi, mas pretendo corrigir isso em breve. O livro do Bram é interessante e, agora, ter um olhar diferente parece ser uma boa escolha para o cinema. Gostei da dica e do blog! Já estamos seguindo. Te convido a conhecer o Meg's! :)

Beijo, beijo. Emily
http://megsarmybookclub.blogspot.com.br

thayna ta disse...

Estou louca a ansiosa para assistir, não pude ir ao cinema "cry", adorei o ator e como adoro vampiros seria perfeito! E a ligação que fizeram com drácula e Vlad deve ter sido bem legal, minhas expectativas não caiu, e quero assistir o quanto antes.
Beijos Vê, ThaynáQ.

Desbravadores de Livros disse...

Não pude ver o filme no cinema, infelizmente. Mas pretendo muito assistir.

Assim como você, Vê, eu adoro tudo que envolva vampiros. Muita coisa sai uma porcaria (Crepúsculo), mas tem outras que saem muito boas. Acredito que realmente o filme esteja no segundo caso, até porque a premissa é muito boa.

Vitória Pantielly disse...

Vê! Tudo bom?
Confesso que to bem curiosa e com a expectativa bem alta em relação a esse filme. Infelizmente terei que esperar um bom tempo até chegar no cinema da minha cidade, então o que me resta é esperar!
Mas você é a primeira pessoa que vejo falando que faltou algo nesse filme! Bem, é esperar e vê se eu vou achar, acho que impossível eu não gostar, afinal o Drácula é um clássico ;)
Bjs :*

Gladys Sena disse...

Ah Vê não é a minha praia.
Não curto terror, cenas sanguinolentas.
Esse personagem possui várias adaptações.

Ingrid Moitinho disse...

Estou doida pra assistir esse filme, ainda não tive a chance mas assistirei em breve! Fiquei com mais vontade ainda agora. rs Gosto bastante desse tipo de filme.

David Galan disse...

Assistirei online por não passar nem ter passado no cinema da minha cidade, é o único vampiro que curto adaptações e histórias, justamente por ser uma lenda tão fascinante e que possui margem para várias interpretações, acredito que o filme deve ter atendido ao que foi proposto, com muita sangue e contando detalhes realmente importantes de Vlad e sua transformação, darei uma chance sim!