segunda-feira, 17 de novembro de 2014

#Resenha: Cem Toques Cravados - Edson Rossatto

Cem Toques Cravados
Autor: Edson Rossatto
Editora: Europa
Número de páginas: 272

"Somando-se aos 100 nanocontos originais da primeira edição, esta edição ampliada traz mais 400 nanocontos inéditos, além de um capítulo escrito pelo próprio autor em que ensina os leitores a escreverem micronarrativas."


Compre: Saraiva | Submarino

Resenha relacionada:

Não me lembro exatamente como fui apresentada ao trabalho do Edson, mas, já há algum tempo tenho certa admiração pela habilidade do autor em falar muito com poucas palavras. Depois da leitura de Curta-Metragem, estava mais do que curiosa para conferir a compilação de outro projeto do autor: o Cem Toques Cravados.
Talvez vocês não se lembrem, mas já instalei aqui no blog há um tempo um gadget por onde podia-se conferir alguns textos deste projeto do Edson. Basicamente são histórias feitas de 100 caracteres, nem mais, nem menos. Praticamente uma frase.
Mas aí você pensa: como pode? E eu digo: não só pode, como deve! A limitação de caracteres permite, sim, uma história completa, mas o que realmente fica após a leitura é a nossa imaginação, voando pelo o que acabamos de ler. Cada texto abre-se para várias interpretações: quem são aqueles personagens? Quais são suas histórias? O que vem antes e depois daquele momento narrado?
É claro que, em alguns casos, as situações tornam as respostas a essas perguntas um tanto quanto óbvias. Mas, apesar de devorar os 500 nanocontos presentes nessa edição estendida em poucas horas, precisa-se levar em conta que não se trata de apenas uma história completa, com começo, meio e fim, mas de 500 histórias diferentes, com começo, meio e fim.
Um livro escrito com incrível habilidade por Edson Rossatto. Eu não sou uma pessoa de poucas palavras, gosto de descrever tudo, falar, falar e falar. Então, quando encontro alguém com o talento de dizer muito em tão pouco, fico muito surpresa e fascinada. São situações cotidianas, uma cena que às vezes nos deparamos na rua ou no ônibus, e que estão transcritas aqui. Por isso, Cem Toques Cravados não só pode como deve ser considerado uma leitura de cabeceira.
Um livro para ler ao deitar-se, para se esquecer dos aborrecimentos da vida, mas sem deixar de pensar nela, nas situações que nos cercam e que podem, até mesmo, ter acontecido conosco. Leitura leve, com uma diagramação fluida e divertida, em uma edição super caprichada! Se você está em busca de algo que retrate o cotidiano brasileiro, mas sem ser maçante ou cansativo, sugiro estes Cem Toques Cravados; uma perspectiva simples, porém completa e em poucas palavras. Definitivamente uma forma de se escrever que deve ser apreciada!


Nota:



8 comentários:

Edson Rossatto disse...

Poxa! Fiquei lisonjeado tanto com as palavras quanto com a pontuação que você atribuiu ao livro, Verônica! Obrigado!

Fábrica dos Convites disse...

Oi Vê, gosto muito de ler estas mini histórias, ou crônicas, contadas pelo Edson. Tenho ambos os livros (Cem Toques cravados e Curta Metragem), além de também ter o gadget dele instalado no blog, e só posso dizer que cada dia é uma surpresa.
Bjs, Rose.

thayna ta disse...

Nunca vi nada sobre o autor, mas achei bem legal a limitação que ele coloca em suas obras, e como podem ficar na nossa imaginação depois de a história acabar.
Queria conhecer mais as obras dele.
Beijos Vê, ThaynáQ.

Desbravadores de Livros disse...

Nunca li nada do autor, mas sua resenha me deu vontade de ler, Vê. Principalmente porque eu fico encantado com microcontos. Um motivo simples: é uma arte que eu não consigo dominar. Fico bobo em como se pode falar muito com tão pouco.
Certamente vou querer ler.

Vitória Pantielly disse...

Vê :}
Não conhecia o autor, e ao primeiro contato que tive desse livro eu simplesmente deixei pra lá, não tinha dado muito bola, até porque nunca fui muito ligada a contos!
Sua resenha acabou me animando, não sabia que as "histórias" eram completas, e adorei o que o autor montou!
Bjs

Gladys Sena disse...

Que interessante!
Algo bem diferente do que vemos atualmente.

Ingrid Moitinho disse...

Não conhecia o autor, mas gostei muito de conhecer esse livro.
Não sou muito fã de contos, mas darei uma chance pra esse.

David Galan disse...

É um trabalho diferente do que estamos acostumados e por isso muito interessante, saber como o autor consegue contar uma história completa com tão poucas palavras e ainda situações do cotidiano é encantador, realmente uma obra de cabeceira para lermos e relermos quando quisermos, rapidamente e ficarmos pensando por um bom tempo, já ouvi muito sobre o autor, mas nunca procurei nada sobre seu trabalho, agora vejo que deveria ter feito isso e me aventurado por seus nanocontos.