sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

#Indicação - Série: Crazyhead



Crazyhead - Exibido no Reino Unido pelo canal E4 e disponível no Brasil pela Netflix.

Número de Temporadas: 1 (6 episódios).


Sobre o que fala?

Algumas pessoas simplesmente não nasceram para ter uma vida comum. Este é o caso de Amy (Cara Theobold), uma jovem de vinte e poucos anos, que nunca se imaginou enfrentando uma legião de demônios. Felizmente, ela não está sozinha. Junto com sua amiga Raquel (Susan Wokoma), a dupla encara esta arrepiante missão, sem abrir mão dos problemas típicos de suas idades.


Está à procura de uma série na Netflix? De bobeira aí, sem nada para assistir em mente? Então Crazyhead é a escolha perfeita. Não só por causa do nome, mas esse é o tipo de série que aparece aleatoriamente na Netflix enquanto você procura por alguma coisa e, quando se dá conta, já terminou de ver os seis episódios da primeira temporada.
Amy nunca foi uma jovem normal. Há anos tratando-se com psiquiatras e medicações, ela finalmente está pronta para ficar sem os remédios e esperar pelo melhor. Mas, em uma noite, numa boate, ela sai para fumar e depara-se com um homem cuja aparência imediatamente a faz lembrar-se de que nunca poderá ter uma vida normal. E, o que é pior, esse monstro está atrás de uma outra jovem, só que ela está muito bem preparada para ele.
É aí que Amy conhece Raquel e todo o seu mundo ganha um novo significado. Isso porque Raquel também consegue enxergar esses monstros nas pessoas. Rapidamente Amy sabe que, na verdade, tratam-se de demônios que possuíram as pessoas e gente como ela e Raquel tem o dever de caçá-los e expulsá-los de volta para o Inferno.
Um início e tanto para uma série britânica, confesso! Adoro um toque sobrenatural e o que mais me chamou atenção nessa foi a caracterização dos demônios, como se fossem seres negros, caveiras, que podem ser vistas nas pessoas possuídas.


A série também explora a amizade. Raquel, por saber desde pequena que era diferente, nunca teve amigos, tampouco qualquer outro tipo de relacionamento que não fosse com seu irmão mais velho e seu pai. Por isso, quando ela encontra Amy, que é muito parecida e também enxerga esses seres, ela fica dividida entre a desconfiança e a alegria por finalmente ter alguém como ela.
Se você não se incomoda por uma série ter muitos palavrões, especialmente de conotação sexual, então não deve ser um problema. Eu confesso que às vezes achava meio exagerado, mas já assisti várias outras séries com a mesma frequência de palavrões e acabei me acostumando. Este seria o único contra de Crazyhead.
Nós vamos acompanhando as aventuras muito desastradas e engraçadas de Amy e Raquel para tentar evitar que demônios ascendam do Inferno em um plano maligno para possuir diversas pessoas. Para isso, elas contarão com a ajuda, principalmente, de Jake, que tem uma queda pela Amy e lentamente ganha nossa confiança e torcida para que consiga ficar com ela. Além disso, é claro que Amy e Raquel deixarão um rastro com suas atitudes e atos que trarão graves consequências numa futura temporada. Basta ver como o último episódio termina!
Crazyhead tem aquele toque sobrenatural despojado do qual eu sentia falta em outros seriados. Aborda a possessão demoníaca de um jeito diferente e, principalmente, visual. Acompanhando essas duas personagens tão diferentes, podemos ter uma ideia de como é a vida de quem consegue enxergá-los. Entre momentos de "putz" e outros muito divertidos, é uma série rápida de se assistir, mas não menos interessante! Não vejo a hora da próxima temporada chegar, tenho certeza de que reserva muitas revelações e outras aventuras e trapalhadas para Amy e Raquel. Sendo ambientada na Inglaterra e com aquele sotaque inglês chiquérrimo, o que mais poderíamos esperar?

Onde?

Se você tem assinatura Netflix, pode conferir os seis episódios e maratonar todos de uma só vez! Se ainda não possui, lembre-se que o primeiro mês é grátis e você consegue assistir em um dia!


Nota:

Nenhum comentário: