sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

#Resenha: Um Punhado de Centeio - Agatha Christie

Um Punhado de Centeio (A Pocket Full of Rye - Miss Marple #07)
Autora: Agatha Christie
Editora: L&PM Pocket
Número de páginas: 256

"Era para ser um típico chá matinal... mas a rotina da empresa de Rex Fortescue foi abalada por um envenenamento. Ao investigar o local do crime, a polícia se depara com um achado curioso: um punhado de centeio dentro do bolso da vítima. Quando uma conhecida de Miss Marple entra na mira do mesmo criminoso, ela decide que é hora de intervir.
Em Um punhado de Centeio, publicado originalmente em 1953, Agatha Christie vale-se de toda a argúcia criar um enredo complexo - cheio de pistas duvidosas e de assassinos em potencial - que desafiará até mesmo o leitor mais sagaz.

'Este é o melhor livro protagonizado por Miss Marple' - The New York Times"

Compre: Saraiva | Submarino

Resenhas anteriores:


  • Assassinato na Casa do Pastor (Miss Marple #01);
  • Os 13 Problemas (Miss Marple #02);
  • Um Corpo na Biblioteca (Miss Marple #03);
  • A Mão Misteriosa (Miss Marple #04);
  • Convite para um Homicídio (Miss Marple #05);
  • Um Passe de Mágica (Miss Marple #06).


  • Cá estamos com o que, sem dúvida, deve ser o melhor livro da Miss Marple que eu li até agora. E gosto bastante de seguir a ordem de publicação, pois temos a oportunidade de acompanhar o crescimento e envelhecimento da Miss Marple, já que ela é a personagem central de todas as histórias. Mas nada poderia ter me preparado para o que vi em Um Punhado de Centeio.
    A começar, foi um livro bem chato de encontrar. Aguardei por meses o seu relançamento pela L&PM Pocket, pois todas as outras edições já estavam esgotadas. Mas a espera valeu a pena, muito! Tudo começa com o envenenamento de Rex Fortescue após tomar seu chá e as circunstâncias do ocorrido tornam-se ainda mais bizarras quando é encontrado centeio em um de seus bolsos. O envenenamento é confirmado como de uma substância encontrada em uma árvore que permeia a propriedade do homem, levantando suspeitas sobre os familiares, especialmente, a esposa Adele.

    "Alguém sugeriu discar 999, mas a srta. Griffith rejeitou a ideia, perguntando o que a polícia podia fazer naquele caso. Como cidadãs de um país com um serviço público de saúde gratuito e universal, e detentoras de um nível de inteligência bastante razoável, aquelas mulheres demonstravam uma ignorância incrível a respeito de como proceder naquela situação. A srta. Bell começou a procurar por ambulâncias na letra A." - p. 13

    Um dos filhos, Lancelot, com quem há muito Rex rompera ligações, chega a Londres e, posteriormente, à propriedade da família vindo do Quênia, com a esposa pouco tempo depois do assassinato. O inspetor Neele tem bastante trabalho para entender o relacionamento dos filhos com o pai, já que o outro, Percival parece acreditar que Rex não andava bem das ideias.
    Quase em seguida, mais duas pessoas são mortas na mansão da família e a lista de suspeitos não parece, em momento algum, estar próxima de estreitar-se. Miss Marple, então, entra em cena quando uma conhecida sua é uma das vítimas e coloca-se a investigar do seu jeitinho peculiar, mas sempre muito elucidativo.

    "- Compaixão é uma coisa - disse Miss Ramsbottom -, e eu sou capaz de expressar esse sentimento tanto quanto qualquer outro. Mas maldade eu não consigo tolerar. A maldade precisa ser exterminada." - p. 100

    O que mais gostei em Um Punhado de Centeio é que Agatha Christie, mais uma vez, me fez cair feito um patinho em todas as suas insinuações de quem poderia ser o provável culpado. Ela desvendou a culpa de forma a me pegar completamente desprevenida e justamente com o último personagem que eu teria capacidade de considerar suspeito! Inclusive, já o excluíra da culpa há bastante tempo!
    Como já disse várias vezes, as histórias da Agatha são permeadas por muitos personagens e, dessa vez, não poderia ter sido diferente. Muita gente morando na mesma casa só poderia resultar em uma lista considerável de suspeitos que, a cada ato, fato ou frase por ele dita só ia trocando de posição na minha lista de possíveis culpados da situação.
    Fato é que, como nos casos mais sombrios, a resolução desta situação estava em uma antiga rivalidade entre famílias que resultou em tragédia e em parentes ressentidos que tiveram muitos anos para remoer o luto e o sentimento de injustiça para planejar exatamente o que aconteceria aos envolvidos, custe o que custasse.
    E no meio disso tudo estava Miss Marple, pronta para resolver três assassinatos!

    "Miss Marple poderia ser de grande valia para ele. Era uma pessoa série e de integridade inquestionável que, como todas as outras senhoras de idade, dispunha de tempo de sobre e um faro infalível para boas fofocas." - p. 114

    Se você, por qualquer motivo do mundo, ainda não tenha se aventurado nos livros sobre a Miss Marple, talvez devesse começar por Um Punhado de Centeio. Ou talvez não, já que este é, de muito, muito longe, o melhor livro que li até agora dela. Talvez os outros não o superem e você se sinta desmotivado. Mas não desista!
    Miss Marple é aquele personagem pelo qual ansiamos qualquer aparição, gesto ou fala que possa nos ajudar a entender um pouco melhor da história e, quem sabe, achar o verdadeiro culpado. Nunca acontece comigo, mas nada me impede de continuar sonhando, não é mesmo? Sem contar que as resoluções são as mais surpreendentes e inesperadas possíveis, pegando a última pessoa que você esperaria estar envolvida na tramoia e a coroa culpada de tudo.
    A edição pocket da L&PM é uma graça e a capa eu adorei! Alguns errinhos de português aqui e ali, mas nada muito grave. Diagramação como todos os outros livros pockets da editora que é confortável de ler, mas não muito no caso de livros um pouco mais grandinhos.
    De toda forma, seja essa edição ou outra, leia Agatha Christie! Leia Miss Marple! Um ótimo exercício para a mente investigativa e um ótimo estudo da natureza humana, que a nossa velhinha detetive sempre adora ressaltar!

    "Uma canção bem simplezinha, um punhado de centeio,
    E uma torta com duas dúzias de melros de recheio.
    Quando a torta é cortada os pássaros começam a cantar.
    O que pode ser melhor para o rei como manjar?" - p.122

    Classificação final:


    Nenhum comentário: